Redação Pragmatismo
Eleições 2018 10/Oct/2018 às 20:53 COMENTÁRIOS

Efeito Bolsonaro desencadeia onda de violência no Brasil

Efeito Bolsonaro: Mestre de capoeira morto por dizer que votou em Haddad e aumento de ataques contra jornalistas estão entre exemplos que preocupam estado social

Efeito Bolsonaro desencadeia onda de violência no Brasil

Jornal GGN

Jair Bolsonaro é conhecido como um deputado federal que sempre fez discursos de ódio, violência e intolerância.

Agora, prestes a concorrer o segundo turno das eleições presidenciais do maior país da América Latina, em crise política e econômica desde 2015, a postura do candidato pelo PSL está sendo analisada por articulistas e analistas da política como um discurso que autoriza a violência na sociedade, assim substituindo o uso das regras legais, criadas justamente para permitir a convivência civilizada nos estados modernos.

Na coluna desta terça-feira, na Folha de S.Paulo, o jornalista Álvaro Costa e Silva elenca sete cenas de violência por motivações políticas que viraram notícia nos últimos dias, a última delas, a morte do mestre capoeirista Moa, com 12 facadas em um bar de Salvador (Bahia), após revelar que votou em Fernando Haddad (PT).

No domingo de eleições, alguns eleitores de Bolsonaro a ação de seus votos, segurando armas, e postaram nas redes sociais.

Poucos dias antes, na cidade Muniz Ferreira, Bahia, o cachorro Marley foi morto a tiros porque latiu para uma carreata bolsonarista. A dona do animal contou para o jornal O Povo: “O homem saiu do carro e deu um tiro numa pata. Depois que o cachorro correu, ele deu dois tiros. Eu pedi: ‘Não atire, não atire!’. Mas ele ainda deu mais dois tiros. Meu cachorro correu para dentro de casa e, quando vimos, estava morto no chão”.

Na Universidade de Brasília, grupos invadiram a biblioteca e rasgaram uma série de livros sobre direitos humanos, incluindo no vandalismo livros sobre arte renascentista.

Em São Paulo, vídeos registraram uma multidão gritando no metrô da Sé e em estádios de futebol frases como: “Ô bicharada, toma cuidado/ O Bolsonaro vai matar viado”.

E, no Rio, o colégio Santos Agostinho suspendeu a adoção do livro “Meninos sem Pátria“, de Luiz Puntel, sobre a ditadura militar, por pressão de pais de alunos.

Alvaro Costa e Silva inicia seu artigo lembrando que o levantamento da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo revela que, em 2018, foram registradas mais de 120 agressões a jornalistas em contexto político-eleitoral. “Foram 64 ocorrências de assédio em meios digitais e 59 vítimas de atentados físicos“.

Para ler na íntegra, clique aqui.

Saiba mais:
Há uma intervenção autoritária em marcha no Brasil hoje
Empresário que espancou a esposa é mais um “cidadão de bem”
Bolsonaro: o subversivo sem subversão
O fascismo é um mecanismo de contágio
Cabo eleitoral de Bolsonaro é preso por integrar quadrilha de agiotas
Policiais presos no RJ participaram de campanha do filho de Bolsonaro
As eleições de 2018 e a emergência da luta antifascista no Brasil
Empresário flagrado com menina de 13 anos é mais um “cidadão de bem”
Assassino de Tatiane Spitzner é mais um “cidadão de bem”
O ‘Doutor Bumbum’ é o retrato do “cidadão de bem”
A extrema-direita pró-Bolsonaro tem limites?
Brasil vive fenômeno político sem precedentes
Como diferenciar a direita da esquerda?
Quem quer ser um cidadão de bem?
Membro da Swat acaba com clichê preferido do “cidadão de bem”
Filho de Bolsonaro pede que suas fotos ao lado de Coronel pedófilo não sejam divulgadas

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários