Redação Pragmatismo
Desenvolvimento Brasileiro 16/Abr/2019 às 19:00 COMENTÁRIOS
Desenvolvimento Brasileiro

Brasil regride a um cenário anterior aos anos 1930

Publicado em 16 Abr, 2019 às 19h00

Ao tirar do Estado o papel de promover o desenvolvimento, governo perpetua a mais grave crise do capitalismo brasileiro e o Brasil regride a um cenário anterior aos anos 1930

Brasil regride cenário anterior anos 1930 governo bolsonaro temer neoliberalismo
Jair Messias Bolsonaro (Imagem: Cleverson Oliveira SG | PR)

Marcio Pochmann, RBA

A economia nacional encontra-se diante de ciclo profundamente vicioso instalado a partir de 2015, com a mais grave crise do capitalismo brasileiro. Quatro anos depois, o Produto Interno Bruto (PIB) segue 5,1% inferior, sendo os investimentos menores em 23,4% e o consumo das famílias em 5,3%.

A reorientação imposta ao papel do Estado ajuda a entender a perversidade e a longevidade do ciclo vicioso na economia nacional. Isso porque um dos principais responsáveis pela acentuada baixa na Formação Bruta de Capital Fixo foi a brutal redução em 42,5% das despesas do governo federal com investimentos públicos, uma vez que a diminuição nas despesas de consumo na administração pública foi de 2%.

Assim, a economia persiste sem fontes de dinamismo, distante, portanto, de qualquer horizonte possível de recuperação no nível geral de atividades. Dos três grandes setores do sistema produtivo, somente o agropecuário fechou o ano de 2018 com nível de atividade 6,6% superior ao de 2014, enquanto o secundário situou-se 9,9% menor e o terciário em 3,6%.

A relação comercial com o exterior se mostrou positiva, embora a força das exportações tenha sido compensada pela queda nas importações. Entre os anos de 2014 e 2018, por exemplo, as importações decaíram 11,8% para a elevação de 15,5% nas exportações.

A situação geral desfavorável da economia nacional tem sido acompanhada por significativa regressão na estrutura produtiva nacional. Simultaneamente à sequência na queda relativa da presença da indústria na produção nacional, seguiu o processo de terciarização da produção estimulado intensamente pela força do inchamento nas atividades de serviços provocado por inúmeras estratégias de sobrevivência populacional que se reproduzem nas condições gerais de reprodução da pobreza.

Com isso, o país passou a substituir setores econômicos de maior expansão na produtividade pelos de rebaixados ganhos de produtividade. Considerando ainda a importante heterogeneidade instalada no interior do sistema produtivo, percebe-se o persistente aprofundamento nas diferenças de produtividade entre as firmas de excelência e as de contida produtividade, sobretudo no mesmo setor econômico.

Por consequência, evolui a troca regressiva dos melhores postos de trabalho, com mais alta remuneração por ocupações cada vez mais precarizadas. E, com isso, o rebaixamento das condições de vida e trabalho dos brasileiros.

Ademais da massificação do desemprego, a contaminação crescente da subutilização da força de trabalho numa economia estagnada. O resultado disso tem sido a ampliação no grau de polarização no interior do mercado de trabalho, com a queda acentuada dos postos de classe média assalariada e a difusão das ocupações precárias na base da pirâmide social.

Em paralelo, o avanço das posições de alta e média renda não assalariadas associada à proliferação de ocupações por conta própria, autônoma e consultores. Todas cada vez mais distantes do sistema de proteção social e trabalhista, bem como contribuintes do sistema público de aposentadoria e pensão.

A tendência da especialização produtiva segue cada vez mais forte. Dessa forma, a concentração na produção e exportação de bens primários (agronegócio), enquanto o país torna-se dependente das importações de produtos manufaturados. Exemplo disso ocorreu em 2018, quando o nível de produção estava 5,1% menor e a produção industrial quase 10% abaixo do ano de 2014, ao passo que o saldo comercial de produtos manufaturados foi 12,7% superior, o maior já registrado, diga-se de passagem, desde o ano 2000.

Em síntese, o Brasil regride rapidamente ao passado longínquo da República Velha (1889-1930), quando o padrão de consumo do “andar de cima” da sociedade encontrava-se totalmente descolado da estrutura produtiva do país, dependente da importação de mercadorias tecnologicamente avançadas a serem financiadas pela exportação de matérias primas animais e vegetais.

Para a parte restante da população restaria o regime da quase servidão e o subconsumo no mercado interno subutilizado, conforme parece ter sido impulsionado inicialmente por Temer e agora intensamente pelo governo Bolsonaro.

Leia também:
A economia vai voltar a crescer com a aprovação da reforma da Previdência?
Governo Bolsonaro propõe salário mínimo sem ganho real para 2020
“Brasileiros não passam fome porque têm mangas para chupar”, diz ministra
Como a Reforma da Previdência pode fazer explodir a desigualdade
Mulheres brasileiras retornam à miséria após cortes em programas sociais

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários

  1. Roberto Pedroso Postado em 06/Jul/2019 às 00:44

    Mas este é o ideal seguido por este desgoverno!implementar uma agenda de desmonte do estado estabelecer cortes na educação e áreas sociais,entregar as empresas brasileiras estatais(pouco importando se as mesmas dão lucro ou não,se as mesma são importantes para áreas estratégicas de nossa economia ou não,independentemente se as mesmas prestam um serviço com grande reflexo social ou não)o que importa para esse desgoverno é entregar nossas riquezas desmontar o estado e acabar com as conquistas sociais e interromper os avanços conseguidos ao ongo dos anos o projeto é entregar o pais aos interesse dos capital financeiro privado e acabar com toda e qualquer forma de avanço social diminuindo direitos precarizando assim a situação de vida dos trabalhadores assalariados beneficiando assim os grandes empresários que gastarão no futuro muito pouco com a mão de obra barateando assim só custos de qualquer produção pois dentro em breve o trabalhador será lançado em um cenário/situação onde ou o trabalhador aceita se submeter a um regime escorchante de trabalho ou simplesmente ficará sem emprego e meios para prover seu próprio sustento! o trabalhador dentro em breve terá que se submeter a executar trabalhos/funções por pouco mais que um prato de comida!afinal em compto geral é disso que se trata a retorica perniciosa na qual se professa : ''Trabalhador terá de escolher entre mais direitos ou emprego'',esse tipo de ideário na verdade está a serviço de quem detêm o poder econômico e que por natureza se trata de um ideal anti-povo, anti-trabalhista de total subserviência aos interesses daqueles que detesta a classe trabalhadora,este desgoverno representa em termos de conceito e de ideal a defesa unica e exclusivamente dos privilégios dos mais ricos,daqueles que já são historicamente privilegiados sendo um governo estruturado sobre o objetivo/fim de ataque a classe trabalhadora, as mulheres e as minorias para assim se opor a toda e qualquer forma ou ideal que represente algum tipo de avanço social no sentido de se construir uma sociedade mais justa!nós avisamos! quando os eleitores pobres estiverem enfim sem direito a mais nada se vendo obrigados a se estropiarem em serviços/tarefas sem as minimas garantias em troca de praticamente um prato de comida ao dia não adiantará reclamar!!!! afinal não foi por falta de aviso!