Redação Pragmatismo
Direita 20/Mar/2019 às 18:12 COMENTÁRIOS

O “beija mão” de Sergio Moro em Olavo é o triste fim de um paladino da Justiça

Sergio Moro bajula Olavo de Carvalho, que há semanas instigou seus cães a lincharem-no nas redes e é viciado em termos como “cu” e “piroca”. De superministro, Moro vai se revelando um estafeta em busca desesperada de sobrevivência

beija mão Sergio Moro em Olavo é o triste fim de um paladino da Justiça
Jantar com formadores de opinião nos EUA (Imagem: Alan Santos | ABr)

Kiko Nogueira, DCM

O jantar oferecido na residência do embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, em torno de Olavo de Carvalho e seu gafanhoto Jair Bolsonaro caberia tranquilamente num filme menor de Buñuel.

O discurso curto e idiota de Jair, sentado à esquerda de seu mentor, foi tomado pela vontade de subjugação aos EUA, com direito a paranoia anticomunista e papo furado sobre uma campanha baseada no preceito bíblico da verdade (não há ainda um termo em inglês para mamadeira de piroca).

Saiba mais: Discurso de Bolsonaro durante jantar nos EUA provoca vergonha alheia

Uma cena, dentre tantas, merece destaque.

Reproduzo o relato da revista Época:

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, se juntou ao deputado federal Eduardo Bolsonaro em uma conversa com Steve Bannon e Chris Buskirk, editor do site American Greatness (Grandeza americana)

Quando todos se juntaram, Paulo Guedes puxou a sucessão de elogios a Carvalho e o classificou como “o líder da revolução”.

Você é o líder da revolução”, disse Guedes, atribuindo a Carvalho um papel importante da divulgação de ideias liberais para os brasileiros, o que, segundo ele, foi fundamental para a eleição do presidente Bolsonaro.

Sergio Moro, que já foi alvo das críticas de Carvalho e seus seguidores pela indicação da especialista Ilona Szabó como suplente no Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, seguiu a adulação ao escritor.

Disse que era uma honra conhecer alguém que inspirou tanta gente, incluindo “o chefe”, referindo-se ao presidente Bolsonaro. O ministro ainda mencionou que havia gostado muito do livro O jardim das aflições , mas confessou que o achara “muito denso”.

De superministro, Moro vai se revelando um estafeta em busca desesperada de sobrevivência.

Isso inclui a bajulação de um “guru” viciado em termos como “cu” e “piroca”, ex-astrólogo, difamador serial.

A sorte de Moro é que Olavo não lhe perguntou de que trecho ele mais gostou. Meu palpite é que o ex-juiz não leu a orelha da obra.

Ninguém relativamente normal lê aquilo — que, de resto, é “denso” como um pum num copo vazio.

Moro afagou diretamente o ego de Olavo no que ele é mais frágil — sua obra “filosófica”.

A coisa fica mais baixa quando se sabe que, no final do mês passado, o destinatário das lambidas instigou suas hostes a linchar Moro nas redes por causa da nomeação da infiel Ilona.

Se no Brasil existisse uma corrente política de direita e ela chegasse ao governo, tipos como Moro e Mourão não teriam nela a menor chance”, escreveu Olavo numa série de postagens contra o ídolo maringaense.

beija mão Sergio Moro em Olavo fim paladino da Justiça

Peçam ao Sérgio Moro ou ao Hamilton Mourão que expressem as suas respectivas ideologias políticas e verão que eles nunca pensaram no assunto”.

beija mão Sergio Moro em Olavo fim paladino da Justiça
beija mão Sergio Moro em Olavo fim paladino da Justiça

E por aí foi.

Moro, agora, é olavista.

Amanhã será outra coisa, dependendo do que o “chefe” ordenar.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. chichano goncalvez Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

    Enquanto essa gang que tomou o poder, com ajuda dos analfabetos politicos, estiverem. o Brasil vai de mal a muito pior, e o que é ainda pior, os bons e honestos vão pagar a conta, hasta quando camaradas ?

  2. caca silva Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Saudades do tempo do PT

    • Flip Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

      Chora!!!

  3. Vinis Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    Dá pra perceber como nossa educação é frágil ao ver que um livro desse asno metido a pensador é best-seller

  4. Edison Carleti Postado em 05/Jul/2019 às 16:37

    De juiz federal a advogado de porta de cadeia. Esse será o triste fim de Moro.

    • Roberto Pedroso Postado em 06/Jul/2019 às 00:37

      Morrow quer dar um salto triplo twist carpado para ascender o mais rápido possível ao cenário político e para tanto não se importou em se associar as pessoas que representam o que existe de pior, mais baixo, reles,vil e ordinário em termos políticos no Brasil contemporâneo! mas esperar o que desse cara????que disse quando o Bolsolixo ainda estava em campanha que ''não havia visto ou ouvido nenhuma declaração por parte do capitão mentecapto que pudesse sugerir ameaça ou repudio à democracia''!!!!!talvez ele não leu as diversas declarações desse capitão estupido quando o mesmo ainda era deputado, não viu suas declarações absurdas em entrevistas aos diversos programas de TV dos quais ele participou como convidado ao longo de seus inúteis anos como deputado em uma carreira publica de quase trinta anos......ou Morrow apenas se valeu de sua moral elástica que o leva a estabelecer uma analise dos fatos sempre baseada em indignação seletiva tão notória e recorrente.Tais características o leva a ser conivente e omisso em relação ao envolvimento do partido do presidente (presidente este que o escolheu como ministro) envolvido em escândalo de candidaturas laranja e desvios do dinheiro do fundo eleitoral,Morrow também demonstrou ser muito tolerante com os fortes indícios que ligam à família do presidente lixo com milicias armadas no Rio de Janeiro. Morrow por seu caráter arrivista,ambição politica desmedida ignora em nome de seu projeto particular de poder a celebre citação do velho escritor estadunidense que pode por em duvida a sua firmeza de caráter (já que o ex juiz hoje ministro usa tanto exemplos norte americanos para respaldar sua atitudes e justificar suas ações no campo ético/moral) já que ele deveria saber que ''quem está nas trincheiras ao seu lado importa mais do que a própria guerra''.