Redação Pragmatismo
EUA 04/Oct/2017 às 14:56 COMENTÁRIOS

Guitarrista que apoiou liberação das armas a vida inteira muda de ideia após Las Vegas

"Fui a favor minha vida inteira, até o ataque desta noite. Eu não consigo expressar como eu estava errado". Guitarrista que se apresentou no festival de Las Vegas dá depoimento tocante e rebate argumento das pessoas que defendem porte de armas

guitarrista caleb Keeter  liberação de armas de fogo eua donald trump

O massacre em um festival de música country em Las Vegas, que deixou 59 mortos e mais de 500 feridos no último domingo (1), reascendeu o debate sobre o controle de armas nos Estados Unidos.

Um dos depoimentos mais tocantes sobre o assunto foi publicado ontem (2) pelo guitarrista Caleb Keeter, da banda country Josh Abbott. Keeter se apresentou no Route 91 Harvest Festival e disse que o massacre mudou sua visão sobre o controle de armas no país.

Fui a favor da Segunda Emenda minha vida inteira. Até os eventos desta noite“, declarou o guitarrista no Twitter. “Eu não consigo expressar como eu estava errado“, disse, acrescentando que até os membros da equipe tinham licença para carregar armas de fogo no ônibus em suas turnês.

Ele continua dizendo que as pessoas não devem portar armas com o argumento de que podem se defender do abuso policial, pois um pequeno grupo de pessoas, ou mesmo um homem, pode fazer diversas vítimas por apenas ter acesso a “uma insana montanha de armas de fogo.”

Escrever meu adeus para parentes e para o amor da minha vida, porque eu realmente achei que não conseguiria sobreviver aquela noite, foi o suficiente para perceber que isso está completamente e totalmente fora de controle. Nós precisamos do controle de armas AGORA.”

Ele e sua banda não foram vítimas do ataque, que é considerado o maior massacre por tiros da história moderna dos Estados Unidos.

O massacre

O atirador, Stephen Paddock, de 64 anos, disparou do 32º andar do Mandalay Bay Hotel and Casino no público do Route 91 Harvest Festival, festival que durou todo o fim de semana e reuniu 22 mil pessoas. Os disparos começaram durante a performance de Janson Aldean, um cantor de música country.

Após o acontecimento, diversos artistas, como Lady Gaga, KIm Kardashian e Ariana Grande, lamentaram o ocorrido e criticaram a livre circulação e porte de armas no país.


(“Orações são importantes, mas @SpeakerRyan @realDonaldTrump o sangue está nas mãos de todos que têm o poder de legislar.“)

O atirador Paddock, por exemplo, conseguiu se hospedar no hotel portando mais de 10 rifles na última quarta-feira (27), com os quais cometeria o crime. Isso não levantou suspeitas porque, como na maioria dos Estados americanas, é permitido por lei carregar armas de cano longo em Nevada.

Não é necessário, inclusive, qualquer autorização para portar esse tipo de arma, o que permite que pessoas andem nas ruas de Las Vegas portando um fuzil ou espingarda.

Trump

Apesar de os protestos ganharem força com a hashtag #guncontrol, o presidente dos EUA, Donald Trump, acha que ainda é “prematuro” falar sobre o assunto.

Trump chegou a tuitar sobre o massacre. Ele lamentou a tragédia e elogiou os policiais e hospitais, mas não fez nenhuma menção ao porte de armas. Na coletiva de imprensa da Casa Branca de ontem (2), Trump disse que não é o momento para discutir uma reforma de armamento.

Há um tempo e um lugar para um debate político, mas agora é o momento de nos unirmos como país“, disse o porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders.

Luiza Belloni, HuffPost

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários