Redação Pragmatismo
Literatura 12/Sep/2018 às 17:02 COMENTÁRIOS

Livro que Bolsonaro criticou no Jornal Nacional é relançado com sucesso

Em razão da publicidade involuntária de Jair Bolsonaro e, consequentemente, da alta procura, livro exposto pelo candidato no Jornal Nacional é relançado para dar um golpe nas fake news

livro que Bolsonaro Jornal Nacional relançado aparelho sexual

A campanha de Jair Bolsonaro verá a volta triunfal de um“adversário” nesta quarta-feira, quando a editora Companhia das Letras relança o livro “Aparelho Sexual e Cia”, da escritora francesa Hélène Bruller e ilustrado pelo cartunista suíço Zep .

O livro, com nova tiragem de cerca de 3.000 exemplares, voltará a ser distribuído pela Seguinte, selo da editora destinado aos jovens, depois de ficar famoso por ter sido exibido pelo candidato do PSL à Presidência da República no Jornal Nacional.

O relançamento do livro vem em um momento em que Bolsonaro ainda está no hospital, em recuperação de uma atentado a faca sofrido na semana passada. O ataque ao candidato líder nas pesquisas de intenção de voto fez seus adversários, a princípio, moderarem seus ataques. Mas o tom de campanha já foi retomado ontem, quando Geraldo Alckmin (PSDB) afirmou que o voto em Bolsonaro é um atalho para a volta do PT, que poderia vencer a disputa no segundo turno. Alckmin aponta para a alta rejeição do deputado.

O livro mira, justamente, no Bolsonaro que causa arrepios em 44% dos eleitores, segundo o Datafolha. Na entrevista ao Jornal Nacional, no final de agosto, Bolsonaro afirmou que o livro fazia parte do material do “kit gay”, que estava disponível na biblioteca das escolas públicas para crianças. Na prática, nenhuma dessas informações se mostraram verdadeiras, e o relançamento do livro só relembra a polêmica.

Segundo a editora, o livro nunca foi comprado pelo Ministério da Educação para fins pedagógicos, e sim pelo Ministério da Cultura, que, em 2011, adquiriu 28 exemplares para bibliotecas públicas — e não para escolas públicas. O livro, que vendeu mais de 1,5 milhão de exemplares ao redor do mundo, também não é para crianças, mas sim indicado a alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental — adolescentes dos 11 aos 15 anos.

Não foi a primeira vez que Bolsonaro deu informações ou fatos inverídicos em entrevistas. Na mesma ocasião, logo antes de mencionar o livro, o candidato do PSL falou sobre o “9º Seminário LGBT infantil”, que nunca existiu. No final de julho, durante o Roda Viva, o capitão reformado afirmou queos portugueses nem pisavam na África” e que “os próprios negros que entregavam os escravos”, afirmações desmentidas pela antropóloga da Universidade de São Paulo (USP) Lilia Schwarcz em artigo na Folha de S.Paulo.

No entanto, a prática de dizer inverdades não é exclusiva do discurso eleitoral de Bolsonaro. Exame comparou os dados de duas agências de checagem de informações, a Lupa e a Aos Fatos, sobre as informações dadas por Bolsonaro, Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB) em suas entrevistas ao Jornal Nacional. A Lupa analisou 14 fases de cada presidenciável, enquanto o Aos Fatos, seis.

Somando a checagem de ambas agências, Bolsonaro foi o candidato que mais mentiu: sete informações falsas. Mas os resultados dos outros candidatos não ficam muito atrás. Marina e Ciro deram seis informações falsas, enquanto Alckmin deu quatro.

O que chama atenção no caso de Bolsonaro é que ele também foi o candidato que disse menos informações verdadeiras: seis, das quais três foram classificadas como “verdade, mas…”, o que significa que a afirmação não é totalmente correta. Esticar a verdade é outra prática comum para os candidatos, e para seus seguidores. Nesta quarta-feira, a Companhia das Letras marca posição contra as notícias falsas com “Aparelho Sexual e Cia”. Lê quem quer, evidentemente.

Leia também:
Os desdobramentos das fake news no caso Bolsonaro
O dia em que Bonner ousou falar de corda em casa de enforcado
No Jornal Nacional, Globo provou que não sabe lidar com quem ela mesma criou
Jornal Nacional fala fino com Jair Bolsonaro
Práticas que Bolsonaro admite em campanha são ilegais e cabe prisão

Exame

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários