Redação Pragmatismo
Justiça 08/Aug/2018 às 14:52 COMENTÁRIOS

Carrefour não pode mais controlar ida de funcionários ao banheiro

Justiça proíbe Carrefour de controlar ida de funcionários ao banheiro. Juíza identificou condições degradantes em ação que é contestada pela empresa

Carrefour controlar ida de funcionários ao banheiro justiça

RBA

A Justiça do Trabalho de São Paulo concedeu liminar pedida pelo Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região contra o Carrefour, que estaria controlando a ida dos empregados ao banheiro. A decisão é provisória. A empresa informou que irá recorrer.

Em decisão de 27 de julho, a juíza Ivana Meller Santana, da 5ª Vara do Trabalho de Osasco, identificou condições consideradas degradantes para os empregados. De acordo com o Sindicato dos Comerciários, nas sedes de sete cidades (Barueri, Carapicuíba, Embu, Itapevi, Jandira, Osasco e Taboão da Serra), operadores de atendimento e de telemarketing são obrigados a utilizar “filas eletrônicas” para o uso do banheiro. Além disso, devem manifestar necessidade do uso, registrando o nome no sistema eletrônico de fila e avisar ao supervisor em caso de urgência.

Este tempo de espera pode acarretar prejuízos à saúde do trabalhador. Isto sem relatar o constrangimento de precisar explicar ao monitor/supervisor as suas necessidades fisiológicas, eventuais problemas intestinais ou estomacais, os relativos ao ciclo feminino“, disse a juíza na decisão. “Além do risco de um constrangimento maior, caso não chegue a vez do empregado, na fila, e ele não consiga se explicar ao supervisor a tempo.”

Em nota, a empresa afirmou “que oferece aos colaboradores condições de trabalho superiores às previstas na legislação e no acordo coletivo firmado com o Sindicato dos Comerciários de Osasco e Região“. O Carrefour informou ainda que irá recorrer da decisão, “reforçando o respeito com seus colaboradores e o compromisso com o cumprimento integral da legislação”.

Leia também:
Verba de combate ao trabalho escravo é cortada em 70%
Justiça proíbe Sky de obrigar funcionários a participar de protesto anti-Lula
Reforma trabalhista: ex-funcionário é condenado a pagar R$ 750 mil a empresa
Ex-funcionária do Itaú é condenada a pagar R$ 67,5 mil ao banco
Justiça absolve patroa que escravizou menina de 11 anos
Transexual acusa Carrefour de preconceito

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários