Redação Pragmatismo
Armas de Fogo 08/May/2019 às 16:00 COMENTÁRIOS

Ação da Taurus dispara 20% após decreto de Bolsonaro

Ação da Taurus tem novo salto nesta quarta após decreto de Bolsonaro sobre armas

ação da tauros dispara decreto governo bolsonaro armas de fogo
Jair Messias Bolsonaro (Imagem: Marcos Corrêa | PR)

As ações da Taurus voltaram a disparar nesta quarta-feira (8), depois que o presidente Jair Bolsonaro assinou na véspera novo decreto que facilita a venda de armas e munições no país.

Às 13h36, o papel FJTA4 da fabricante de revólveres, pistolas e fuzis controlada pela Companhia Brasileira de Cartuchos subiam 21%. Na véspera, dispararam mais de 10%.

Além de facilitar o registro, posse, transporte e a venda de armas, inclusive a importação, e elevar o limite para aquisição de munição o decreto libera a importação de armas, hoje proibida quando existem similares no Brasil.

O decreto de Bolsonaro “poderá aumentar de forma relevante a procura por armas de fogo por caçadores, atiradores e colecionadores (CACs) e pelo cidadão de bem para sua legítima defesa e da propriedade“, afirmou a empresa em comunicado ao mercado nesta quarta-feira.

O decreto é um marco neste seguimento e a Taurus está pronta para atender todo o aumento de demanda“, acrescentou a companhia.

Leia a íntegra do Decreto nº 9.785, de 7 de maio de 2019

Com relação à abertura do mercado, a Taurus destacou que exporta para mais de 100 países e já compete com as maiores empresas de armas nos mercados de exportação, que “são extremamente competitivos“.

Decreto facilita porte de arma

Governo Bolsonaro assinou nesta terça-feira (7) decreto que facilita o acesso a munição e o transporte de armas de fogo para atiradores esportivos, caçadores e colecionadores.

O documento também dá posse automática a praças das Forças Armadas com mais de 10 anos de serviço. O acesso à munição para essas categorias será ampliado de 50 cartuchos para 1 mil.

Fomos no limite da lei. O que a lei abria oportunidade para nós, fomos no limite”, disse o presidente. Ele também ressaltou que “ninguém está liberando caça no Brasil”. Ele ressaltou que mudanças nas regras para caça de animais no País teria de passar pelo Congresso.

Numa cerimônia com a presença de parlamentares da chamada “bancada da bala”, Bolsonaro também disse que o governo está aberto a alterar ou revogar decretos do passado que os deputados e senadores considerem que geraram malefícios e disse que jamais vai esquecer de seu passado como militar e como deputado federal.

De acordo com um levantamento do Instituto Sou da Paz, com base em informações oficiais do Exército, de dezembro, a medida vai permitir que 255 mil CACs tenham permissão para andar armados.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse nesta segunda-feira (6) que o decreto que beneficia caçadores, atiradores e colecionadores de armas, os chamados CACs, pode trazer também a flexibilização das regras de importação de armas e quebra de monopólio.

O decreto foi criticado por associações da sociedade civil, como o Instituto Sou da Paz, e especialistas na área de segurança pública:

Em nota oficial, o Fórum Brasileiro de Segurança Pública disse que vê o decreto com “bastante preocupação”.

Ele seria “claramente uma tentativa de driblar o Estatuto do Desarmamento” e “desviar o foco do que realmente interessa”, além de ignorar “estudos e evidências que demonstram a ineficiência de se armar civis para tentar coibir a violência em todos os níveis”.

Futuro

Durante a cerimônia de assinatura do decreto, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou que a Câmara dos Deputados pode colocar em votação nesta semana um projeto de lei que trata sobre o porte de arma em propriedade rural.

O autor do projeto, deputado Afonso Hamm (PP-RS), disse ao Estado, que “É um projeto que está avançado e bem equilibrado. Já foi aprovado por duas comissões da Câmara”.

O projeto de 2016 já passou pela Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado e também pela de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

Entre alguns pontos tratados pelo texto, a licença para o porte rural de arma de fogo terá validade de dez anos e será restrita aos limites da propriedade rural, condicionada à demonstração simplificada, à autoridade responsável pela emissão, de habilidade no manejo.

Leia também:
Bolsonaro tem pressa para “facilitar a vida” de três categorias de pessoas
Exército deu mais tiros ao fuzilar músico que polícia da Alemanha em 1 ano
Flávio Bolsonaro apresenta projeto para instalar fábricas de armas estrangeiras no Brasil
A relação entre a flexibilização da posse de armas e o massacre em Suzano

Reuters e Agência Estado

Acompanhe Pragmatismo Político no InstagramTwitter e no Facebook

Comentários