Redação Pragmatismo
Racismo não 07/Aug/2018 às 14:44 COMENTÁRIOS

Além de racista, declaração de Mourão contra negros é incoerente

O “vice ariano” de Bolsonaro critica a “malandragem” dos negros e anda agarrado a ela. O general Mourão deveria olhar ao redor antes de emitir a sua visão racista da formação cultural brasileira

racista declaração de Mourão contra negros hipocrisia bolsonaro

Marcos Sacramento, DCM

O general Antonio Hamilton Mourão (PRTB) deveria olhar ao redor antes de emitir a sua visão racista da formação cultural brasileira.

Em um evento nesta segunda-feira, o candidato a vice-presidente na chapa de Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que a “indolência” herdada pelos índios e a “malandragem”, herança dos africanos, atrapalham o progresso no país.

A passagem com matiz neonazista, por si só, não destoa da figura do general Mourão. Para alguém capaz de idolatrar o torturador e ex-chefe do DOI-CODI na ditadura militar, o coronel Carlos Brilhante Ustra, crer nas mentiras propagadas pelo racismo científico em voga no início do século passado é uma demonstração de coerência.

Por outro lado, criticar a malandragem é apontar a baioneta para o próprio coturno. Tendo Bolsonaro e Levy Fidelix de comparsas na disputa ao Palácio do Planalto, é incoerente fazer tal condenação. Os dois são exemplos do “jeitinho brasileiro” na pior acepção do termo.

Fidelix, dono do partido de Mourão e candidato a deputado federal, viu na aliança com o capitão da extrema-direita a oportunidade de finalmente se eleger, após colecionar disputas para vereador, deputado, prefeito, governador e presidente, todas com votações irrisórias.

Os 23 anos de Fidelix na presidência do partido, com o consequente acesso ao fundo partidário, e a coleção de candidaturas movidas sabe-se lá por quais interesses o habilitam a vestir o chapéu de malandro.

Mas o baixinho bigodudo é aspirante perto do cabeça da chapa.

Com 27 anos de atividade parlamentar na Câmara dos Deputados, Jair Bolsonaro é o protótipo da velhacaria política. Além de enriquecer com o cargo, a ponto do patrimônio registrar um aumento de 97% entre os anos de 2010 e 2014, acomodou três filhos na carreira política.

Embora tivesse apartamento em Brasília, nunca abriu mão de receber o auxílio-moradia. Quando questionado sobre o uso do benefício, respondeu que usava o dinheiro para “comer gente”. Disse isso com a mesma naturalidade com que admitiu sonegar impostos, em uma entrevista no ano de 1999.

Quanto à atividade como deputado, é tão inexpressiva quanto as suas declarações são absurdas. A produção legislativa é raquítica. Em quase duas décadas, só conseguiu aprovar dois projetos de lei e uma emenda parlamentar.

Por mais que Bolsonaro negue, esse histórico indica que seu único compromisso é com o próprio projeto de poder. Condutas assim podem receber vários nomes, inclusive o de malandragem.

Justamente a característica que seu candidato a vice insinua condenar ao mesmo tempo em que anda abraçado a ela.

Leia também:
As frases mais polêmicas do vice de Jair Bolsonaro
Amazônia tem que ser vendida e índios são ‘indolentes’, diz general da intervenção
No Rock in Rio, Ana Cañas dedica música ao general Mourão
Carta aberta ao general Antonio Hamilton Mourão
Comandante terá de explicar declaração de general sobre intervenção militar
Tudo que não precisamos é do retorno da indisciplina militar

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários