Redação Pragmatismo
Economia 26/Feb/2019 às 14:27 COMENTÁRIOS

Reforma da Previdência corta abono do PIS/Pasep de 23 milhões de trabalhadores

Reforma da Previdência corta abono PIS/Pasep trabalhadores
(Imagem: José Cruz | ABr)

RBA

As mudanças pretendidas pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) nas aposentadorias dos trabalhadores, reunidas na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/2019, trazem outros prejuízos aos trabalhadores de baixa renda. Apresentado na semana passada ao Congresso, o projeto de “reforma” da Previdência, vai restringir o pagamento do abono salarial, benefício destinado aos trabalhares que têm carteira assinada e baixa renda.

Hoje esse benefício – originário do PIS/Pasep – é pago anualmente aos trabalhadores que recebem até dois salários mínimos por mês. Mas pela proposta será pago somente a quem ganha até um salário mínimo.

O resultado será que 23,4 milhões de trabalhadores devem perder o benefício anual, correspondente ao valor de um salário mínimo, atualmente em R$ 998. Em outras palavras, ao promover essa mudança, o governo elimina o abono para 91,5% do total de pessoas que podem recebê-lo.

Essas informações foram apresentadas hoje pela economista e especialista em dívida pública Maria Lúcia Fattorelli, ao participar de debate sobre o tema na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

O seminário versou também sobre reforma administrativa e a renegociação da dívida dos estados. Maria Lúcia comentou sobre a relação entre as mudanças que o governo pretende na Previdência, sem tocar no sistema da dívida do país, que usa dinheiro público para alimentar os mecanismos de remuneração da dívida, com as taxas de juros reais mais altas do mundo.

Saiba mais:
Reforma da Previdência de Bolsonaro atinge os mais vulneráveis
Reforma da Previdência: pensionistas poderão receber menos que 1 salário mínimo
Bolsonaro, aposentado aos 33 anos, não tem autoridade para mexer na Previdência

Em sua exposição, Maria Lúcia também mostrou que a PEC prevê a segregação contábil do orçamento da seguridade social nas ações de saúde, previdência e assistência social, preservado o caráter contributivo da previdência social.

Ou seja, isto pode legalizar a fabricação do déficit da Previdência, omitindo-se as receitas da seguridade social”, afirmou.

Confira a palestra de apresentação do Seminário sobre as reformas.

Leia também:
O desafio de um pedreiro ao presidente da Câmara
Sergio Moro, Jair Bolsonaro e o fenômeno das convicções perdidas

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários