Redação Pragmatismo
Barbárie 09/Aug/2018 às 14:10 COMENTÁRIOS

Morte de Marielle Franco “envolve agentes do Estado”, admite ministro da Segurança

Agentes do estado estão envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco. A revelação gravíssima é do ministro da Segurança Pública do governo Temer

Morte de Marielle Franco Estado Jungmann polícia militar

O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou hoje (8) que há uma “complexidade” em torno da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista que estava com ela Anderson Pedro Gomes, pois “envolve agentes do Estado“. Quase cinco meses após os assassinatos e com as investigações em curso, Jungmann pediu paciência para as apurações. O ministro, participou em Brasília, da assinatura de parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e foi questionado por jornalistas sobre o andamento das investigações.

Apesar das dificuldades, Jungmann disse estar confiante que os responsáveis pela morte de Marielle serão punidos. “Você tem a necessidade de estabelecer a autoria, digamos assim, intelectual [do crime], obter e coligir provas pra isso. Então essa é a dificuldade que se tem. Já foram citados políticos, já foram citados membros de milícias e agente públicos também. Apenas o que dificulta é a necessidade de você fazer a comprovação de tudo isso. Mas vai chegar a hora da justiça e eu tenho certeza que nós vamos punir os responsáveis pela morte da Marielle.”

Jungmann participou nesta quarta-feira, em Brasília, da assinatura de parceria com a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e foi questionado por jornalistas sobre o andamento das investigações.

Investigações

O ministro disse que, apesar das dificuldades em se comprovar a autoria, está confiante de que os responsáveis serão punidos. “Estou confiante de que serão encontrados executores e mandatários. O que dificulta este caso é a necessidade de comprovação. Temos que produzir provas para punir com cadeia os responsáveis [pelo crime]“, afirmou.

Em seguida, Jungmann acrescentou que não se pode apressar as investigações: “Eles têm que produzir provas e essas provas têm que ser substantivas. Elas têm que passar pelo teste de verificação da promotoria, de advogados, do Ministério Público e do próprio juiz.”

Marielle e Anderson foram mortos a tiros na noite de 14 de março, no centro do Rio de Janeiro dentro do carro em que estavam. No próximo sábado (11), a morte de Marielle Franco chega 150 dias.

Há dois dias, a arquiteta Mônica Benício, viúva da vereadora, também falou sobre a necessidade de tempo para que o caso não seja concluído com “qualquer solução“. Mônica define o crime como “político e de poder“.

Ela pediu proteção às Nações Unidas e disse que teme pela própria vida, após sofrer ameaças virtuais e pessoais.

Leia também:
Arma que matou Marielle Franco tem rastro obscuro até a Alemanha
Policiais estavam no carro usado para matar Marielle Franco, diz testemunha
Câmeras foram desligadas na véspera da execução de Marielle Franco
Ministério desmente o próprio ministro sobre munição que matou Marielle
Calibre usado para matar Marielle foi autorizado em agosto pelo Exército
Balas que mataram Marielle são do mesmo lote da maior chacina de São Paulo
Assassinos seguiram carro de Marielle por 4 km e atirador era experiente, diz Polícia

Carolina Gonçalves, Agência Brasil

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários