Redação Pragmatismo
Corrupção 20/Oct/2016 às 13:05
0
Comentários

Os R$ 221 milhões de Eduardo Cunha sumiram; contas estão zeradas

Justiça tenta bloquear fortuna de R$ 221 milhões de Eduardo Cunha, mas encontra contas zeradas. Ministério Público afirma que patrimônio do ex-presidente da Câmara é cerca de 53 vezes maior que o declarado

eduardo cunha contas zeradas milhões
Eduardo Cunha e sua esposa Claudia Cruz, julgados pelos juiz Sergio Moro (reprodução)

Decretado em junho, o bloqueio das contas de Eduardo Cunha e outros acusados em ação de improbidade administrativa na Justiça Federal do Paraná não encontrou nenhum valor nas contas que o deputado cassado mantém no Brasil. O bloqueio foi lembrado pelo Ministério Público Federal no pedido de prisão de Cunha.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o pedido judicial feito ao Banco Central só encontrou recursos nas contas da mulher do deputado cassado, a jornalista Claudia Cordeiro Cunha. Ela tem R$ 623,5 mil em duas contas, os quais foram bloqueados em junho, dias depois de o pedido ter sido apresentado à Justiça.

Saiba mais:
Esposa de Cunha torrou milhões por meio de cartões de crédito das contas secretas
Dinheiro público foi convertido em sapatos para a esposa de Cunha
Cláudia Cruz, esposa de Eduardo Cunha finalmente vira ré na Lava Jato
MPF pede que Cunha e a esposa devolvam R$ 98 milhões aos cofres públicos
Sergio Moro tenta intimar esposa de Cunha mas fracassa duas vezes
Sergio Moro devolve passaporte de esposa de Eduardo Cunha

A ação visa reparar os supostos prejuízos que o deputado teria causado à Petrobras no caso da venda de um campo de petróleo em Benin, na África, para um empresário português em 2011. Nessa ação, Cunha é acusado de ter recebido o equivalente a US$ 1,5 milhão em propina, o correspondente hoje a R$ 4,75 milhões.

O valor foi depositado numa conta na Suíça por ordem do empresário português Idalécio Oliveira, que comprou os campos da Petrobras por US$ 34,5 milhões, segundo a acusação dos procuradores. A propina total da venda do campo de petróleo foi de US$ 10 milhões, ainda de acordo com os procuradores da Operação Lava-Jato.

A defesa de Cunha tentou evitar o bloqueio, mas o Tribunal Regional Federal do Porto Alegre, que julga os recursos de Curitiba, recusou o pedido.

Leia também:
A ameaça de Eduardo Cunha a Michel Temer
Michel Temer precisa manter Eduardo Cunha em silêncio
O telefonema desesperado de Eduardo Cunha antes de ser preso
Michel Temer antecipa volta do Japão após prisão de Eduardo Cunha
Blogueiro da Veja pede que Moro não aceite delação de Cunha

Patrimônio 53 vezes maior

Ao listar os indícios de que o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) teria dedicado toda sua vida pública a “obter vantagens indevidas com a finalidade de possibilitar uma vida de gastos vultuosos” para si e sua família, a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba aponta que o peemedebista pode ter um patrimônio até 53 vezes maior do que o declarado e que também pode ter outras contas ainda não descobertas nos Estados Unidos.

As suspeitas dos procuradores da República se baseiam nas informações obtidas por meio da cooperação internacional com o Ministério Público da Suíça, que identificou quatro contas, sendo três vinculadas ao peemedebista e uma a sua mulher Cláudia Cruz, que já renderam denúncias na Lava Jato.

No documento de abertura de uma destas contas, a Triumph, no Banco Suíço Julius Baer, em 2007, o peemedebista declarou possuir um patrimônio de US$ 20 milhões.

Naquele mesmo ano, o patrimônio do peemedebista declarado ao Imposto de Renda foi de R$ 1,2 milhão.

Em 2008, Cunha abriu outra conta, a Orion SP, no Banco Merril Lynch na Suíça (atual Julius Baer) e a própria instituição financeira avaliou seu patrimônio em US$ 16 milhões “proveniente de investimento no mercado imobiliário e na bolsa de valores”. Naquela ocasião, o ex-parlamentar declarou que o patrimônio seria de US$ 11 milhões.

Além das disparidades em relação ao patrimônio de Cunha, a documentação das contas estrangeiras também levantou suspeitas da Lava Jato sobre a possibilidade de novas contas do peemedebista no exterior ainda não reveladas. No mesmo documento de abertura da conta Orion, a gerente do Merril Lynch na época afirmou que o ex-deputado possuía outra conta na instituição financeira em Nova York.

“Ademais, há informação da gerente da conta de que o conhece (Eduardo Cunha) há 6 anos, de que é cliente do Merril Lynch por 20 anos, bem como também proprietário das contas Orion, Triunph, Netherton e Kopek (todas estas já identificadas na Lava Jato)”, assinalam os procuradores da República.

Agência Estado e ZH Política

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários