Redação Pragmatismo
Direita 15/Mar/2019 às 15:40 COMENTÁRIOS

Deputados bolsonaristas reproduzem latidos durante homenagem a Marielle

Deputados bolsonaristas reproduzem latidos de cachorro durante homenagem a Marielle Franco, assassinada há 1 ano. No grupo, estava o deputado que rasgou a placa com nome de Marielle

Deputados bolsonaristas latidos homenagem a Marielle congresso
Atos no Salão Verde do Congresso (Imagens: Michel Jesus | Câmara dos Deputados)

Um clima de mal-estar marcou o ato organizado pelo PSol em homenagem à vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco, na manhã desta quinta-feira (14/3), no Salão Verde da Câmara dos Deputados.

Enquanto os deputados do partido da vereadora, assassinada há um ano, cobravam explicações às autoridades sobre o mandante do crime, um outro grupo de parlamentares ligou caixas de som que emitiram sons de latidos de cachorros.

O grupo responsável por produzir o barulho, justificou o uso de latidos afirmando que se tratava de um ato em defesa dos direitos dos animais, mas o mal-estar foi inevitável.

Entre os apoiadores do ato pró-animais, estava o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ) que participou do ato realizado no Rio ano passado no qual foi rasgada uma placa em homenagem a Marielle.

365 dias

A semana que marca um ano da execução da vereadora e do motorista Anderson Gomes teve revelações nas investigações. Dois suspeitos de participação no crime foram presos na terça (12): o policial militar reformado Ronnie Lessa, suspeito de ter efetuado os tiros, e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz, que dirigia o carro emparelhado ao de Marielle no momento dos disparos.

A Polícia Civil do Rio de Janeiro e o Ministério Público informaram que essa é uma primeira fase do caso e que ainda não é possível afirmar, com certeza, se houve mandante para o crime. Na Operação Lume, realizada na ocasião da prisão, houve apreensão, entre outras coisas, de um grande arsenal de armas.

Leia também:
Delegado do caso Marielle que citou Bolsonaro será afastado
Ronnie Lessa sabia que seria preso, diz Ministério Público
A polícia está escondendo o jogo sobre o assassinato de Marielle Franco
De Marighella a Marielle: o Estado brasileiro no banco dos réus

Agência Estado e Congresso em Foco

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários