Redação Pragmatismo
Educação 30/Aug/2019 às 13:29 COMENTÁRIOS

Ministro da Educação escreve duas vezes a palavra paralisação com 'z'

Abraham Weintraub, ministro da Educação, escreveu duas vezes a palavra paralisação usando a letra z em ofício endereçado ao ministro da Economia, Paulo Guedes

Abraham Weintraub paralisação z
O ministro Abraham Weintraub (Imagem: Sergio Lima/Poder 360)

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, escreveu duas vezes a palavra “paralisação” usando a letra “z” em ofício endereçado ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

No documento, Weintraub alerta que os recursos previstos para o ministério em 2020 são insuficientes para a prestação de serviços públicos, como a compra de livros escolares, e podem levar à interrupção das atividades em universidades públicas.

O ministro pediu aumento de R$ 9,8 bilhões em verbas previstas para as chamadas despesas discricionárias (aquelas que não são obrigatórias, como pagamento de servidores e aposentados). Com o incremento, os recursos previstos para esses gastos, que incluem o custeio de programas e investimentos, alcançariam R$ 26 bilhões.

“Com a redução de bolsistas de mestrado e doutorado, há paralização (sic) de pesquisas e risco de evasão de pesquisadores para atuação no exterior, comprometendo o desenvolvimento da ciência e tecnologia no país”, alerta o ministro na página 4 do ofício, de 15 de agosto deste ano.

“O referencial monetário apresentado ao MEC impossibilita a destinação de menos da metade do orçamento que as universidades e institutos possuem atualmente. Com isso, haverá a paralização (sic) de cursos, campi e possivelmente instituições inteiras, comprometendo a educação superior e a educação profissional e tecnológica (EPT)”, afirma o ministro na página 6.

O ministro mostrou preocupação com temas caros ao governo Bolsonaro, como ampliação do número de escolas cívico-militares. Ainda afirmou que há risco de “recepção desfavorável na sociedade em geral e na imprensa” se forem suspensas bolsas de estudo no País e exterior.

Em maio, o ministro da Educação protagonizou outra confusão que ganhou as redes sociais. Ao mencionar, no Senado, um caso de sanção administrativa que sofreu na na Unifesp, onde dava aulas de Economia, trocou o nome do escritor alemão Franz Kakfa, por Kafta, tradicional prato árabe.

Agência Estado

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários