Redação Pragmatismo
Juristas 31/Jan/2018 às 13:23 COMENTÁRIOS

Gilmar Mendes pretende caçar passageiros que o xingaram em avião

Ministro Gilmar Mendes aciona a Polícia Federal para descobrir e investigar quem o xingou durante um voo que partiu de Brasília rumo a Cuiabá

gilmar mendes caçar passageiros xingaram avião

Joelma Pereira, Congresso em Foco

Com objetivo de descobrir quem o xingou durante um voo que partiu de Brasília rumo a Cuiabá, no último sábado (27), o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), enviará uma representação à Polícia Federal pedindo que o autor das ofensas seja investigado. A informação foi revelada na manhã desta quarta-feira (31) pela jornalista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo, e confirmada por este site.

Alvo de protestos por passageiros que estavam na mesma aeronave que o ministro, em vídeo que circula na internet e em grupos de WhatsApp, um passageiro diz: “Polícia Federal para ele [Gilmar Mendes]. O amigo do Daniel Dantas, do Aécio Neves”. Mais ao fundo, uma passageira provoca: “Vergonha para família”. Em outro momento do voo, os passageiros entram no coro de “fora Gilmar”. Calado, o ministro apenas sorri, sem rebater às provocações.

“Tomataços”

Em outubro do ano passado, o ministro foi alvo de dois “tomataços”, em ocasiões diferentes, na entrada do Instituto de Direito Público (IDP), instituição de ensino e pesquisas da qual é sócio-fundador. Conforme a Folha de S. Paulo antecipou, Gilmar Mendes também pediu que a PF abra inquérito para investigar o suposto líder do grupo que teria oferecido R$ 300 para quem acertasse um tomate no magistrado.

Claramente, a intenção do Representado não era a de realizar um protesto pacífico – dentro dos limites do direito à liberdade de expressão –, mas de verdadeiramente ameaçar o Representante e de lhe ocasionar lesão corporal e patrimonial, na medida em que, consoante o texto, (i) o tomataço deveria ser direcionado à sua cabeça e que (ii) foram apostas aspas no vocábulo pacífico – ressaltando, justamente, a violência do ato”, diz parte do texto da representação enviada à PF, que pede que o suspeito “seja penalmente responsabilizado por suas condutas”. O pedido foi enviado à PF no dia 28 de dezembro de 2017.

No início deste mês, o ministro foi seguido e hostilizado por duas brasileiras pelas ruas de Lisboa, capital de Portugal. Gilmar viaja com frequência para aquele país, onde tem casa.“A gente pede pra Deus levar o senhor pro inferno”, foi o que o magistrado ouviu naquela oportunidade.

Gilmar foi responsável, entre outros casos, pela soltura de figuras conhecidas como o ex-ministro José Dirceu, o empresário Eike Batista, o médico Roger Abdelmassih e o banqueiro Daniel Dantas. No ano passado, o ministro também mandou soltar, duas vezes em menos de 24h, o empresário Jacob Barata Filho, magnata do transporte público do Rio, preso por corrupção. Em 2013, o ministro foi padrinho de casamento da filha de Barata.

Leia também:
Gilmar Mendes sorri enquanto é hostilizado por mulheres em Portugal
Gilmar Mendes recebeu dinheiro da JBS na conta pessoal
Jantar de Gilmar para investigados da Lava Jato teve proposta inacreditável de Serra
As mordomias, os privilégios e o paternalismo de um Judiciário arrogante

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários