Redação Pragmatismo
Barbárie 18/Jun/2019 às 21:59 COMENTÁRIOS

Empresário que arrastou vendedora de balões tem identidade revelada

Empresário chegou na delegacia dirigindo sua Mercedes avaliada em R$ 220 mil e disse que tudo não passou de uma "brincadeira". Mulher que estava no banco do passageiro também prestou depoimento. Vendedora de balões quase perdeu a vida no episódio

empresário William Wesley Lelis Vieira
O empresário William Wesley Lelis Vieira chegou na delegacia dirigindo o mesmo Mercedes-Benz branco da noite do crime (arquivo)

A Polícia Civil de Taguatinga (DF) divulgou a identidade do empresário que arrastou, em seu carro de luxo, uma idosa que vendia balões de gás hélio nos arredores de uma festa junina na noite do último sábado (15).

O nome do proprietário da Mercedes-Benz é William Wesley Lelis Vieira. Acompanhado do advogado, ele se apresentou à 12ª Delegacia de Polícia, na tarde desta terça-feira (18), dirigindo o automóvel avaliado em R$ 220 mil.

O empresário de 34 anos entrou pela porta dos fundos para não ser fotografado. No depoimento, William Wesley alegou que ele e uma amiga estavam saindo de uma festa quando viram a vendedora e resolveram comprar os balões.

Segundo o delegado Paulo Henrique de Almeida, que investiga o crime, o empresário disse que queria comprar três balões, que custariam R$ 30, “mas só tinha R$ 25, por isso fechou o vidro”.

“William Wesley disse que fez uma ‘brincadeira’ ao fechar o vidro e arrancar com o carro sem pagar os balões”, disse o delegado Paulo Henrique de Almeida.

A mulher que estava com o empresário também prestou depoimento e repetiu a mesma versão. Reforçou que tudo não passou de “uma brincadeira”. Ela tem 28 anos.

Os três balões foram puxados para dentro do carro pela mulher que sentava no banco do passageiro. Os produtos estavam amarrados aos outros, que por sua vez encontravam-se presos no braço da vendedora Marina Izidoro.

Quando o vidro da Mercedes foi fechado, a idosa acabou violentamente arrastada por cerca de 100 metros pelo asfalto. Ela teve ferimentos em todo o corpo e na região da cabeça.

O empresário explicou que foi ele quem sugeriu à amiga que puxasse os balões. Segundo a mulher, nenhum dos dois percebeu que a vendedora havia sido arrastada.

Leonaldo Correia de Brito, advogado do casal, informou que os clientes não se apresentaram antes porque estavam “apreensivos por conta da repercussão do caso”.

Relembre o caso

A idosa Marina Izidoro de Morais foi arrastada enquanto vendia balões nos arredores de uma festa junina de uma escola particular de elite em Taguatinga (DF).

A vendedora se negou a dar um produto de graça ao empresário William Wesley Lelis Vieira — ele queria comprar três balões pelo preço de dois.

A amiga de William Wesley, que estava no banco do passageiro da Mercedes, puxou as cordas com os balões enquanto o empresário fechou os vidros e arrancou com o carro em alta velocidade.

As cordas estavam presas no braço de Marina Izidoro e ela foi arrastada. “O que eu senti foi desespero. Foi uma cena horrível. Eles me arrastaram e a minha minha cabeça ficou presa entre as rodas do carro. Pensei que fosse morrer. Eu não desejo que nenhuma pessoa passe por isso, nunca. Desde domingo, quando acordei, toda hora que eu lembro, começo a chorar”, lamenta a idosa.

Marina trabalha há quatro anos vendendo balões e disse que jamais passou por situação semelhante. A idosa é diarista, passa roupas em casa de famílias e, aos fins de semana, vende balões para aumentar a renda.

VEJA TAMBÉM: Homem que executou morador de rua é empresário e colecionador de armas

Ao ser arrastada pelo carro, Marina perdeu a maior parte do dinheiro que adquiriu em mais de oito horas de trabalho na festa junina. Além disso, o casal chegou a levar alguns dos balões e, os que sobraram nas mãos da idosa, estouraram durante o crime.

Marina foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e encaminhada para o Hospital Regional de Taguatinga (HRT). Ela sofreu diversas escoriações pelo corpo. “Eles [o casal] não tiveram respeito nenhum por mim, pelo meu trabalho e pela minha vida. Eu só quero que eles sejam pegos e paguem pelo que fizeram comigo”.

O delegado Paulo Henrique Alves de Almeida disse que trabalha com a hipótese de até três crimes: Lesão corporal de trânsito, lesão corporal com a intensão de praticar um crime e tentativa de homicídio. A passageira que estava no carro deve responder como co-autora.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. chichano goncalvez Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Para que não mais aconteça, comecem a botar fogo na casa desses empresarios bandidos, com sua familia dentro é claro. Só com sangue podemos mudar qualquer coisa neste planeta.Os trabalhadores só serão escutados, quando ao lado do som das palavras vierem o sonido das balas.

  2. Carlos Moreira Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    Empresário!? O Fernandinho Beira Mar quando foi preso também se dizia empresário.

  3. Gi Scagriza Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    tem q linchar o casal...nada mais adianta...curra e lincha...vende o carro e da todo dinheiro pra tia!

  4. Max Müller Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    Parece que, no Brasil, já que a "justiça" que existe é a dos Dois Pesos, Duas Medidas, a que faz a corda arrebentar pelo lado mais fraco, a única lei que deve funcionar de fato, e fazer justiça real, é a Lei de Talião: Olho por Olho, Dente por Dente. Se os órgãos públicos só servem para segregar a população pobre, favorecendo sempre os ricos, então é o Povo mesmo quem tem que se levantar e fazer justiça, com as próprias mãos.

  5. Lia Souza Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    ''O nome do proprietário da Mercedes-Benz''? Analfabeto automobilístico? UUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUMMMMMMMMMMMMMMMMM Mercedes-Benz, UM BMW, UM Ferrari, UM VW, UM Volvo, UM Jaguar...

  6. Bruno Marques Postado em 05/Jul/2019 às 16:20

    bandido e a mina é cumplice, nao viu q tava arrastando a idosa? cadeia pros 2 bandidos, e tem q pagar os machucados e multa

  7. Edison Carleti Postado em 05/Jul/2019 às 16:21

    "Foi só uma brincadeira". Neste mundo difícil em que vivemos, precisamos de mais humor e diversão. E nesse quesito, o casal da Mercedes-Benz branca nos concedeu um momento saudável ao arrastar a velhinha vendedora de balões com seu possante importado. Sendo assim, devemos retribuir a esse bem humorado casal momentos bem divertidos. Para tal sugiro aplicar a eles as seguintes brincadeiras: 1) Passarem um ano numa cadeia superlotada, de preferência com presos oriundos da periferia onde vive a velhinha vendedora de balões. 2) A Mercedes Benz do casal será leiloada e todo o dinheiro arrecadado será investido numa loja de balões no shopping mais chique do DF, a qual será de propriedade da velhinha vendedora de balões. 3) Ao saír da cadeia, o simpático casal terá direito a continuar andando num novo Mercedes, inclusive com chofer. Trata-se daquele tipo de Mercedes muito comum nas cidades, os quais carregam 40 pessoas abarrotadas todos os dias. Ah! Para a brincadeira ficar ainda mais engraçadinha eles não poderão viajar sentados nesse Mercedes, sempre terão que ficar em pé no mínimo por duas horas. Terminada a sessão de humor negro, vale agora a reflexão de Cazuza: "A burguesia fede".