Redação Pragmatismo
Juristas 10/Jul/2018 às 15:59 COMENTÁRIOS

Gebran Neto cancela possível investigação contra Sergio Moro

Amigo pessoal de Sergio Moro, desembargador João Pedro Gebran Neto impede que a corregedoria do TRF-4 e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investiguem o juiz da Lava Jato por se negar a cumprir ordem de soltura de Lula

Gebran Neto cancela possível investigação contra Sergio Moro

Nesta segunda-feira (9), o desembargador João Pedro Gebran Neto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), decidiu manter sua decisão que impediu que o ex-presidente Lula deixasse a prisão. No mesmo despacho, Gebran impediu que a corregedoria do TRF-4 e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investiguem o juiz Sérgio Moro por se negar a cumprir ordem de soltura de Lula.

Ante o exposto, reafirmo o entendimento no sentido do indeferimento da medida liminar revogo integralmente as decisões em plantão deferidas nestes autos, inclusive no tocante ao envio de comunicação peças à Corregedoria-Geral de Justiça da 4ª Região e ao Conselho Nacional de Justiça, porquanto flagrantemente prejudicadas em razão de deliberações posteriores”, escreveu Gebran.

Moro negou cumprir a decisão de soltar Lula afirmando que o ‘desembargador plantonista, com todo o respeito, é autoridade absolutamente incompetente para sobrepor-se à decisão do Colegiado da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região e ainda no Plenário do Supremo Tribunal Federal’.

Saiba mais:
O batom na cueca que faltava para desmascarar Sergio Moro
Professora desmente tese do ‘conflito de competência’ para barrar libertação de Lula
Lula permaneceu em “cárcere privado” apenas pelos gritos de Sergio Moro
Manobra de Sergio Moro para manter Lula preso é própria de quadrilha

No domingo (8), Gebran, que é relator da Lava Jato no TRF-4, cassou decisão do desembargador Rogério Favreto, que havia ordenado a soltura de Lula. Segundo ele, não há fato novo para justificar a decisão de Favreto. O desembargador é alvo de representações no CNJ.

Para o julgamento definitivo do habeas corpus que pede a liberdade de Lula, Gebran determinou que a 13ª Vara Federal de Curitiba, a de Moro, deve prestar informações pertinentes ao tribunal superior.

Leia também:
Citado por Gebran no TRF-4, jurista diz que seu texto foi “totalmente descontextualizado”
Fragilidade do voto de Gebran contra Lula chama a atenção de juristas
Tratamento de Gebran à defesa de Lula revelou julgamento viciado
Reinaldo Azevedo, detrator de Lula, diz que voto de Gebran foi “lamentável”
Juiz do TRF-4 dá despacho no caso Lula em tempo recorde

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários