Redação Pragmatismo
Juristas 19/Jul/2019 às 16:05 COMENTÁRIOS

Deltan Dallagnol está entre o 1% mais rico do Brasil

Mesmo sem palestras, Deltan Dallagnol faz parte do 1% mais rico do Brasil. Família do procurador da Lava Jato possui latifúndios no Mato Grosso e ganhou 36,9 milhões de Reais do Incra

Deltan Dallagnol entre mais rico do Brasil
Deltan Martinazzo Dallagnol (Imagem: AJUFE)

André Barrocal, CartaCapital

A carreira de palestrante de Deltan Dallagnol, chefe dos procuradores da Operação Lava Jato em Curitiba, será investigada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), órgão de fora da corporação existente para vigiar a categoria.

Dallagnol planejou usar a esposa de laranja para disfarçar a violação de leis que proíbem membro do MP de ter empresa comercial, conforme conversas reveladas pelo The Intercept Brasil. Precisava chegar a tanto por dinheiro?

Leia também: A empresa de cursos e palestras da esposa de Sergio Moro

Os procuradores de Justiça já são bem pagos pelos brasileiros. Era de 28,9 mil reais o salário inicial no último concurso do Ministério Público Federal (MPF), realizado entre 2016 e 2017. Valor capaz de botar os aprovados no 1% mais rico do País, clube vip do qual se parte em caso de renda mensal de 27 mil, nas contas do IBGE.

O contracheque de Dallagnol em junho foi de 36,7 mil reais, fora as férias: 33.689 de salário, 910 de auxílio-alimentação e 2.158 de auxílio-pré-escolar. O do colega Roberson Pozzobon, que seria sócio da firma de palestras desenhada por Dallagnol, foi igual, exceto pela mordomia escolar. Dallagnol tem dois filhos.

A remuneração gorda de procuradores e promotores faz do MP brasileiro campeão mundial de gastos, segundo a pesquisa “O custo da Justiça no Brasil”, publicada em 2015 pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Em 2014, o MP custou à população 15,4 bilhões, 0,32% do PIB. Na Itália, morde por ano 0,09%. Em Portugal, 0,06%. Na Alemanha e na Espanha, 0,02%.

Saiba mais: Membros da Lava Jato vivem na “mesma bolha” de uma elite estatal hereditária

Especificamente sobre Dallagnol, o texto diz: “Tal como nos outros dois casos [de Sergio Moro, então juiz, e de Carlos Fernando Santos Lima, também procurador] verificamos uma reprodução dentro da elite estatal, com os filhos preservando muitas vezes os valores e as ideologias dos pais na década de 70, época de autoritarismo e justiça de exceção”.

No Brasil do século XXI, Dallagnol também é exceção: pertence ao 1% mais rico de um dos dez países mais desiguais do planeta.

Leia mais:
Além de R$ 30 mil, Dallagnol exigiu hotel e ingressos para o Beach Park
Primeiro áudio da Vaza Jato é divulgado pelo The Intercept
“Aha uhu o Fachin é nosso”, comemorou Deltan Dallagnol
Faustão confirma autenticidade após aparecer em diálogos de Moro e Dallagnol
Vazamentos da Lava Jato revelam que intenção nunca foi combater a corrupção

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários