Redação Pragmatismo
Lula 18/Jul/2017 às 17:00 COMENTÁRIOS

Moro faz comparação entre Lula e Cunha, mas esquece de dois fatos

Ao responder recurso da defesa de Lula à sentença do triplex, Sergio Moro comparou o ex-presidente ao deputado federal cassado Eduardo Cunha. Ao elaborar essa afirmação, o juiz da Lava Jato decidiu simplesmente ignorar dois fatos

moro compara lula eduardo cunha lava jato petrobras condenação

Jornal GGN

Ao responder recurso da defesa de Lula à sentença do triplex, Sergio Moro comparou o ex-presidente petista ao deputado federal cassado Eduardo Cunha (PMDB). Mas o paralelo passa longe de ser fiél às peculiaridades dos dois casos.

Segundo o juiz de Curitiba, Lula, condenado a 9 anos e meio, insiste em usar o mesmo “álibe” de Cunha, que possuía fundos secretos na Suíça e, embora tivesse desfrutado da fortuna no exterior, negava a titularidade da conta. No caso, Moro diz que Lula tem o triplex e, como Cunha, nega sua titularidade.

Só que para fazer essa afirmação, Moro decidiu simplesmente ignorar dois fatos: o imóvel está em nome da OAS e Lula nunca usufruiu do apartamento no Guarujá.

Além disso, em cooperação com o Ministério Público da Suíça, a Lava Jato conseguiu inúmeros documentos sobre as contas de Cunha no exterior – alguns, inclusive, levam o nome da esposa Cláudia Cruz, absolvida por Moro.

Saiba mais:
Sergio Moro, a condenação de Marisa e a absolvição de Cláudia Cruz
Sergio Moro fica frente a frente com Cláudia Cruz e decepciona
Os R$ 221 milhões de Eduardo Cunha sumiram; contas estão zeradas
MP pede que Cláudia Cruz devolva R$ 34 milhões aos cofres públicos
Sergio Moro tenta intimar esposa de Cunha mas fracassa duas vezes
Esposa de Cunha torrou milhões por meio de cartões de crédito das contas secretas

Já em relação ao triplex, os procuradores dependeram majoritariamente da delação informal de Leo Pinheiro, da OAS, e de outras colaborações questionáveis. A título de exemplo, a de Delcídio do Amaral já foi criticada por procurador da Lava Jato em Brasília, por falta de provas de tudo que foi dito contra Lula; e a delação de Pedro Corrêa sequer foi aceita pelo Supremo Tribunal Federal, pelo mesmo motivo.

A atitude de Moro, de omitir a real titularidade do triplex na sentença, inclusive, foi questionada pela defesa nos embargos de declaração. Mas no despacho proferido nesta terça (18), Moro deixou claro que, na opinião dele, quando o assunto é crime de corrupção e lavagem, “o Juízo não pode se prender unicamente à titularidade formal.

Ou seja, o juiz dissse que se fosse dar ouvidos à defesa de Lula, Cunha também não poderia ser condenado, pois ele sustentava que o trust controlador da contas não estava em seu nome.

Assim não fosse, caberia, ilustrativamente, ter absolvido Eduardo Cosentino da Cunha na ação penal 5051606-23.2016.4.04.7000, pois ele também afirmava como álibi que não era o titular das contas no exterior que haviam recebido depósitos de vantagem indevida, mas somente ‘usufrutuário em vida’. Em casos de lavagem, o que importa é a realidade dos fatos segundo as provas e não a mera aparência“, disparou Moro.

O juiz ainda acrescentou que no caso de Lula, “a corrupção perfectibilizou-se com o abatimento do preço do apartamento e do custo reformas da conta geral de propinas, não sendo necessário para tanto a transferência da titularidade formal do imóvel.”

No mesmo despacho, Moro rebateu as críticas sobre a fragilidade dos depoimentos de Léo Pinheiro afirmando que a delação informal do ex-OAS é totalmente compatível com a tese da acusação: “Ora, o Juízo fez ampla análise das provas do processo, inclusive dos depoimentos dos acusados e das testemunha. (…) Deixou claro que havia é certo contradições nesses depoimentos, mas somente há um conjunto deles que é consistente com a prova documental e que confirmam a acusação.”

Na sequência, Moro fez outro disparo contra a defesa de Lula, e disse que se fosse seguir a lógica dos advogados contra as delações, não teria condenado nenhum dos réus colaboradores que praticaram desvios na Petrobras.

A seguir o critério da Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, os Diretores da Petrobrás Paulo Roberto Costa, Renato de Souza Duque e Nestor Cuñat Cerveró, que mantinham contas secretas com saldos milionários no exterior e confessaram seus crimes, também deveria ser absolvidos porque as auditorias internas e externas da Petrobrás, inclusive também a Controladoria Geral da União – CGU, não detectaram na época os crimes“, disse.

O magistrado – que usou boa parte da sentença do triplex tentando provar que não encampou nenhuma “guerra jurídica” contra Lula – voltou a apontar que os advogados do ex-presidente tulmutuaram o processo.

Sim, a Defesa pode ser combativa, mas deve igualmente manter a urbanidade no tratamento com as demais partes e com o julgador, o que, lamentavelmente, foi esquecido por ela em vários e infelizes episódios, mencionados apenas ilustrativamente na sentença.”

Moro ainda avaliou que os embargos questionam a sentença no mérito e o instrumento jurídico não serve para tal utilidade. A defesa de Lula deve levar as reclamações a instância superior, recomendou o juiz.

Leia também:
Por que Sergio Moro não mandou prender Lula?
Advogados pela democracia contestam sentença de Sergio Moro
Enquete da Veja sobre futuro de Lula tem resultado inesperado
O resultado de Sergio Moro vs Lula é que a sociedade do cinismo perdeu a vergonha
Globo censura opinião de Chico Buarque sobre condenação de Lula
Professor da PUC desmonta argumentos de Moro para condenar Lula
Por que Sergio Moro condenou Lula sem apresentar nenhuma prova?
A repercussão internacional da condenação de Lula
Os principais trechos da condenação de Lula e o recado de Moro ao ex-presidente

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários