Redação Pragmatismo
Rio de Janeiro 15/Mar/2019 às 15:37 COMENTÁRIOS
Rio de Janeiro

Ronnie Lessa recebeu R$ 100 mil após matar Marielle, mostra relatório

Publicado em 15 Mar, 2019 às 15h37

O policial Ronnie Lessa teve R$ 100 mil depositados em sua conta alguns meses depois do assassinato de Marielle Franco. Lessa é apontado pelos investigadores como o autor dos disparos, enquanto Élcio Queiroz dirigia o veículo do crime

Ronnie Lessa Queiroz Marielle Franco
Ronnie Lessa e Elcio Queiroz, apontados como os assassinos de Marielle Franco

Um relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) apontou um depósito de R$ 100 mil, em dinheiro, na conta de Ronnie Lessa — o policial reformado acusado de ter efetuado os disparos que mataram a vereadora Marielle Franco (PSOL) e o motorista Anderson Gomes. O depósito foi feito na conta do homem em outubro do ano passado, sete meses depois do crime.

O Ministério Público citou esse relatório em um pedido de bloqueio dos bens de Lessa e do ex-PM Élcio Queiroz, também preso. O MP pediu o bloqueio para garantir a indenização por danos morais e materiais às famílias da vereadora e do motorista.

O relatório do Coaf cita ainda bens materiais de Ronnie Lessa, como uma lancha, um veículo blindado avaliado em cerca de R$ 150 mil e uma casa no condomínio Vivendas da Barra, na zona oeste, onde imóveis estão avaliados entre R$ 1,5 milhão e R$ 4,5 milhões — os bens seriam incompatíveis com a renda de um PM reformado (uma aposentadoria líquida de R$ 7.463,86).

Ronnie Lessa e Élcio Queiroz foram presos na última terça-feira (12) no Rio de Janeiro. Os dois tiveram acesso a informações privilegiadas e estavam fugindo no momento em que foram detidos, às 4h30 da madrugada. Lessa estava saindo de sua casa, enquanto Queiroz já encontrava-se na esquina da rua onde morava.

Filho de Bolsonaro

Ronnie Lessa é vizinho do presidente Jair Bolsonaro em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca e foi exatamente lá que a polícia o prendeu.

Ao ser questionado na entrevista coletiva sobre essa ‘coincidência’, o delegado Giniton Lages afirmou que a informação não era “relevante neste momento das investigações” e que não havia relação direta entre Lessa e a família Bolsonaro.

Ainda na coletiva de imprensa, um jornalista insistiu no tema e confrontou o delegado com uma informação que, certamente, não seria revelada ao público e deixou Giniton Lages atônito. “E o filho mais novo do Bolsonaro, ele namora a filha de Ronnie Lessa?”.

Giniton Lages mostrou-se desconfortável e foi obrigado a admitir: “Bom, isso [o namoro] tem. Isso, tem. Mas para nós isso não importou na motivação delitiva e será enfrentado no momento oportuno”, respondeu.

No dia seguinte, o jornal O Globo informou que o delegado Giniton Lages seria afastado do caso Marielle Franco. A informação foi confirmada horas mais tarde pelo governador Wilson Witzel (PSC). O motivo oficial é que ele já “teria cumprido a sua missão”.

com informações da agência estado

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários