Redação Pragmatismo
Homofobia 31/Oct/2018 às 13:35 COMENTÁRIOS

Apoiadores de Bolsonaro propõem "caça aos viadinhos" após a eleição

Eleitores de Bolsonaro oferecem brinde para quem ‘caçar viadinho’ e propõem criar ‘grupo de extermínio gay’

Apoiadores de Bolsonaro caça aos viadinhos eleição Verdant Slay Curitiba

O fim da corrida presidencial no país trouxe consigo uma sensação de medo e insegurança à comunidade LGBT brasileira. Após o resultado que confirmou a vitória de Jair Bolsonaro que se tornará o próximo presidente a partir de 2019, dezenas de relatos de ameaças homofóbicas, com alguns, inclusive, oferecendo recompensa para quem “caçar e atirar em viadinho”.

Atenção, geral! Tá liberada a caça legal aos viadinhos! Não vale atirar na cabeça, tá ok?”, afirmou o internauta, oferecendo como recompensa “1 caixa de Budweiser pra cada viadinho no chão” e conclui com um “valendo” em sinal à liberação da “caça” “outorgada” pela vitória do militar.

O responsável pela postagem, identificado como M.S, traz em sua foto do perfil adesivo de apoio a Bolsonaro e uma foto do presidente eleito na capa da rede social.

Apoiadores de Bolsonaro caça aos viadinhos eleição Verdant Slay Curitiba

Uma outra internauta, identificada como F.V., que também tem foto de apoio a Jair Bolsonaro em sua conta, afirma que “gay bom é gay morto” e propõe a criação de um grupo de WhatsApp para extermínio de gays em Goiânia.

Grupos de extermínio dos gays no Goiás, agora com a vitória do nosso mito Bolsonaro, vamos juntos lutar pela família brasileira e por fim nesses filhos do demônio a favor da família tradicional. Informações pelo telefone (62) ****-****. Gay bom é gay morto, junte-se a nós”, afirmou ele.

Apoiadores de Bolsonaro caça aos viadinhos eleição Verdant Slay Curitiba

A Ordem dos Advogados do Brasil investigará o print sobre a criação do grupo de extermínio, conforme informou a advogada Chynthia Barcellos, membro da Comissão Especial da Diversidade Sexual e Gênero do Conselho Federal da OAB.

Para ela, “este é um caso de dano moral coletivo, quando a ameaça não está direcionada a uma pessoa apenas”. Barcellos diz ainda que esses casos podem ser reportados ao Ministério Público e no Disque 100: “As pessoas continuam sob a tutela das leis e precisam ir atrás disso. Nenhum discurso de ódio vai legitimar esse tipo de crime”, completou a advogada, segundo o site do jornal O Popular.

No Paraná, estado onde Bolsonaro teve votação expressiva, foram registradas cenas de violência em Curitiba, na região central da cidade, e na frente de algumas baladas LGBT como a Verdant e Slay.

Na web, moradores local e frequentadores dos espaços relataram que bolsonaristas tentavam entrar na Verdant para atacar o público que se encontrava no espaço. Em pronunciamento no Facebook a boate negou que tenha havido qualquer caso de violência dentro da casa, mas ressaltou que houveram, sim, cenas de violência nos arredores.

Até o momento, Jair Bolsonaro não se pronunciou sobre os casos.

Apoiadores de Bolsonaro caça aos viadinhos eleição Verdant Slay Curitiba
Apoiadores de Bolsonaro caça aos viadinhos eleição Verdant Slay Curitiba

Cartilha de segurança

Casos de agressão política contra minorias sociais e oposicionistas a Jair Bolsonaro passaram a circular nas redes sociais logo após o fim do primeiro turno. O medo crescente da violência contra LGBTs fez com que a criação de uma cartilha de segurança destinada à essa população viralizasse logo após o resultado do pleito final, que aconteceu no último domingo, 28.

Intitulada “Dicas de Segurança”, a cartilha foi criada pela Rede Nacional de Operadores de Segurança Pública LGBTI (Renosp), escrita pela 2º Sargenta da Marina Brasileira Bruna G. Benevides e com arte visual do soldado da Polícia Militar de São Paulo Tiago J. Leme Lisboa.

O manual aborda situações de violência a que lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros estão sujeitos fora de suas residências em diversas situações como rua e transporte público, por exemplo.

Sentem-se em bancos próximos ao cobrador ou motorista. No corredor, para ter controle de quem senta ao seu lado ou caso precise trocar de lugar”, alerta o texto sobre a situação em coletivos, como ônibus.

Quando sair no final de semana para balada, por exemplo, evitar ir sozinho e, ainda, o consumo excessivo de álcool e drogas. Na hora de ir embora, caso faça uso de transporte público, procurar pontos movimentados.

Avise para alguém de confiança casa vá marcar um fervo com alguém. Passe o local e horário para que a pessoa monitore a sua segurança”, ressalta a cartilha.

Caso presencie alguma situação de violência, tente prestar apoio, desde que sua segurança não seja ameaçada. Se possível, filme ou peça para alguém filmar a situação, facilitando a identificação dos agressores”.

Para ter acesso ao material completo basta clicar aqui.

Saiba como denunciar homofobia

Embora não seja considerada crime, a homofobia é hoje uma das práticas de ódio mais comum no dia a dia. A ojeriza motivada pela orientação sexual de outrem deixa marcas que, quando não fatais, psicológicas.

No Brasil, de acordo com dados do Grupo Gay da Bahia, uma pessoa LGBT é morta a cada 19 horas. Em 2017, a entidade computou 445 homicídios desse tipo, o que representa um aumento de 30% em relação ao ano anterior.

Leia também:
“Me senti usado pelo meu pai na campanha”, diz filho de Wilson Witzel
A pergunta que perturbará o sono da nossa geração por muito tempo
Eleitores de Bolsonaro se sentem legitimados para aniquilar opositores
O Estado Democrático de Direito e os homossexuais no Brasil
Um experimento sobre homofobia na Espanha para refletir aqui no Brasil
Como responder os 8 comentários homofóbicos mais comuns no Brasil
A caça aos homossexuais e travestis na ditadura militar
O primeiro crime homofóbico do Brasil
O sinistro encontro de Stephen Fry com Jair Bolsonaro
“Congresso brasileiro é conservador e derrotaremos os gays no voto”

CatracaLivre

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários