Redação Pragmatismo
Direita 12/Set/2019 às 09:48 COMENTÁRIOS
Direita

Bolsonarista administrador de grupos de fake news estaria arrependido

Publicado em 12 Set, 2019 às 09h48

Administrador de 100 grupos de WhatsApp que disseminavam informações falsas para favorecer Jair Bolsonaro parece estar arrependido: “Nem com o PT a Lava Jato esteve tão ameaçada”

nacli bastos bolsonaro arrependido
Nacli Bastos (reprodução)

“O senador Flávio Bolsonaro desde que foi pego no caso Queiroz ao invés de usar o lema tão defendido pelo seu pai ‘conhecereis a verdade e ela vos libertará’ tem feito exatamente o contrário. Isso para nós, que lutamos tanto em defesa da Lava Jato e a favor de uma limpeza no país, já serve como prova de culpa. Já diz o ditado: ‘Quem não deve não teme’.”

A declaração acima foi dada ao jornal El País nesta quarta-feira (11) pelo empreendedor Carlos Henrique Nacli Bastos, responsável pela administração de cerca de 100 grupos de WhatsApp pró-Bolsonaro durante a campanha presidencial de 2018. Cerca de 10 mil pessoas recebiam as mensagens diretamente em seus celulares e depois multiplicavam o conteúdo durante a eleição.

Jair Bolsonaro está sentado na cadeira da Presidência da República há 9 meses e Nacli Bastos já tem duras críticas ao governo que ele ajudou a eleger.

“Enquanto ficamos deslumbrados, a turma que está no poder e não quer que a Lava Jato continue está trabalhando a mil nos bastidores para fazer com que as importantes conquistas sejam colocadas para debaixo do tapete. É com muita tristeza que digo que nem no Governo do PT a Lava Jato esteve tão ameaçada”, desabafa o rapaz.

Ao usar a expressão “importantes conquistas”, Nacli Bastos acabou realizando um elogio involuntário ao PT. Foi nas gestões petistas que se respeitou o primeiro colocado da lista tríplice do Ministério Público Federal para assumir a Procuradoria Geral da República (PGR). Além disso, a Polícia Federal nunca recebeu tantos investimentos como nos governos Lula e Dilma.

As investigações dos chamados ‘mensalão’ e ‘petrolão’ não seriam possíveis sem a autonomia do Ministério Público. Isto é, se o governo tivesse aparelhado a PGR com uma espécie de ‘engavetador’, como faz agora a gestão Bolsonaro. A Lava Jato, consequentemente, não teria existido.

Nacli Bastos costumava vestir a camisa amarela da CBF e pintar o rosto com as cores da bandeira nacional para ir às ruas gritar “MITO”. Hoje, pela primeira vez, um dos grupos administrados por ele no WhatsApp furou a bolha dos apoiadores e passou a criticar o governo. Os ataques focam no filho do presidente, Flávio Bolsonaro (PSL), que tem agido no Congresso para barrar a ‘CPI da Lava Toga’.

“O próprio Luciano Bivar, presidente nacional do PSL, já se posicionou contra a abertura da CPI. Isso demonstra que o partido do presidente não está em sintonia com o povo que sai nas ruas há tantos anos”, observa.

“Todos aqueles que tem rabo preso estão lutando como nunca para em nome da governabilidade abafar a Lava Jato. Nos próximos capítulos veremos se o povo vai acordar a tempo para não deixarmos a Lava Jato ir para o espaço. Sem a Lava Jato, Bolsonaro jamais teria sido eleito. E ele deve, na minha opinião, parar de perder tempo com a mídia e de falar besteiras nas redes sociais e se posicionar publicamente a favor da CPI”, finaliza.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários