Redação Pragmatismo
Armas de Fogo 28/Out/2019 às 13:17 COMENTÁRIOS
Armas de Fogo

Deputado do PSL que expôs filha nas redes com legenda provocativa apaga a imagem

Publicado em 28 Out, 2019 às 13h17

Deputado do PSL volta atrás após expor a imagem da própria filha nas redes sociais acompanhada de uma legenda provocativa

deputado capitão assumção filha

O deputado estadual Capitão Assumção (PSL-ES) envolveu-se em nova polêmica nas redes sociais. Ele publicou uma foto de sua filha de 10 anos segurando uma arma em um estande de tiro, para ilustrar, segundo ele, “o verdadeiro empoderamento”.

Ao ser advertido por uma internauta de que o ato infringe o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e que estaria, portanto, cometendo um crime, o deputado provocou: “me prende, feminazi”. Na noite desta sexta-feira, por volta das 20h, ele apagou o post. As informações são do jornal Extra.

“Ensinando às nossas filhas o verdadeiro empoderamento! NUNCA SERÁ FEMINAZI! #bolsonaro #brasil #direita #bolsonaropresidente #jairbolsonaro #sergiomoro #psl #politica #bolsomito #mulalivre #jairmessiasbolsonaro #direitaconservadora #globolixo #conservadorismo #PMES #elesim #moro #forapt #conservador #ptnuncamais #eduardobolsonaro #lavajato #mito #melhorjairseacostumando #carlosbolsonaro #brasilacimadetudo #flaviobolsonaro #lulanacadeia #capitaoassumcao”, escreveu na legenda.

A internauta comentou: “crime!”. Primeiramente, ele respondeu: “está escrito aonde (sic)?”. A mulher, então, reproduziu o artigo 242 da lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que estebeleceu o ECA.

De acordo com a lei, “vender, fornecer ainda que gratuitamente ou entregar, de qualquer forma, a criança ou adolescente arma, munição ou explosivo” prevê a pena de três a seis anos de reclusão.

Foi aí que Assumção retrucou: “me prende”. Em seguida, chamou a internauta de “feminazi”, palavra pejorativa utilizada para ofender feministas. A mulher, então, limitou-se a responder: “apenas sei ler”.

Em seu perfil nas redes sociais, Assumção se define como “deputado estadual, conservador, bolsonarista, capitalista, heterossexual, casado, pró-vida, anti-drogas, anti-comunista, legítima defesa e Maranata”.

No mês passado, em discurso na Assembleia Legislativa do Espírito Santo (Ales), ele ofereceu R$ 10 mil a quem matasse um suspeito de feminicídio. Após a repercussão, ele disse que só se arrependia de não ter mais dinheiro a oferecer.

Repercussão

O Sindicato dos Advogados do Espírito Santo emitiu uma nota de repúdio à publicação do deputado. O órgão solicitou que o Ministério Público e as autoridades de proteção e defesa da criança e do adolescente “tomem as medidas necessárias”.

A divulgação da imagem da filha menor de idade com a arma nas mãos dividiu até mesmo os seguidores do deputado, embora a maioria tenha aprovado sua atitude.

“Assim, é uma arma, né, Capitão. [Para] Uma criança acredito que não é viável mostrar ainda tais coisas. Acredito que melhor começar com autodefesa. Mas o senhor que sabe da sua menina. Mostraria primeiro aos meninos (as) a arte da persuasão, argumentação, autodefesa quando necessária e lá pelo 13 a 14 anos adentraria nas armas de fogo e brancas. De qualquer forma lhe admiro. Forte abraço”, escreveu um seguidor. O deputado respondeu: “Estamos juntos!”

“Muito bom! Aqui em casa minha pequena de dez anos já sabe até desmontagem de primeiro escalão! Haha”, disse outro. “Isso aí, Capitão, nada de feminismo na família, feminismo é doença!”, afirmou um terceiro.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários