Redação Pragmatismo
Lula 08/Feb/2019 às 13:23 COMENTÁRIOS

O depoimento que Gabriela Hardt ignorou para condenar Lula

Um dos depoimentos mais relevantes ignorados pela juíza Gabriela Hardt para condenar Lula pode ser assistido no vídeo a seguir. Trata-se do interrogatório de Fernando Bittar, verdadeiro dono do sítio em Atibaia

A juíza Gabriela Hardt
A juíza Gabriela Hardt

A nova condenação do ex-presidente Lula na Operação Lava Jato é “absurda”. É com essa síntese que a defesa do petista comunica que recorrerá da pena de 12 anos e 11 meses de prisão imposta pela juíza Gabriela Hardt, substituta do agora ministro Sérgio Moro, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio de Atibaia. Para a defesa, “provas de inocência” foram ignoradas durante o processo.

“A decisão desconsiderou as provas de inocência apresentadas pela Defesa de Lula nas 1.643 páginas das alegações finais protocoladas há menos de um mês (07/01/2019) – com exaustivo exame dos 101 depoimentos prestados no curso da ação penal, laudos técnicos e documentos anexados aos autos”, diz o advogado Cristiano Zanin.

O advogado aponta ainda um lapso transcrito nos autos pelo juízo de Curitiba. “Chega-se ao ponto de a sentença rebater genericamente a argumentação da defesa de Lula fazendo referência a ‘depoimentos prestados por colaboradores e co-réus Leo Pinheiro e José Adelmário’ (p. 114), como se fossem pessoas diferentes, o que evidencia o distanciamento dos fundamentos apresentados na sentença da realidade”, acrescenta.

Para Marco Aurélio de Carvalho, da Associação Brasileira de Juristas pela Democracia, a sentença que condenou Lula pelo caso do sítio de Atibaia “ignorou circunstâncias básicas que seguramente poderiam levar à absolvição”.

Um dos depoimentos mais relevantes ignorados pela juíza Gabriela Hardt para condenar Lula pode ser assistido no vídeo a seguir. Trata-se do interrogatório de Fernando Bittar, verdadeiro dono do sítio em Atibaia:

Gabriela Hardt

Com família formada em Indaial, em Santa Catarina, a genealogia remonta à elite política do município: seu bisavô, Frederico Hardt, foi o primeiro prefeito, pela Aliança Liberal, entre os anos de 1934 e 1941; Alfredo Hardt foi prefeito entre 1961 e 1966; e o tio, Frederico João Hardt, foi prefeito entre 1993 e 1996, pelo MDB.

Nos anos 1920, seu bisavô iniciou a construção da Firma Frederico Hardt, que começou na condição fábrica de laticínios pioneira na região. Nos anos 1940, expandiu o mercado para comercialização de outros gêneros alimentícios, ferragens, louças, tecidos, e confecções.

Desde os anos 1970, a família é dona da Hardt Confecções e das Lojas Hardt, uma rede de lojas de departamento, com mais de 150 trabalhadores, também espalhadas em Timbó e Blumenau, municípios de Santa Catarina.

Saiba mais sobre a segunda condenação de Lula AQUI.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Comentários