Redação Pragmatismo
Barbárie 05/Mar/2018 às 20:29 COMENTÁRIOS

Caso do “sacrifício satânico” de crianças segue caminho surpreendente

Corrupção policial, profetas, milagres e a obsessão de um delegado evangélico para incriminar pessoas inocentes e não cristãs. Novidades do propalado “sacrifício satânico” de crianças que chocou o Brasil no início do ano revelam caso repleto de mirabolâncias

delegado Moacir Fermino sacrifício satânico
O irresponsável e fanático religioso delegado Moacir Fermino (esq) dá voz de prisão ao “bruxo” Sílvio. Foto: divulgação/PCRS

Igor Nastuch, The Intercept. Via DCM

O Brasil tomou conhecimento, no começo de janeiro, do que parecia ser o desfecho macabro de um crime há meses envolto em mistérios. Duas crianças, cujos corpos esquartejados haviam sido encontrados em setembro de 2017 na cidade gaúcha de Novo Hamburgo, teriam sido sacrificadas em um ritual satânico, encomendado por dois empresários em busca de um pacto por sucesso nos negócios, e levado a cabo com o auxílio de outras cinco pessoas.

A resolução relâmpago do caso pegou de surpresa o delegado Rogério Baggio, titular da Delegacia de Homicídios do município e que investigava o crime há meses. Ele estava em seus últimos dias de férias quando Moacir Fermino, colega que o substituiu por apenas 30 dias, veio a público anunciar que havia desvendado a motivação por trás das mortes. Atribuindo o sucesso de seu trabalho a testemunhas que ele publicamente chamou de “profetas de Deus”, o substituto coletou informações que lhe permitiram descobrir os detalhes do crime. Cristão fervoroso, ele batizou a operação de “Revelação”.

Enquanto Baggio estava de férias, Fermino deu ordem de prisão e fez uma devassa na vida dos supostos envolvidos, sobretudo na de Sílvio Fernandes Rodrigues, dono de um sítio em Gravataí, onde ele mantém um local intitulado Templo de Lúcifer. O delegado passou a chamar Sílvio apenas de “bruxo”. Ele seria o principal personagem do ritual de esquartejamento. Seu sítio foi escavado em busca de fragmentos dos corpos das crianças. A cobertura da imprensa foi extenuante. Ao voltar das férias, o delegado Baggio desmontou a tese de Fermino. Não havia provas contra Silvio.

As conclusões do substituto haviam sido forjadas com base em depoimentos inventados por pessoas que se apresentaram à Polícia Civil com o intuito de se beneficiar indevidamente do programa de proteção a testemunhas, o Protege. Nenhum resquício de corpo humano foi encontrado no sítio. Nenhuma prova material além dos testemunhos foi juntada aos autos.

Os acusados no inquérito desmascarado tentam, agora, reconstruir a vida e a reputação enquanto esperam por uma conclusão da Corregedoria da Polícia Civil gaúcha. A instituição deve anunciar até o dia 17 de março os resultados da apuração do episódio, que ilustra os estragos que uma investigação irresponsável podem rapidamente provocar. A expectativa é que o trabalho dos corregedores consiga explicar a motivação de Fermino e de seus “profetas” para criar um caso em cima do assassinato brutal de duas crianças – cujas mortes continuam um mistério.

Operação Revelação

Essa história começa em 4 de setembro do ano passado, quando partes de dois corpos foram encontradas em um mato no bairro Lomba Grande, em Novo Hamburgo. Duas semanas depois, mais restos mortais das mesmas vítimas foram localizados. Exames mostraram tratar-se de duas crianças, irmãos por parte de mãe: um menino, entre 8 e 9 anos, e uma menina, de no máximo 12. A menina tinha ferimentos típicos de quem, desperta no momento da morte, tenta se defender; o menino, por outro lado, tinha 5,3 decigramas de álcool por litro de sangue, o suficiente para deixá-lo à beira do coma alcoólico.

Esses detalhes, revelados pela perícia, eram tudo de que dispunha o delegado Rogério Baggio, recém-empossado como titular da Delegacia de Homicídios de Novo Hamburgo, para iniciar sua investigação. Não existiam pais procurando pelos filhos desaparecidos, indícios de atividade suspeita ou evidências materiais. Durante meses, nenhuma testemunha entrou pela porta da delegacia com uma informação relevante, por menor que fosse.

Em 10 de dezembro, Baggio entrou em férias. Moacir Fermino, titular da 2ª Delegacia de Polícia da cidade, assumiu interinamente o caso. E operou o que, à primeira vista, parecia um milagre. Em meros dez dias, fez a apuração andar, a ponto de expedir pedidos de prisão temporária para seis dos que, depois, acabariam se tornando sete suspeitos.

Moacir Fermino deu uma entrevista coletiva sobre seus aparentes avanços vertiginosos no dia 8 de janeiro, logo antes de o titular do caso voltar de férias. É nesse momento que o mistério de Novo Hamburgo ganha projeção nacional. Na conversa com os jornalistas, Fermino pintou uma história tão macabra quanto extraordinária.

De acordo com o delegado, Silvio Fernandes Rodrigues, que usa elementos de diferentes linhas religiosas para atender pessoas vivendo dramas conjugais e financeiros, teria esquartejado as duas crianças a mando dos empresários Jair da Silva e Paulo Ademir Norbert da Silva. Os dois, moradores do bairro de Lomba Grande, teriam pago R$ 25 mil pelo sacrifício das vidas das crianças, cujo resultado esperado seria a prosperidade nos negócios.

Os filhos de Jair, Anderson e Andrei, teriam participado do ritual, ao lado de Jorge Adrian Alves, argentino que teria trazido as vítimas do país vizinho em troca de um caminhão roubado. Um sétimo nome, Márcio Miranda Brustolin, que só viria à tona num segundo momento da investigação de Fermino, seria discípulo do “bruxo”, auxiliando no agenciamento do negócio. Tudo em uma oferenda de sangue ao deus Moloch, suposta divindade pagã que, na Bíblia, é associada com rituais envolvendo sacrifício de crianças. O rito teria sido todo feito em aramaico, segundo o relato de Fermino, que incluiu ainda outros detalhes dignos de filme de baixo orçamento.

Para sustentar essa trama mirabolante, Fermino, que frequenta uma igreja adventista, não ofereceu nenhuma evidência concreta. Resumiu-se a explicar que tinha sido contactado por dois “profetas”, que teriam feito todas as revelações a um “servo de Deus” – no caso, ele mesmo. De material, apenas uma capa preta e uma máscara de cachorro, supostamente usadas no rito macabro – e que o delegado manuseou ostensivamente durante a coletiva antes de os objetos passarem pela perícia. A operação que teria desbaratado o grupo criminoso foi batizada por Fermino de Revelação.

Na conversa com a imprensa, destaca-se a exaltação de Fermino quando confrontado pelos jornalistas presentes sobre a falta de provas contundentes:

“Quando botei o pé na delegacia, um homem de Deus ligou dizendo que tinha informações, que era para eu levar um caderno para anotar”.

“Uma testemunha?”, tentou atalhar uma jornalista presente.

“Não, um profeta de Deus!”, insistiu Fermino, erguendo a voz.

“É que está confuso, delegado…”, começou outra repórter. “A gente só quer entender o seguinte, essa pessoa que o senhor chama de profeta…”

“Não chamo! É Deus, não sou eu. É revelação!”

A coletiva acendeu o sinal amarelo na cúpula da Polícia Civil. Poucas horas depois, uma reunião de emergência foi realizada – oficialmente, para discutir a técnica policial usada na investigação. Mesmo sem mudança imediata no rumo do caso, o encontro teve ao menos um desdobramento. O delegado Baggio, ainda no penúltimo dia de férias, voltaria imediatamente ao comando da investigação, com uma missão clara: destrinchar, vírgula por vírgula, tudo que tinha sido anexado ao inquérito desde sua saída.

“Profetas” enviados para elucidar o caso

O primeiro dos “profetas” mencionados por Fermino na desastrada coletiva teria lhe aparecido ainda em outubro do ano passado, através de uma ligação anônima para seu escritório na 2ª Delegacia de Polícia. Na ocasião, o informante já entrega os detalhes básicos da versão que ganharia as manchetes, incluindo uma descrição do ritual e os nomes dos acusados.

Além de ser o único a falar com o informante, o próprio delegado assinou o registro da ocorrência. Ou seja, ninguém além dele teve contato com o “enviado divino”, em momento algum. “O informante era do delegado Fermino, havia uma relação de confiança entre eles. Eu não tinha, até por questão ética, como exigir que ele me contasse quem era”, defende-se Baggio. Ou seja, o primeiro “profeta” pode ser qualquer um. Ou, como pessoas próximas ao caso insinuam, pode ser que ele nem mesmo exista.

Depois de receber essa ligação, Fermino passou as informações a Baggio, que até chegou a considerá-las como uma das linhas de investigação. No entanto, as diligências conduzidas à época pelo titular da Homicídios não trouxeram nenhum elemento que desse consistência ao elaborado relato, o que fez com a que a tese de rito satânico fosse colocada em segundo plano, em favor de teorias mais mundanas como crime conjugal e uma dupla execução associada ao tráfico de drogas.

O segundo “profeta” aparece para Fermino em 4 de janeiro, já durante as férias do delegado Baggio, quando Sílvio, Jair e Andrei já estão presos e Anderson é considerado foragido. É a primeira testemunha alegada do caso. O homem, que faz bicos como servente de obras, é quem inclui Márcio Brustolin entre os suspeitos. Ele conta ao delegado Fermino que, pouco antes dos corpos esquartejados aparecerem no matagal, tinha sido contratado por Brustolin para trabalhar no sítio de Sílvio e no terreno em Lomba Grande onde o ritual teria sido realizado. Em uma noite de começo de setembro, ao voltar para recuperar suas ferramentas, teria testemunhado os sete homens em círculo, duas crianças no centro, a menina ainda desperta e em estado de choque. Após depor, o servente entra rapidamente no Protege, o programa de proteção a testemunhas no Estado. Brustolin, implicado pelo testemunho bombástico, é preso no dia seguinte.

Provas plantadas e testemunhas de pouca memória

Depois que Baggio reassume oficialmente o caso, no dia 10 de janeiro, Fermino ainda segue realizando diligências com base nas informações do primeiro “profeta”. As equipes dos dois delegados trabalham paralelamente, com os agentes da delegacia comandada por Fermino servindo de braço auxiliar da Homicídios. Baggio promove novas investigações no Templo de Lúcifer, com uso de químicos, cães farejadores e até uma retroescavadeira. E encontra um manual de magia, parcialmente queimado e com páginas rasgadas, que descreve um rito mágico envolvendo uma criança. Em uma das margens, está o nome de uma auxiliar de Sílvio, que frequentava o local e aparece em alguns vídeos de divulgação incluídos pelo religioso em seu site pessoal. Diante da evidência, Baggio pede a prisão temporária dela. É a sexta pessoa a parar atrás das grades por envolvimento no suposto ato satanista.

A detenção, porém, durou poucas horas. Baggio desconfiou do fato de ter encontrado uma prova material tão contundente em local que já tinha sido esquadrinhado pela equipe de Fermino. Em depoimento, a acusada alegou que o caderno descrevia apenas um ritual de primavera, sem implicações de sacrifício humano, e que as páginas rasgadas traziam só anotações pessoais. Comparando a explicação com outras evidências materiais, Baggio acabou se convencendo e, poucas horas depois da prisão, liberou a mulher. “Hoje, estou convencido de que a prova tinha sido plantada para ser encontrada pela minha equipe”, revela o delegado.

Ao mesmo tempo, aparece mais uma testemunha – a segunda em menos de trinta dias: um homem que disse ter visto, no dia 4 de setembro, dois dos acusados deixando as caixas com pedaços de corpos na beira da estrada. Afirmou tê-los reconhecido graças às fotos do rumoroso caso que circulavam em um jornal local. E explicou que lembrava da data por ser o aniversário de seu filho, que o estava visitando naquele dia.

Quando a esmola é muita, o santo desconfia. E Baggio, já preocupado com os rumos do caso, estranhou aquele relato tão cheio de detalhes, caindo do céu como um presente de Deus. Até a descrição de uma caminhonete vermelha batia com o carro que de fato havia pertencido a um dos acusados na época. Estranhou mais ainda quando a testemunha garantiu que um amigo estava a seu lado – um pintor, chamado Guilherme, colega de serviço a quem dava carona todas as manhãs.

Curiosamente, o homem de tão boa memória empacou na hora de dar mais detalhes sobre esse amigo. Depois de muita insistência, disse se tratar de um indivíduo que estava em Santa Catarina. A equipe de Fermino ficou então encarregada de ir ao estado vizinho interrogar o tal Guilherme. No dia previsto para o deslocamento, no entanto, Baggio encontrou Fermino e seus homens no escritório em Novo Hamburgo. Haviam cancelado a viagem porque se averiguara que a pessoa apontada pela testemunha era, na verdade, um médico, sendo improvável que fizesse bicos como pintor por aí. “Mas tudo tranquilo, me disseram, a gente foi atrás da testemunha de novo e ele nos disse quem é o verdadeiro Guilherme, estamos indo atrás dele”, conta Baggio.

Ao comparar os autos de reconhecimento, a mentira ficou clara para o delegado titular da Divisão de Homicídios. Os dois Guilhermes eram muito, muito diferentes. Não era plausível uma testemunha honesta confundir o médico de Santa Catarina com o pintor de Novo Hamburgo, ainda mais se tratando de alguém que a testemunha via cotidianamente.

Testemunhas confessam armação para se beneficiar do programa Protege

A partir daí, a derrocada do caso foi rápida. Acelerada, garante Baggio, pela preocupação com o destino dos presos que ele, agora, tinha convicção de estarem sendo injustiçados. Para assassinos de crianças, a penitenciária é um lugar nada amigável – e uma eventual tragédia envolvendo os presos seria desastrosa não apenas para as famílias envolvidas, mas para a imagem de toda a Polícia Civil.

Em meio à desconfiança crescente, surgiu ainda uma terceira testemunha, que trazia o elo que, supostamente, faltava para fechar o caso: a pessoa garantia ter estado no Templo de Lúcifer, em Gravataí, a convite de um dos empresários presos, estabelecendo a ligação entre os empresários e Sílvio, que a equipe de investigação não achava em lugar algum.

Em acareações envolvendo as três testemunhas que apareceram em 2018, parte da verdade começou a vir à tona. A testemunha que contara ter visto dois acusados deixando as caixas à beira da estrada no dia em que seu filho tinha ido visitá-lo foi desmascarada pela própria esposa: em depoimento, ela negou que o filho tivesse ido ver o pai na data mencionada. Ele e o suposto servente de obras, que implicara Márcio Brustolin no caso, acabaram confessando: estavam mesmo mentindo, tentados pela promessa de casa, segurança e um suposto salário de R$ 3 mil fornecidos pelo Protege.

O programa leva testemunhas em risco de vida para áreas distantes de onde originalmente residiam. Os próprios investigadores ficam sem contato direto com as fontes. Mas o valor da ajuda de custo do Protege não chega nem perto do que fora prometido aos mentirosos. E isso acabou ajudando a desfazer a rede de mentiras: frustrado com a constatação de que o polpudo pagamento não passava de lorota, a primeira testemunha resolveu abrir o bico e confessar a farsa.

Tanto as promessas quanto os detalhes das versões apresentadas pelas falsas testemunhas foram elaborados pelo mesmo homem. Esse agenciador é chefe da testemunha que havia confundido os dois Guilhermes inconfundíveis e pai da terceira testemunha, que dizia ter sido convidada a ir ao sítio de Sílvio Fernandes por um dos empresários presos.

Perguntado sobre o motivo alegado pelo agenciador para todas essas mentiras, Baggio diz não poder responder, já que a Corregedoria de Polícia ergueu sigilo sobre essa parte da investigação. Tampouco se sabe por que o recrutador conhecia detalhes tão íntimos da investigação.

Espera-se que a Corregedoria, que já falou com quase todos os personagens desse quebra-cabeça, traga os detalhes do que está por trás da rede de falsas testemunhas nos próximos dias. A esperança é que venha à tona ainda alguma revelação sobre o primeiro informante anônimo, aquele que ligou para Fermino em outubro, tendo sido o primeiro a formular a trama antes de todo mundo e segue sem rosto, sem nome e sem origem.

“Ele disse que era Deus, e que veio prender Satanás”

Aos acusados pelo delegado Fermino, resta o esforço de tocar para frente a própria vida. O empresário Jair da Silva, duas vezes suplente de vereador e figura conhecida em todo o bairro de Lomba Grande, virou quase um recluso. Mesmo após repetidas tentativas, não respondeu aos contatos da reportagem. “Ainda é muito difícil para todos nós”, diz Andrei, um de seus filhos que chegou a ser preso. Ele garante que toda a família foi alvo de agressões e ameaças por parte de policiais. “Não temos inimigos, não fazemos a mínima ideia do porquê de tudo isso. Só ficamos sabendo [dos motivos da prisão] pela minha mãe e pela minha esposa, e depois pelo rádio”, conta.

Em entrevista a The Intercept Brasil, Sílvio Fernandes Rodrigues, o suposto bruxo – hoje livre de todas as acusações, feitas por Fermino com base em provas e testemunhas falsas – relembra as palavras ditas pelo delegado, no momento de sua prisão, em 27 de dezembro. “Ele disse que era Deus, e que veio prender Satanás”, conta Sílvio.

Ele se descreve como mestre de magias, fazendo uso de elementos de quimbanda, Casa de Exu e da lei de Sabath, além de outras linhas ritualísticas, várias delas ligadas a elementais da natureza. “A dualidade é o princípio da minha filosofia, que eu geralmente procuro chamar de luciferianismo”, explica.

Seja como for, ele garante não fazer uso de sangue animal – e muito menos humano – em suas ritualísticas. Os danos ao sítio Templo de Lúcifer, ocorridos durante as visitas policiais, atingiram boa parte de suas posses, incluindo objetos sagrados para sua religiosidade.

“Onde eu estou passando eu estou juntando um pedaço, um caco aqui, outro ali. Eu preciso recuperar a minha integridade, da minha família e da minha esposa em primeiro lugar. Se querem me julgar por ser religioso, que mudem a Constituição. Não sou homem de me esconder. Eu quero andar de cabeça erguida, e eu vou andar de cabeça erguida”.

Ele garante não conhecer nenhum dos seus supostos comparsas. A máscara de cachorro, balançada como prova na coletiva de Fermino, foi adquirida pelo filho do mago em um site chinês – e que a nota fiscal prova que só chegou depois da data do suposto ritual. “Mas eu perdoo ele [Fermino], pela insanidade dele”, diz Sílvio.

Já a cúpula da Polícia Civil tem optado pela cautela. O delegado Emerson Wendt, chefe da Polícia Civil gaúcha, preferiu manifestar-se por e-mail, tratando a situação como “um caso pontual que, evidentemente não foi positivo (…), mas que não tem o condão de apagar todo o excelente trabalho que vem sendo realizado”.

A Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul não se manifesta sobre o caso. A Corregedoria, por meio do delegado-corregedor Marcos Meirelles, confirmou que já existe “uma linha de explicação” para os falsos testemunhos, mas não entrará em detalhes antes do anúncio oficial.

Responsável direto pelas reviravoltas que projetaram e, logo depois, afundaram o caso, o delegado Moacir Fermino está afastado de suas funções, desde o dia 9 de fevereiro, por prazo indeterminado. Procurado repetidas vezes pela reportagem, não deu retorno.

A partir de março, a chefia da Polícia Civil garante que oferecerá reforço para a equipe do delegado Baggio, que vê a investigação sobre a morte e o esquartejamento das duas crianças de volta à estaca zero.

Depois de tudo o que ocorreu, a busca de respostas virou quase uma questão de honra. “Todas as ocorrências são importantes, mas esse é um caso que eu quero muito elucidar. Quero colocar os responsáveis na prisão”, diz ele.

A primeira medida daqui para frente é, a seu modo, uma volta ao começo: retomar a análise das centenas de milhares de ligações telefônicas registradas na região. “É um tiro na lua, mas precisamos tentar tudo.”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários