Delmar Bertuol
Colaborador(a)
Saúde 15/Abr/2020 às 09:00 COMENTÁRIOS
Saúde

Pelos nossos velhos, isolamento social

Delmar Bertuol Delmar Bertuol
Publicado em 15 Abr, 2020 às 09h00

Passaremos por momentos difíceis, é certo. Porém, óbvio, precisamos estarmos vivos pra isso. E precisaremos dos nossos entes, para que a estrutura e organização social não sejam afetadas.

pelos velhos idosos isolamento social quarentena coronavírus
Imagem: TheConversation

Delmar Bertuol*, Pragmatismo Político

Eu sempre disse: gosto dos velhos. De certa forma, eles volvem à infância, em alguns momentos. São teimosos e dispensam a mensura de palavras. Falam o que pensam.

E é principalmente por eles que estamos neste isolamento social. Talvez seja um pouco de imprudência de minha parte, mas não estou temeroso com o tal covid-19. Embora eu não tenha histórico de atleta, não tenho doença crônica, não sou fumante ou bebedor contumaz de álcool. Tenho uma vida relativamente saudável, acho. Temo, isto sim, pegar o vírus e transmitir a alguém que possa ter complicações. Pior ainda é eu ser um assintomático que contraí, transmiti, me curei e nunca soube disso. É outra característica agravante da doença. Se pode pegar e já ter infectado e estar curado e nem saber. Evidente que se soubesse de diagnóstico positivo as medidas restritivas seriam ainda mais intensas.

Mas é com os velhos minha preocupação. Temo sobretudo pela minha mãe, uma senhora com quase setenta e que, depois da teimosia inicial (talvez típica da idade), parece ter se conscientizado e está em casa, dançando com as almofadas. Mas há as mães, pais e avós dos outros também.

Minha filha tem avós por parte de mãe. São importantes na formação dela. E ela, por sua vez, os adora. Não quero que ela fique sem eles.

Tenho algumas colegas com mais de sessenta. Talvez devido às suas características da idade, são umas das que mais me dou bem. Só o que falta, a Reforma da Previdência as obrigou a permanecer, daí vem uma epidemia a nos separar.

E meus amigos idosos de copo? Velhos amigos do só-uma-depois-do-trabalho. Os bares estão fechados. Não sei onde eles estão jogando canastra e tomando biter, enquanto reclamam das últimas da política. Mas faço votos que estejam bem, falando dos filhos enquanto, distraídos, botam fora um coringa.

Leia aqui todos os textos de Delmar Bertuol

E minha vizinha? Senhora dos seus quase oitenta. A primeira pessoa que dou bom-dia e comento do tempo. Não quero que ela falte. Quem vai pegar o jornal no pátio quando eu viajar?

Há um grupo de pessoas muito preocupado com os problemas econômicos que advirão do isolamento social. Na verdade, já há problemas em diversos setores. É justa, portanto, a preocupação.

Mas economia se melhora com trabalho. Passaremos por momentos difíceis, é certo. Porém, óbvio, precisamos estarmos vivos pra isso. E precisaremos dos nossos entes, para que a estrutura e organização social não seja afetado.
De minha parte e em todos os campos da minha vida, preciso deles, dos velhos. Eles definitivamente fazem parte da minha vida. Por eles sobretudo estou em casa.

Leia também:
A pandemia do coronavírus no Brasil não é democrática
A desinformação como munição para a guerra atual
Brasil é o 7º país com mais mortes pelo coronavírus nas últimas 24 horas

*Delmar Bertuol é professor de história da rede municipal e estadual, escritor, autor de “Transbordo, Reminiscências da tua gestação, filha”

Acompanhe Pragmatismo Político no InstagramTwitter e no Facebook

Recomendações

COMENTÁRIOS