Redação Pragmatismo
Juristas 16/Dec/2016 às 12:14 COMENTÁRIOS

Promotor que investigava caso do helicóptero da cocaína é afastado

Promotor que investigava caso do helicóptero apreendido com 445 quilos de pasta base de cocaína é afastado. Eduardo Nepomuceno também investigava denúncias contra o governo de Aécio Neves/Antonio Anastasia e sua relação com o senador Zezé Perrella

promotor afastado helicóptero cocaína perrella aécio anastasia
Promotor Eduardo Nepomuceno de Sousa e caso do helicóptero da família Perrella encontrado com 445kg de pasta base de cocaína (Imagem: Pragmatismo Político)

Joaquim de Carvalho, DCM

O Conselho Nacional do Ministério Público decidiu afastar da Defesa do Patrimônio Público de Minas Gerais o promotor Eduardo Nepomuceno, que investigava denúncias de desmandos no governo de Aécio Neves/Antonio Anastasia e sua relação com o senador Zezé Perrella, dono do helicóptero apreendido com 445 quilos de pasta base de cocaína no Estado do Espírito Santo, em novembro de 2014.

Sem poder para investigar o tráfico no Estado vizinho, Nepomuceno comandou inquérito civil público que revelou desvio de finalidade no uso do helicóptero pelo filho do senador, Gustavo Perrella, que era deputado estadual e cobrava da Assembleia Legislativa de Minas Gerais o pagamento pelo combustível da aeronave.

Além disso, o piloto do helicóptero, preso em flagrante por transportar a droga — e seis meses depois solto –, ocupava cargo de confiança na Assembleia por indicação do deputado Gustavo.

O promotor também descobriu que o voo do helicóptero com a cocaína não foi o único sem relação direta com o mandato parlamentar. O helicóptero transportava celebridades e amigos do deputado e do pai, Zezé Perrella, com combustível pago pela Assembleia.

O promotor também descobriu que o pai de Gustavo, que foi deputado estadual, tinha um avião particular e cobrava da Assembleia o combustível usado para seus deslocamentos sem relação com o mandato parlamentar.

Na lista de voos juntada ao processo, há voos para o Rio de Janeiro e Salvador, durante feriados, inclusive de Carnaval. Por conta deste inquérito, o promotor pediu a devolução de dinheiro ao Estado de Minas Gerais.

Antes mesmo da apreensão do helicóptero com a cocaína, o promotor Nepomuceno já tinha investigado os negócios de Zezé Perrela e da família com o governo de Aécio Neves e de Antonio Anastasia e obtido o bloqueio de bens em razão de indícios de superfaturamento e fraude em licitação.

Saiba mais:
Caso do helicóptero da cocaína completa 3 anos e ninguém está preso
“Candidato de Lindsay Lohan tem helicóptero cheio de cocaína”, diz site americano
Tráfico de cocaína, familiares de Aécio e o aeroporto de Cláudio-MG
Piloto do “helicóptero do pó” diz que tem medo de morrer
Dono do helicóptero do pó ganhou 3 contratos sem licitação de Aécio Neves
Aécio e Alckmin são ligados a dono do helicóptero da cocaína
Manifestantes realizam ‘farinhaço’ em protesto contra ‘helicóptero do pó’
A história dos 450 kg de cocaína ‘virou pó’ na grande mídia
O poder da “República do Pó”

As empresas dos Perrellas forneciam comida a presos, era dona dos restaurantes na Cidade Administrativa, sede do governo de Minas, e participou de programa de combate à fome.

Uma das razões que levaram ao afastamento do promotor Eduardo Nepomuceno foi um discurso de Zezé Perrella na tribuna do Senado, depois do Helicoca, em que acusou o promotor Nepomuceno de perseguição.

O promotor Nepomuceno foi investigado pela corregedoria do Ministério Público de Minas Gerais e depois por uma comissão de promotores de fora do Estado. Na investigação, o promotor recebeu elogios de colegas e ficou comprovado que trabalhava acima da média, ao contrário dos que diziam seus acusadores.

Mesmo assim, com o desdobramento do processo, o Conselho Nacional do Ministério Público decidiu, por 14 votos a zero, que ele deve ser transferido para outra promotoria da Comarca de Belo Horizonte e não atuar mais na Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do Estado de Minas Gerais.

Procurei o promotor Eduardo Nepomuceno, mas ele não atendeu. Ao se defender no processo do Conselho Nacional do Ministério Público, ele disse que apenas fez o seu trabalho e atribui as denúncias contra ele a uma tentativa de “retaliação”.

Leia também:
Por que escândalos de corrupção envolvendo tucanos não avançam na Justiça?
Por R$ 56 mil, Ayres Britto disse que aeroporto de Aécio era legal
Cláudio silencia sobre aeroporto de Aécio
“Aeroporto de Aécio é só a ponta do iceberg”
Aécio, o aeroporto e os esclarecimentos pendentes
“Experimentei maconha, mas não recomendo”, diz Aécio Neves
Vídeo de Aécio Neves bêbado se espalha na internet

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendados para você

Comentários