Redação Pragmatismo
Notícias 01/Nov/2019 às 16:10 COMENTÁRIOS
Notícias

Após ser desmascarada, promotora Carmem Eliza se recusa a deixar caso Marielle Franco

Publicado em 01 Nov, 2019 às 16h10

Em reunião tensa, Carmen Eliza se recusa a largar o caso Marielle Franco. Comando do MP-RJ dava o afastamento da promotora como certo. Ela também é responsável por arquivar o caso Amarildo e usa o termo "esquerdopatas" para classificar os críticos do atual governo

promotora carmen eliza
A promotora Carmen Eliza, fã de Jair Bolsonaro

A cúpula do Ministério Público do RJ (MPRJ) se reuniu nesta quinta-feira (31) para decidir sobre um possível afastamento da promotora Carmen Eliza Bastos de Carvalho das investigações sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco.

A promotora é fã declarada de Jair Bolsonaro (PSL) e já posou ao lado do deputado que tripudiou da morte de Marielle. A reunião teve momentos tensos. O afastamento de Carmen Eliza era dado como certo, mas a promotora se recusou a sair do caso.

A promotora foi uma das três do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) que participaram de uma entrevista coletiva sobre o caso na quarta-feira (30).

Na ocasião, Carmen Eliza, Letícia Emile e Simone Sibilio se apressaram para afirmar que o depoimento de um porteiro sobre o que aconteceu horas antes do atentado contra Marielle não condiz com as provas reunidas pelo MPRJ. Especialistas, no entanto, apontam lacunas na perícia.

Promotora é suspeita

Antonio Rodrigo Machado, professor do Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP), diz que a foto ao lado do deputado Rodrigo Amorim (PSL) é mais grave do que o apoio a Bolsonaro.

“Não se pode permitir que alguém que tem relacionamento com uma pessoa que desrespeitou a vítima cuide da elucidação do crime. Temos algo mais grave. Se for comprovado que existe relação pessoal entre eles, passamos a ter uma situação muito mais grave, que coloca em xeque a credibilidade do Ministério Público do Rio de Janeiro”, diz o professor.

Esquerdopatas

Durante a campanha, Carmen Eliza postou em suas redes sociais fotos e mensagens de apoio a Jair. Em uma delas, a promotora posou com uma camisa onde se lê “Bolsonaro Presidente”.

Em outra postagem, de 1º de janeiro, ela fotografou a cerimônia de posse do presidente e escreveu, como legenda: “Há anos que eu não me sinto tão emocionada. Essa posse entra naquela lista de conquistas, como se fosse uma vitória.”

Carmen também reproduziu uma imagem de texto que incluía: “O Brasil venceu!!! 57,7 milhões! Libertos do cativeiro esquerdopata”, em referência à votação de Bolsonaro no segundo turno.

Caso Amarildo

A promotora Carmen Eliza tem também no currículo o pedido de arquivamento da ação contra policiais acusados de sumir com o pedreiro Amarildo Dias de Souza – desaparecido da favela da Rocinha em julho de 2013.

No primeiro processo, a Justiça concluiu que Amarildo foi torturado e morto por 13 PMs que acabaram condenados. No entanto, em um segundo processo o caso acabou arquivado a pedido da própria promotora. Ela alegou que as “investigações não avançaram”.

Siga-nos no Instagram | Twitter | Facebook

Recomendações

Comentários