Redação Pragmatismo
Política 31/Mai/2017 às 15:04 COMENTÁRIOS
Política

Roberto Freire dá chilique ao ter fala rebatida por Jean Wyllys no ParlaSul

Publicado em 31 Mai, 2017 às 15h04

Deputados brasileiros protagonizaram tumulto no Parlamento do Mercosul, no Uruguai. Roberto Freire, ex-ministro de Temer, não aceitou ser contraditado por Jean Wyllys e baixou o nível

Jean Wyllys Roberto Freire Parlasul Mercosul Uruguai
Jean Wyllys e Roberto Freire (Imagem: Pragmatismo Político)

Fábio Goís, Congresso em Foco

Os deputados Jean Wyllys (Psol-RJ) e Roberto Freire (PPS-SP), agora ex-ministro da Cultura no governo Temer, desentenderam-se nesta segunda-feira (29) em uma sessão de debates no plenário do Parlamento do Mercosul, o Parlasul, em Montevidéu (Uruguai). Na ocasião, parlamentares da base aliada a Temer também se estranharam com Jean, um dos principais críticos do governo na Câmara. Com direito a gritos e troca de acusações (“Vai ficar mentindo aqui, rapaz?”, diz um dos governistas), o entrevero aconteceu quando os parlamentares discutiam a votação de um requerimento para analisar com urgência a situação política no Brasil e na Venezuela, país visto por entidades internacionais como antidemocrático.

Apoiador do impeachment de Dilma Rousseff, Roberto Freire fez uma intervenção dizendo que o Brasil vive em democracia plena e, nesse sentido, o Parlasul discutisse apenas o panorama político na Venezuela. Contrariado, o deputado do PPS alegou que no Brasil “não há presos políticos”, mas sim, “políticos presos”, ao contrário da Venezuela.

Na Venezuela, tem presos políticos e uma ditadura que está matando venezuelanos. Há uma discussão no mundo, e não apenas na Venezuela, sobre o caminho que a democracia venezuelana tem pela frente – alguns admitindo que não existe caminho à frente”, diz Freire, para quem oposicionistas brasileiros agem com “má fé” em relação ao governo. A fala do deputado está no começo do vídeo abaixo.

Veja:

Já na fala de Freire é possível escutar um ou outra voz se levantando contra o discursante. Ao pedir a palavra, Jean acusa a gestão Temer de agir antidemocraticamente, chama o presidente de “corrupto” e diz que o Executivo comete excessos ao determina o uso da força contra quem vai às ruas contra o governo. Como exemplo, Wyllys cita o caso do estudante violentamente golpeado com um cassetete de um policial militar em Goiânia.

No Brasil, o atual presidente, acusado de corrupção – e flagrado, praticamente, em corrupção – e sustentado no Parlamento por uma maioria de pessoas que respondem a processos na Justiça, são reprovados pela população. Têm rejeição de 90% da população. E a população está nas ruas para manifestar seu descontentamento com o sistema político corrompido e com o presidente corrupto. E a resposta que se tem dado a essas manifestações é a repressão policial dura contra manifestantes. Nós temos um estudante lá que sofreu uma agressão dura da polícia e ficou em coma”, diz Jean, referindo-se Mateus Ferreira da Silva, que de fato enfrentou perigo de morte depois da agressão.

Ei, ei, ei! Vai ficar mentindo aqui, rapaz?! Não é verdade!”, vocifera um dos deputados governistas, dando início à reação dos aliados de Temer. “Não é verdade. Isso é provocação!”, diz um dos membros da base. “Deixe de ser mentiroso!”, emenda outro.

É verdade, sim! E eles [governistas] tentam esconder!”, rebate Jean, diante do constrangimento de parlamentares da Argentina, no Paraguai e do Uruguai.

Como mostra o vídeo, não só o deputado Roberto Freire interrompe a intervenção de Jean Wyllys. Também o deputado Rubens Bueno (PPS-PR) contestou a fala do colega fluminense. No comando dos trabalhos, o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) tenta conter os ânimos, sem muito sucesso. “Isso é apenas um ensaio geral do que vai ser o debate no momento apropriado”, diz Chinaglia, com os microfones do auditório já desligados, à exceção dos da mesa diretora, enquanto Jean Wyllys, Roberto Freire e Rubens Bueno continuam a trocar acusações, dedo em riste.

Nas redes

Horas depois, o próprio Jean Wyllys publicou o vídeo em seu perfil oficial no Facebook e fez um longo desabafo.

No Brasil tem presos políticos sim. Não é só quando um deputado é preso que podemos dizer que há presos políticos. Um político preso pode ser, às vezes (mas nem sempre!), um preso político, mas nem todo preso político é um político preso. Rafael Braga não é um preso político? Os manifestantes que a polícia prende depois de jogar gases lacrimogêneos e dar porrada em todo o mundo não são presos políticos? E os indígenas, os sem terra, os sem teto? No Brasil tem repressão violenta sim, e MUITO violenta”, escreveu o deputado.

Nem Roberto Freire nem Rubens Bueno se manifestaram sobre o episódio, ao menos por meio de redes sociais.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendações

Comentários