Redação Pragmatismo
Mídia desonesta 13/Jun/2019 às 20:00 COMENTÁRIOS

Na rádio Jovem Pan, Glenn Greenwald rebate apoiadores de Moro

Em entrevista ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan, Glenn Greenwald rebateu membros da bancada que questionaram as reportagens ou tentaram relativizar a postura de Moro. O jornalista ainda desmentiu as fake news que foram espalhadas por extremistas para desqualificar o conteúdo

rádio Jovem Pan Glenn Greenwald rebate apoiadores de Moro
Glenn Edward Greenwald (Imagem: Captura de tela)

RBA

Desde que foram reveladas pelo The Intercept Brasil, as conversas entre o ministro da Justiça Sergio Moro, então juiz da Operação Lava Jato, com o procurador da força-tarefa Deltan Dallagnol têm levantando dúvidas por parte de setores da sociedade que, até então, apostavam na figura de Moro como um herói contra a corrupção.

Em entrevista ao programa Pânico, da rádio Jovem Pan, nesta quinta-feira (13), o jornalista e editor responsável pela publicação, Glenn Greenwald, rebateu algumas das críticas mais recorrentes sobre o The Intercept Brasil, entre elas, a de que a falta de imparcialidade é, na verdade, do veículo de comunicação, como em diversos momentos da entrevista a equipe da emissora buscava comprovar.

Eu apoio a Lava Jato, mas eu acho uma tragédia o Moro concluir que o trabalho dele era tão importante que ele não precisava seguir regras”, afirmou Glenn.

A entrevista, que contou com a participação da jornalista Vera Magalhães, colunista do jornal O Estado de S. Paulo e da rádio Jovem Pan, levantou dúvidas a respeito da veracidade dos diálogos entre o ministro e Dallagnol que, na opinião de diversos juristas, extrapola o limite que separa o trabalho do juiz da acusação, mas, entre os defensores de Moro, parecem estar descontextualizadas.

Publicamos as partes relevantes. Se publicarmos as conversas na íntegra, seríamos acusados de invadir a privacidade do Deltan Dallagnol”, explica o jornalista, acrescentando a reportagem divulgada nesta quarta (12), sobre a forma como Moro e o procurador viam o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Fux, como um panorama das conversas reveladas no domingo (9).

Temos um material mais explosivo, que terá mais impacto do que nós já publicamos. Estamos trabalhando para divulgar isso o mais rápido possível, e com outros veículos (jornalísticos)”, antecipou Glenn.

A criação do hacker

Toda a conversa entre Dallagnol e Moro estava hospedada no serviço de mensagens Telegram. Após o vazamento do conteúdo dessas trocas, os envolvidos procuraram afirmar que haviam sido hackeados, narrativa inclusive seguida por alguns veículos da mídia tradicional, que têm mais questionado sobre a legalidade das provas, do que sobre a atuação judicial.

Perguntado sobre o assunto, Glenn rebateu: “Eu não sei qual a fonte que a fonte usou para ter os documentos, mas a questão para mim é o interesse público”, disse.

E ninguém negou (o conteúdo), nem Moro, nem Deltan disseram que eles foram alterados”, ressaltou com apoio da jornalista Vera Magalhães.

Ainda na esteira da repercussão do caso, o próprio Telegram já confirmou nesta semana que não há indícios de invasão por hackers, chegando inclusive a debochar do argumento usado para criar uma espécie de “inimigo” e defender Moro.

Se um ‘hacker aqui’ lhe disser que pode quebrar a Verificação em Duas Etapas do Telegram, peça que ele prove. (O mesmo se aplica a qualquer um que diz ser o Pelé: peça prova na hora)”, ironizou o aplicativo.

Outro ponto rebatido pelo jornalista tratou das críticas mais recentes que questionaram a legalidade da conversa com base nos horários da mensagens enviadas por Deltan a Moro, dizendo que não era possível o mesmo conteúdo estar no grupo dos procuradores e na conversa particular com o ministro. “Isso é muito simples”, respondeu Glenn, “Deltan escreve primeiro no grupo, depois só encaminha (cola a mensagem) para Moro”, sintetiza.

Os apresentadores do programa procuraram refutar sobre a ilegalidade na atuação do ex-juiz, mas a própria jornalista Vera Magalhães concordou que as conversas entre o Moro e o procurador da Lava Jato “exploraram limites que não podiam ser explorados”. “Um juiz não pode falar naqueles termos com um procurador”, afirmou.

Se isso não fosse errado, porque eles ficaram quatro anos negando que estavam fazendo isso? Obviamente porque é errado, exatamente por isso eles negaram”, acrescentou Glenn. Ao que parece ter decepcionado, inclusive, a equipe da Jovem Pan. “Mas ele (Moro) era nosso herói”.

Saiba mais:
As lições que a mídia brasileira não aprendeu com o The Intercept
Seis palpites sobre quem está por trás da #VazaJato
Quem tem medo de Glenn Greenwald e do The Intercept?
Extremistas querem deportar jornalista que revelou ‘Lavajatogate’
The Intercept sofre ataques após revelar esquema entre Moro e Dallagnol
Jornalismo brasileiro deveria estar de luto após as revelações de Greenwald
10 pontos para entender a gravidade da relação entre Moro e Dallagnol

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Dogs of Mayhem Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    'E rapaziada....vai ser dificil se esquivar. A direita mente o tempo inteiro, Fazem isso, na maioria das vezes, com teses malucas e sem fundamento, fazendo revisionismos historicos tendenciosos (claro), difamando pessoas da oposicao, desacreditando estatisticas. etc.Mas agora, irmao, o negocio ta feio. O Glenn nem divulgou a fala dos caras, no audio mesmo e ja ta esse corre-corre todo. Adianta nao Jovem Pan, dessa vez ceis sifu.

  2. Apocalipsis 13 Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    https://uploads.disquscdn.com/images/ea8ecf7126a8ece2e6ab64d9adbf85a87c45c087237cf687999e29988ac14a1b.jpg

  3. Moacir Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    Pânico... ou pinico na JP!?

  4. Roberto Pedroso Postado em 06/Jul/2019 às 19:07

    E os próceres ridículos da mídia capanga da radio quermesse JovemPan querendo tergiversar e dar um salto duplo twist carpado para tentar corroborar a narrativa tropega de Morrow,infelizmente a inabilidade do ex juiz office-boy da direita dificulta até mesmo a atuação de seus capangas na grande mídia; primeiro o sujeito diz que nos vazamentos ''não existia nenhuma fala comprometedora que pudesse se constituir em inequívoca macula ou vicio de atuação processual tendo assim implicações para a credibilidade/lisura da operação'',depois mudou o discurso e disse que havia sido descuidado e por fim agora tenta colocar em duvida o conteúdo e veracidade do material.....tem que acertar direitinho o tom do discurso Serginho Malandro....assim fica difícil,muda de versão a cada novo vazamento comprometedor!!!!! isso deixa os ratinhos da JovemPan perdidos também....quando estão quase acertando o texto de defesa/discurso concatenado e em prol de Serginho Malandro ele vem e muda o tom de defesa em sua retorica.......que situação......e o castelinho da Farsa-Jato sendo desconstruído,põe as barbichas de molho Morrow, afinal só Deus sabe o que ainda está por vir........segundo o jornalista o material não é composto só por mensagens escritas existem áudios também.........a coisa para o Serginho Malandro poderá ficar ainda muito mais delicada.

  5. Eduardo Ribeiro Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Pai Glenn é culhudo demais. Desfilou de terno e gravata na casa do inimigo, jantando seus oponentes. Ouso dizer: NENHUM veiculo da mídia em geral é tão abertamente defensor de Bolsonaro, tão firme e assumidamente defensor da Deforma da Previdencia/Estupro do Trabalhador, tão claramente vassalo dos interesses anti-povo, e nenhum partiu tão feroz e descontroladamente pro ataque contra Glenn/Intercept na defesa incondicional do FALSO herói Moro, quanto a Jovem Pan. É hoje a mídia mais nefasta e inimiga, tranquilamente.