Redação Pragmatismo
Eleições 2018 26/Oct/2018 às 17:19 COMENTÁRIOS

"Me senti usado pelo meu pai na campanha", diz filho de Wilson Witzel

Filho de Wilson Witzel quebra o silêncio e diz ter se sentido usado pelo pai na campanha eleitoral

Wilson Witzel usado pelo meu pai campanha PSC eleições trans

A poucos dias das eleições, Erick Witzel , de 24 anos, filho do candidato Wilson Witzel (PSC), líder nas pesquisas para o governo do Rio , resolveu quebrar o silêncio. Desde que publicou um desabafo em seu Instagram, após o resultado do 1º turno das eleições, o jovem está de licença do restaurante de um hotel cinco estrelas da Zona Sul, onde trabalha como cozinheiro. Em seu “stories” na rede social, pouco depois de a apuração mostrar seu pai como primeiro colocado no primeiro turno, com mais de 40% dos votos, ele disse que era “um dia triste para a história do nosso estado e do nosso país”.

Erick, que chama o pai de Wilson, com som de “v”, diz que o candidato desrespeitou a sua privacidade ao mencioná-lo em reportagens como seu filho trans, algo que, segundo ele, havia pedido que não acontecesse. “Eu me senti usado nas entrevistas que ele deu“, afirma o jovem. À CBN em 12 de setembro, por exemplo, o ex-juiz citou o filho, sem ser questionado: “Para mim, esse negócio de ideologia de gênero tem que ser resolvido em casa. Escola é para ensinar matérias propedêuticas, de formação profissional. Eu tenho um filho trans, e a gente discutiu em casa. Meus três filhos hoje chamam o meu filho de Erick – ele era Erika -, e a gente convive muito bem com isso“.

Cinco dias depois, o jovem enviou uma mensagem ao pai, pedindo que parasse de citá-lo em entrevistas. O ex-juiz respondeu: “ciente“. Os dois não se falaram mais desde então, e o candidato de fato não voltou a mencionar o filho.

Witzel afirmou que suas declarações não têm o intuito de fazer política , que “tem a maior admiração pelo que o filho é” e por sua determinação e que avisou a ele, ainda antes do início da campanha, que jamais o esconderia.

Quando estive pessoalmente com o Erick em fevereiro, anunciei a ele a intenção de me candidatar. Naquele encontro, no bar Amarelinho, na Cinelândia, ele pediu que eu dissesse que tinha 3 filhos, o que rechacei imediatamente, dizendo que tenho 4 filhos, que os amo igualmente e que tenho orgulho do que cada um estava se tornando. Desde então, nós nos falamos e sempre reiterei que jamais o esconderia.

Leia abaixo os principais trechos da entrevista:

Por que você só decidiu dar entrevista agora, a poucos dias do pleito?

– Eu sempre prezei muito pela discrição. Pedi ao Wilson para não me citar na campanha dele, mas ele quebrou isso. Não vou mais aceitar este tipo de exploração de pessoas como eu. Principalmente ele, para se promover de uma coisa que não é verdade. Muita gente veio me dizer: “que bom você ter um pai que é muito bacana com você”. Tenho muito respeito por ele, mas não existe todo este carinho que ele diz ter por mim. É sujo você usar alguém. Eu me senti usado por ele nas entrevistas que ele deu.

Você está ressentido com isso?

– Sim. Recebi algumas mensagens de pessoas que disseram que eu iria “estragar a campanha dele” ou falando que “vão fazer da sua vida um inferno”. Felizmente, 90% me deram força. Quando você fala numa pessoa trans, você está falando de uma população que é muito marginalizada, muito hostilizada. Existem duas variações de trans. Há aquelas que militam, que são as vozes para brigar por direitos, e aquelas que ainda não chegaram a este patamar por serem mais reservadas. São as que não têm coragem. Eu, erradamente, sou esta pessoa. Sempre tive receio por causa da violência. Tenho medo de que algo me aconteça. A população trans é aquela que morre muito cedo e morre muito feio. Agora não vou ficar mais quieto.

A exposição prejudicou sua vida pessoal?

– As pessoas não sabiam que eu era trans. Estou preocupado com isso. Eu implorei ao Wilson para não me usar de palanque. Eu pedi: “por favor, me respeita”. Ele não me respeitou. Não adianta ter um filho trans, porque isso não faz de você uma pessoa que não seja preconceituosa. Não adianta você ter um filho assim, se você não é coerente.

Você chegou a falar isso com o candidato Wilson Witzel?

– Sim, no dia 17 de setembro, eu liguei para o Wilson e disse de novo que não autorizava a divulgação do meu nome, nem menção sobre mim, na imprensa ou em redes sociais. Mandei também por WhatsApp, para ficar registrado. Pedi para ele preservar a minha privacidade e ele me respondeu: “ciente”. Desde então, nunca mais ele falou comigo.

Por que você só chama o seu pai de Wilson?

– Tem muita coisa absurda sobre mim que não tem nada a ver. Ele é meu pai, lógico. Chamo ele de pai, às vezes. Eu vivi com ele até os 10 anos. A gente era muito apegado na infância. Enquanto o Wilson viveu comigo, ele era um ótimo pai. Ele me levava para jogar tênis com ele. Foi um ótimo pai até então. O problema foi depois da separação (2004). A partir daí, ele foi muito ausente. Ele mudou muito, mas muito mesmo. Ele se afastou muito. Ele não mostrava mais interesse. Eu era criança. Senti falta. Muita falta. Chorei, chorei, chorei.

Há informações circulando nas redes sociais de que ele batia em você. Isso é verdade?

– Ele nunca bateu em mim, nem quando eu era criança.

Como foi que você se assumiu como pessoa trans?

Eu entendo que isso não é uma coisa fácil. As pessoas poderiam pensar: “É tranquilo, se aceita”. É complicado. Na época dos meus pais, lá atrás, isso era difícil. Tenho que entender isso, mas eu comecei nessa caminhada como pessoa trans com meus 18 anos. Já não morava com o Wilson há muito tempo. Eu resolvi sair da casa da minha mãe com 19, e ele nunca mais foi me visitar. Quando você é jovem, às vezes, não sabe das coisas direito. Você não sabe nem a carreira que vai escolher, quanto mais descobrir se é trans. Fiquei muito perdido. Tive um apoio familiar, pelo lado da minha mãe. Só isso. Saber como fazer um tratamento hormonal, uma cirurgia. Enfim, você vai se descobrindo no mundo como pessoa. Quem você é.

Como o candidato Witzel reagiu?

– Então, sinceramente, a gente nunca conversou sobre isso (a transição). Há três anos, eu fui poucas vezes na casa dele. Num ano, umas três vezes. Era sempre eu indo na casa dele. Nunca o contrário. Nunca teve uma conversa franca, solta. Acho que ele procurou entender da maneira dele, mas eu também não falei abertamente. A gente fica com medo quando está nessa situação. Desde que ele entendeu o que estava acontecendo, sem perguntar diretamente, ficou aquela coisa indefinida. Ele perguntava: “você vai mudar o seu nome?” ou “como é que eu te chamo?”.

Não houve DR (discussão da relação) com seu pai?

– Não teve. Nunca. Senti falta disso com ele. Uma pessoa com quem eu pudesse conversar. Tipo: explicar realmente o que estava acontecendo.

Mas qual era a preocupação dele com relação ao que ocorria com você na época?

– Conversar com os outros filhos dele (duas meninas e um menino do segundo casamento), meus outros irmãos. Não sei exatamente o porquê. Wilson não dava ponto sem nó. Ele sempre demonstrava muita preocupação em explicar para os outros filhos o que era aquilo que estava acontecendo comigo e como eles deveriam me chamar. De repente, ele falou para todo mundo. Achei o máximo no começo, mas vi que não era por aí. Imaginei que era para não prejudicá-lo na campanha. Em relação aos outros filhos, eu sempre tive uma boa relação. São crianças ótimas. São meus irmãos, acima de tudo.

Você vai votar no Wilson Witzel?

– Ele representa o PSC e toda a bancada conservadora. Nossas visões de política são completamente diferentes. Prefiro não responder a essa pergunta.

Como você se vê?

– Sou um homem trans. Quero continuar cozinheiro e microempresário na confecção de queijos veganos. Seguir a minha vida em paz. Além disso, quero chamar a atenção para os homicídios relacionados à transfobia entre 2008 e 2016. Foram 868 no Brasil, segundo a Transgender Europe. Já que me expuseram, quero mostrar que estão matando LGBTs.

Leia também:
Fotógrafo do Estadão registra a imagem do ano
Religiosos lançam alerta contra a ameaça da barbárie
O ataque a Bolsonaro e a laicidade estatal
As eleições e a pós-verdade
A história do surgimento e da ascensão da bancada evangélica na política
“A religião na política fere o estado laico e não nos representa”
Entenda por que o estado brasileiro ainda não é laico

Agência Globo

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários