Redação Pragmatismo
Eleições 2018 09/Oct/2018 às 09:35 COMENTÁRIOS

Bolsonaro chama Haddad de canalha ao recusar acordo de combate às fake news

Fernando Haddad propõe carta-compromisso contra fake news no 2º turno da eleição presidencial e Jair Bolsonaro o chama de “canalha”

Bolsonaro Haddad canalha combate às fake news

Após o segundo turno ser definido entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), o presidenciável petista afirmou, na tarde desta segunda-feira (8), que convidaria o adversário para assumir uma “carta compromisso” para o segundo turno, com objetivo de combater a disseminação das chamadas fake news durante a eleição.

Em coletiva de imprensa após visitar o ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR), Haddad afirmou que sua campanha faria “esforço para que eles assinem uma carta de compromisso contra a calúnia e a difamação anônima que acontecem nas redes sociais, sobretudo o WhatsApp”.

O deputado presidenciável respondeu à sugestão de Haddad pelo Twitter. Em sua conta, Jair Bolsonaro afirmou que o petista espalha fake news sobre seu plano de governo.

O pau mandado de corrupto me propôs assinar ‘carta de compromisso contra mentiras na internet’. O mesmo que está inventando que vou aumentar imposto de renda pra pobre. É um canalha! Desde o início propomos isenção a quem ganha até R$ 5.000. O PT quer roubar até essa proposta”, escreveu o candidato em sua conta.

Saiba mais:
Mídia tradicional reconhece que Haddad foi prefeito exemplar
João Doria é desmascarado após se vangloriar de premiado projeto de Haddad
João Doria aplica 16% a menos do que Haddad na área da saúde em São Paulo
Haddad vence desafio internacional de prefeitos e leva US$ 5 milhões
Haddad prega peça em comentarista desonesto da Jovem Pan
Urbanista diz que SP já deveria ter tido um prefeito como Haddad há 20 anos
Prefeita de Paris diz que “votaria em Haddad” durante debate na Sciences Po
WSJ: Haddad seria considerado visionário se fosse prefeito de Berlim

Imposto de renda

Bolsonaro faz referência à proposta de Paulo Guedes, seu guru econômico, de unificar em uma mesma alíquota (20%) o Imposto de Renda para pessoas físicas e jurídicas. Em 19 de setembro, o jornal Folha de S. Paulo revelou que Guedes propôs, a uma plateia restrita no dia anterior, um pacote tributário que incluía a criação de um imposto semelhante à CPMF e a adoção de uma única taxa de imposto de renda para pessoas físicas e jurídicas.

Mais tarde, o economista afirmou que iria apenas “congelar” a tarifa máxima, mas a proposta repercutiu mal, pois elevaria a carga tributária para aqueles que ganham menos, e aliviaria para os mais ricos.

Atualmente a alíquota do Imposto de Renda da Pessoa Física varia conforme o rendimento anual do trabalhador.

No encontro, de acordo com a colunista Monica Bergamo, da Folha, Guedes também anunciou que quer eliminar a contribuição patronal para a previdência, que incide sobre a folha de salário com alíquota de 20%.

Em seguida, Bolsonaro disse, também nas redes sociais e sem citar a matéria, que sua equipe econômica trabalha para “redução de carga tributária, desburocratização e desregulamentação”. “Chega de impostos é o nosso lema! Somos e faremos diferente. Esse é o Brasil que queremos!”, escreveu o candidato.

Integrante da equipe de Paulo Guedes, o economista Marcos Cintra confirmou para a colunista o teor da proposta. Partiu dele a ideia de criar um tributo nos moldes da CPMF.

Leia também:
Manuela D’Ávila é a principal vítima de fake news na eleição de 2018
Há uma intervenção autoritária em marcha no Brasil hoje
O fascismo é um mecanismo de contágio
As eleições de 2018 e a emergência da luta antifascista no Brasil
Brasil vive fenômeno político sem precedentes
Como diferenciar a direita da esquerda?
Quem quer ser um cidadão de bem?

Congresso em Foco

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários