Redação Pragmatismo
Eleições 2018 24/Oct/2018 às 15:38 COMENTÁRIOS

As propostas de Jair Bolsonaro e Fernando Haddad para os trabalhadores

Emprego: Durante a campanha e nos planos de governo, os candidatos Jair Bolsonaro e Fernando Haddad trataram sobre esse assunto que preocupa todo o Brasil. Um deles propõe menos direitos trabalhistas, enquanto o outro fala em revogar as reformas de Temer. Confira o que dizem os projetos de cada um

propostas de Jair Bolsonaro e Fernando Haddad trabalhadores emprego domesticas

Ana Clara Botovchenco Mendoza e Geovana Oliveira, Agência UniCeub

O Brasil teve a criação de mais de 137 mil empregos formais no mês de setembro. A notícia positiva não diminuiu a preocupação com o elevado desemprego, que está na casa dos 13,1%. Durante a campanha e nos planos de governo, os candidatos à presidência Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) trataram sobre esse assunto que preocupa todo o país. Entre os assuntos relacionados às questões trabalhistas, pautas como o primeiro emprego, direitos dos trabalhadores, empreendedorismo e a reforma trabalhista opõem os adversários.

Carteira verde e amarela

O candidato Jair Bolsonaro pretende criar uma nova carteira de trabalho verde e amarela, voluntária, para novos trabalhadores. “Assim, todo jovem que ingresse no mercado de trabalho poderá escolher entre um vínculo empregatício baseado na carteira de trabalho tradicional (azul) – mantendo o ordenamento jurídico atual –, ou uma carteira de trabalho verde e amarela (onde o contrato individual prevalece sobre a CLT, mantendo todos os direitos constitucionais)”.

Confira plano de governo

O líder nas pesquisas de intenção de voto, em entrevista ao Jornal Nacional (Rede Globo), no dia 27 de agosto, causou polêmicas ao afirmar que: “um dia o trabalhador vai ter que decidir: menos direito e emprego ou todos os direitos e desemprego.” Mais tarde, ainda na entrevista, se explicou: “O que nós temos que fazer, aí parte do Executivo, nós temos que desonerar a folha de pagamento, nós temos que desburocratizar, nós temos que desregulamentar muita coisa.”

PEC das Domésticas

Ainda na mesma entrevista, Jair Bolsonaro foi questionado sobre seu voto contrário à PEC dos empregados domésticos.

Foi para proteger, o que eu defendia são os mesmos direitos, mas de forma gradativa” […] “Muita gente teve que demitir, porque não teria como pagar, muitas mulheres perderam o emprego exatamente pelo excesso desses direitos. Essa foi a minha intenção.”

Saiba mais:
Contrário à PEC das Domésticas, Jair Bolsonaro perde a empregada
As empregadas domésticas e a escravidão

Ele pretende “desburocratizar, simplificar, privatizar, pensar de forma estratégica e integrada.” para que o Brasil possa atrair uma grande quantidade de investimentos e gerar empregos. “Oportunidades e trabalho para todos, sem inflação.”

Primeiro emprego

Outro momento em que Jair Bolsonaro aborda a questão do emprego é ao falar sobre empreendedorismo e do primeiro emprego dos jovens. “Fomentar o empreendedorismo para que o jovem saia da faculdade pensando em abrir uma empresa.” O candidato pretende diminuir o fenômeno conhecido como “fuga de cérebros”, êxodo de cientistas altamente qualificados para países com mais oportunidades, ao afirmar que sua intenção é criar um ambiente favorável ao empreendedorismo no Brasil, valorizando talentos nacionais e atraindo outros do exterior para gerar novas tecnologias, emprego e renda aqui.

Ao tratar sobre os efeitos dos avanços tecnológicos nos empregos, o documento defende que é necessária uma profunda transformação das empresas e das relações de trabalho. É preciso implementar medidas que acelerem a modernização da nossa estrutura produtiva. Dentre elas, “desenvolvimento e fortalecimento do mercado de capitais, estímulos à inovação e ao investimento em novas tecnologias por meio […] da abertura comercial imediata a equipamentos necessários à migração para a indústria 4.0” e “ampla requalificação da força de trabalho.”

Por fim, a equipe econômica de Jair Bolsonaro estabeleceu como meta a criação de 10 milhões de empregos em quatro anos, informou ao Estadão/Broadcast Carlos Alexandre da Costa, que integra o núcleo de economistas reunidos por Paulo Guedes, o coordenador do programa econômico de Bolsonaro.

Haddad defende programa “Meu Emprego de Novo”

Uma das propostas de Fernando Haddad (PT) para diminuir o desemprego é o programa Meu Emprego de Novo, com foco na juventude. O texto está no Plano de Governo. Para pôr em prática, o candidato do Partido dos Trabalhadores pretende retomar 2.800 obras que se encontram paradas no país e o programa Minha Casa Minha Vida, reforçar os investimentos do Bolsa Família, apoiar a economia social e solidária, e aumentar os investimentos na Petrobras.

Outro programa do presidenciável é o Dívida Zero, que “prevê a instituição de linha de crédito em Banco Público com juros e prazos acessíveis” para pessoas com o nome negativado no Serasa e SPC. Além disso, no plano de governo, Haddad investirá na inclusão qualificada no mercado de trabalho, através da Agenda Nacional de Trabalho Decente. A expansão de matrículas e aumento de investimento no ensino superior e nos ensinos técnico e profissional são outros pontos abordados com o objetivo de diminuir o desemprego na juventude.

Reforma trabalhista

Haddad pretende revogar a reforma trabalhista do atual presidente, Michel Temer, e, junto com sua equipe, elaborar um novo Estatuto do Trabalho. “A revogação da reforma trabalhista e da legislação da terceirização deverá ser acompanhada da elaboração do novo Estatuto do Trabalho no Brasil (…)”, afirmou Márcio Pochmann, coordenador econômico de Haddad, em uma entrevista para a revista Exame.

No novo Estatuto do Trabalho, o candidato do PT pretende aumentar a valorização dos sindicatos e associações de trabalhadores e empresários na orientação da preparação para a qualificação. A reorganização dos fundos sociais já existentes estará presente nesse novo estatuto, afirma o documento, com o intuito de criar uma nova política de proteção ao trabalhador durante sua vida laboral. O programa também sugere um amplo debate sobre as condições necessárias para redução da jornada de trabalho.

A revogação da reforma trabalhista e a elaboração do novo Estatuto são medidas que serão tomadas para combater o trabalho escravo e infantil, em um eventual governo de Fernando Haddad.

Saiba mais:
O balanço trágico dos seis meses de ‘Reforma Trabalhista’
27,6 milhões provas de que a reforma trabalhista falhou
As 5 principais crueldades da Reforma Trabalhista

Salário mínimo

A criação do Programa Salário Mínimo Forte pretende fortalecer e aperfeiçoar a regra da valorização do salário mínimo. O reajuste do valor do salário mínimo continuará a ser definido da mesma maneira, com o acréscimo da variação do PIB de dois anos antes ocorrendo somente quando for positivo. O candidato, em seu Plano de Governo, garante que haverá ganho real do salário mínimo em seu mandato, mesmo com o PIB em déficit, com o intuito de aumentar o poder de compra do trabalhador e fazer a economia crescer.

A única semelhança entre as propostas dos presidenciáveis é sobre o incentivo ao empreendedorismo, com apoio às “micro e pequenas empresas”. Segundo o documento do candidato, as micro e pequenas empresas geram mais da metade das vagas de emprego com carteira assinada, e abrigam boa parte dos desempregados que procuram novas alternativas de ocupação e renda. Um dos benefícios às micro empresas será o aumento da concessão de créditos.

Empreendedorismo

Em parceria com o Sebrae, o governo de Haddad pretende incentivar a capacitação técnica dos empresários, com o intuito de que os empreendedores possam ter uma gestão inovadora e profissional em seus negócios. Para ele, a cultura empreendedora será trabalhada desde o ensino fundamental nas escolas, passando pelas universidades e cursos profissionalizantes. Segundo o plano de governo do candidato do Partido dos Trabalhadores, “fortalecer o empreendedorismo de pequeno porte é um grande mecanismo de combate às desigualdades, com inclusão socioeconômica”.

No dia 22 de outubro, quando questionado qual projeto deseja ter seu nome vinculado e marcado na história, Fernando Haddad disse que, ao fim de seu mandato, gostaria que os brasileiros tivessem perspectiva de trabalho e educação. “Meu pai me ensinou que uma pessoa tem que acordar e ter para onde ir. Pior coisa que pode acontecer com um ser humano é acordar e não ter um destino. E ele me dizia que trabalho e educação são as duas coisas mais preciosas que um ser humano pode ter”. Ele ainda ressalta que, quando foi ministro da educação, o Brasil tinha educação e emprego para todos, e afirma que é esse o país que deseja construir em seu possível governo.

Confira Roda Viva (TV Cultura):

Leia também:
O que diz o plano de governo de Bolsonaro sobre a corrupção
Marun diz que vota em Bolsonaro porque ele “parece com Temer”
Jair Bolsonaro votou contra lei que protege pessoas com deficiência
Empresário Ricardo Semler divulga texto para as elites que apoiam Bolsonaro
Bolsonaro é o único candidato que não propõe mais recursos para a saúde pública
Propostas de Bolsonaro para a educação são espantosas
Militar avalia proposta de Bolsonaro: “É a regulamentação da barbárie”
Seguidores de Bolsonaro se revoltam com voto do deputado na PEC 241

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários