Redação Pragmatismo
Eleições 2018 06/Oct/2018 às 19:13 COMENTÁRIOS

A sedução (e o veneno) do extremismo

“Professor, como foi possível, em diferentes países, nações quase inteiras terem apoiado monstruosidades como essas?”

sedução veneno extremismo direita regime militar guerra ódio

Denis Castilho*, Pragmatismo Político

Quando fui professor do Ensino Fundamental da rede municipal de Goiânia, durante uma aula sobre geopolítica das guerras e de regimes totalitários, uma estudante, muito interessada e com olhar de espanto, pergunta: “professor, como foi possível, em diferentes países, nações quase inteiras terem apoiado monstruosidades como essas?”.

Se a aula fosse hoje seria mais fácil explicar como tudo se inicia. Exagero? Quando não há memória das crueldades de um regime político, qualquer alerta calha como devaneio. No Brasil, a história do regime militar é compreendida por poucos. Não há uma formação política (e cultural) suficiente que faça a população entender a gravidade que o extremismo representa. A noção, na maioria das vezes, não passa de uma abstração.

Tive a oportunidade de conversar com netos de pessoas que foram torturadas durante o regime militar do Chile e até com gente que nunca encontrou o corpo de seu familiar. Escutar a história sobre um pai de família amarrado no esteio de sua propriedade rural, aguardando sua tortura e assistindo sua esposa e filhos sendo abusados sexualmente e mortos de maneira cruel não pode parecer um fato isolado. Com lágrimas e lamento, pude sentir que em alguns países, diferente do Brasil, as lições da história em torno dessa questão são inegociáveis.

Enquanto isso, no Brasil, não faltam avenidas e rodovias com nomes que homenageiam torturadores. Em nosso país a história da tortura é contada como piada por alguns e há pessoas que ainda riem. O discernimento, neste caso, é uma questão de princípios. O que mais esperar nestes casos? O que dizer para um pai de família que defende a tortura e que resume, assim como seu ídolo, a sina de um país na ponta de uma bala?

A sedução dos extremistas sempre é barata e rasa – mas não deixa de ser uma sedução. A despeito de rasa, as respostas prontas e as soluções radicais acabam encontrando eco frente aos momentos de crise e de decepção generalizada. Juntam fanáticos, misóginos e ultrarradicais que, diante do contexto, vão contaminando e envenenando uma porção de fragilizados e desiludidos. Uma complexa rede de apoiadores e entusiastas vai se formando e o extremismo vai encontrando ressonância.

Ao invés da organização e da tomada de consciência sobre os perigos que isso representa, vai se formando um nacionalismo radical e extremista travestido de moral e de valores que não ultrapassam os limites das eleições. Usar palavras fortes e convincentes, como união, Deus, família e liberdade, mas invertê-las com a prática do ódio e da intolerância é dar um golpe fatal nas pessoas que, consciente ou inconscientemente, desejam um mundo mais tolerante e solidário.

Já dizia Marcel Proust: como podem homens sem Deus serem bons? Em resposta, o grande escritor português, Saramago, disse: “Como podem homens com Deus serem tão maus?

Em tempos que somos obrigados a defender o óbvio, como disse Brecht, o desânimo ronda a alma e arrefece o instante. A anestesia, no entanto, não pode sobrepor as lições do tempo. Não desistirei do compromisso com a formação humana e tolerante. Não me iludirei com respostas fáceis e com saídas que se aproximam do fanatismo. Não deixarei que a sedução seja maior que o discernimento e nem admitirei que a insensatez sobreponha o sentido de humanidade e o compromisso com a vida.

A didática do tempo pode ser implacável, mas tomara que ela não elimine a nossa capacidade de luta, de debate, de enfrentamento e de devir.

Leia também:
Há uma intervenção autoritária em marcha no Brasil hoje
Empresário que espancou a esposa é mais um “cidadão de bem”
Bolsonaro: o subversivo sem subversão
O fascismo é um mecanismo de contágio
Cabo eleitoral de Bolsonaro é preso por integrar quadrilha de agiotas
Policiais presos no RJ participaram de campanha do filho de Bolsonaro
As eleições de 2018 e a emergência da luta antifascista no Brasil
Empresário flagrado com menina de 13 anos é mais um “cidadão de bem”
Assassino de Tatiane Spitzner é mais um “cidadão de bem”
O ‘Doutor Bumbum’ é o retrato do “cidadão de bem”
A extrema-direita pró-Bolsonaro tem limites?
Brasil vive fenômeno político sem precedentes
Como diferenciar a direita da esquerda?
Quem quer ser um cidadão de bem?
Membro da Swat acaba com clichê preferido do “cidadão de bem”
Filho de Bolsonaro pede que suas fotos ao lado de Coronel pedófilo não sejam divulgadas

*Denis Castilho é doutor em geografia e professor do Instituto de Estudos Socioambientais da Universidade Federal de Goiás e colaborou com Pragmatismo Político.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários