Redação Pragmatismo
Direita 07/Mar/2018 às 16:40 COMENTÁRIOS

Kim Kataguiri aciona a Justiça contra Boechat, mas perde a ação

Chamado por Boechat de “Hitler”, líder do Movimento Brasil Livre (MBL) Kim Kataguiri foi à justiça contra o jornalista da Band, perdeu a ação e ainda levou um prejuízo financeiro

kim kataguiri aciona a justiça contra boechat perde

Kalleo Coura, Jota

O líder do Movimento Brasil Livre (MBL) Kim Kataguiri teve negado um pedido de direito de resposta contra a Rádio e Televisão Bandeirantes por críticas proferidas pelo jornalista Ricardo Boechat. O caso, de número 1010957-20.2017.8.26.0011, foi julgado pelo juiz Paulo Henrique Ribeiro Garcia, da 1ª Vara Cível do Foro Regional de Pinheiros, em São Paulo.

Boechat havia criticado a postura do MBL e de Kataguiri em relação à exposição “Queermuseu – cartografias da diferença na arte da brasileira”, cancelada pelo Santander depois da pressão do grupo.

Na inicial, Kataguiri reclama que Boechat comparou o MBL a nazistas e ao Estado Islâmico. Boechat também disse que Kim Kakaguri, a quem se referiu como “bobalhão”, “resolveu virar o nosso Hitler, ofendendo pessoas que vão a exposição de arte, das quais ele não gosta”.

O juiz concordou que a matéria chama, sim, Kataguiri de bobalhão e equipara a atuação do MBL em relação à exposição “Queermuseu” à conduta de outros grupos que buscam eliminar às expressões de arte que são incompatíveis com seus valores e ideias — como os nazistas, Hitler, o Estado Islâmico e o líder norte coreano Kim Jong-Un.

Logo, diz o magistrado, não houve imputação de fato inverídico, mas crítica à atitude do autor, que, segundo o jornalista, “equipara-se à conduta de outros líderes, cuja atuação é vista pela sociedade, em regra, como algo pernicioso”.

A crítica de Boechat teve forte carga negativa, mas para Garcia não se constata abuso, erro ou inverdade no paralelo realizado pelo jornalista. Já o fato de ter sido chamado de “bobalhão” configura lesão na esfera da subjetividade de Kataguiri, mas não dá margem a direito de resposta.

O que gera direito de resposta, afirma Garcia, não é apenas o fato de se sentir ofendido, “caso contrário, haveria indevida limitação à liberdade de expressão e de imprensa, pois seria impossível a divulgação de qualquer afirmação ou fato que causasse algum dissabor para quem quer que fosse”.

Como perdeu a ação, Kataguiri foi condenado a pagar custas, despesas processuais e honorários advocatícios no valor de R$ 2.500 a Andre Marsiglia de Oliveira Santos, do Lourival J. Santos – Advogados, que defendeu a Band.

A defesa de Kataguiri já recorreu da decisão de primeira instância.

Leia também:
Kim Kataguiri vira piada após fazer lista de pessoas que “fugiram de debate com ele”
Márcia Tiburi acerta ao não querer dividir bancada com Kim Kataguiri
Tumblr de Kim Kataguiri em versão “queer” viraliza nas redes sociais
Carina Vitral vs Kim Kataguiri: A diferença entre preparo e chavões
Kim Kataguiri, para além do analfabetismo político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários