Redação Pragmatismo
Lula 08/Fev/2019 às 13:23 COMENTÁRIOS
Lula

O depoimento que Gabriela Hardt ignorou para condenar Lula

Publicado em 08 Fev, 2019 às 13h23

Um dos depoimentos mais relevantes ignorados pela juíza Gabriela Hardt para condenar Lula pode ser assistido no vídeo a seguir. Trata-se do interrogatório de Fernando Bittar, verdadeiro dono do sítio em Atibaia

A juíza Gabriela Hardt
A juíza Gabriela Hardt

A nova condenação do ex-presidente Lula na Operação Lava Jato é “absurda”. É com essa síntese que a defesa do petista comunica que recorrerá da pena de 12 anos e 11 meses de prisão imposta pela juíza Gabriela Hardt, substituta do agora ministro Sérgio Moro, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia. Para a defesa, “provas de inocência” foram ignoradas durante o processo.

“A decisão desconsiderou as provas de inocência apresentadas pela Defesa de Lula nas 1.643 páginas das alegações finais protocoladas há menos de um mês (07/01/2019) – com exaustivo exame dos 101 depoimentos prestados no curso da ação penal, laudos técnicos e documentos anexados aos autos”, diz o advogado Cristiano Zanin.

O advogado aponta ainda um lapso transcrito nos autos pelo juízo de Curitiba. “Chega-se ao ponto de a sentença rebater genericamente a argumentação da defesa de Lula fazendo referência a ‘depoimentos prestados por colaboradores e co-réus Leo Pinheiro e José Adelmário’ (p. 114), como se fossem pessoas diferentes, o que evidencia o distanciamento dos fundamentos apresentados na sentença da realidade”, acrescenta.

Para Marco Aurélio de Carvalho, da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, a sentença que condenou Lula pelo caso do sítio de Atibaia “ignorou circunstâncias básicas que seguramente poderiam levar à absolvição”.

Um dos depoimentos mais relevantes ignorados pela juíza Gabriela Hardt para condenar Lula pode ser assistido no vídeo a seguir. Trata-se do interrogatório de Fernando Bittar, verdadeiro dono do sítio em Atibaia:

Gabriela Hardt

Com família formada em Indaial, em Santa Catarina, a genealogia remonta à elite política do município: seu bisavô, Frederico Hardt, foi o primeiro prefeito, pela Aliança Liberal, entre os anos de 1934 e 1941; Alfredo Hardt foi prefeito entre 1961 e 1966; e o tio, Frederico João Hardt, foi prefeito entre 1993 e 1996, pelo MDB.

Nos anos 1920, seu bisavô iniciou a construção da Firma Frederico Hardt, que começou na condição fábrica de laticínios pioneira na região. Nos anos 1940, expandiu o mercado para comercialização de outros gêneros alimentícios, ferragens, louças, tecidos, e confecções.

Desde os anos 1970, a família é dona da Hardt Confecções e das Lojas Hardt, uma rede de lojas de departamento, com mais de 150 trabalhadores, também espalhadas em Timbó e Blumenau, municípios de Santa Catarina.

Saiba mais sobre a segunda condenação de Lula AQUI.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários