Redação Pragmatismo
Economia 25/Jan/2019 às 17:00 COMENTÁRIOS
Economia

Senti pena

Publicado em 25 Jan, 2019 às 17h00

Sinto pena daqueles que votaram na ilusão. Sinto pena do Brasil.

senti pena bolsonaro brasil bandejão davos fórum mundial suíça
Jair Bolsonaro almoçando no restaurante de um supermercado no Centro de Davos (Imagem: Daniel Rittner)

Eduardo Matysiak*, Pragmatismo Político

Senti pena de ver a figura de Jair Bolsonaro sozinho, isolado num bandejão em Davos, na Suíça, enquanto os maiores líderes mundiais, empresários e jornalistas discutiam questões urgentes, incluindo economia e meio-ambiente para o futuro global.

Usar o discurso de que ele é simples e optou por comer em um lugar barato para economizar é conversa para boi dormir.

Naquele momento, não precisávamos de populismo e marketing barato. Um lado que nunca foi seu, fato comprovado quando usufruiu de auxílio- moradia (mesmo tendo imóvel próprio) e do auxílio-mudança.

Bolsonaro recebeu da Câmara R$33,7 mil referentes a auxílio três dias antes de renunciar ao mandato de deputado federal para assumir a Presidência.

A viagem do clã Bolsonaro já se previa um fracasso. Viajou no aerolula ao qual ele e sua trupe sempre criticaram.

Sinto pena do Brasil, que voltou ao mapa da fome e à fidelidade canina aos EUA.

Oficialmente, o Jair nos representa, na prática, não, pois insiste no discurso de ódio, perseguição, despetização. Seu discurso vazio não representa ninguém.

O Brasil é um grande país. Merece alguém melhor”. São as palavras do americano Robert Shiller, prêmio Nobel de Economia. “Ele me dá medo”, insistiu.

Medo e insegurança. Foi assim que empresários e economistas da elite mundial financeira internacional receberam, no Fórum Econômico Mundial, em Davos, o discurso de Bolsonaro – que, em 6 minutos, disse que o Brasil “mudou”.

Bolsonaro quer que o Brasil, atualmente 109º na classificação de melhores países, fique entre os 50 primeiros em quatro anos. Na visão de especialistas isso é impossível.

Em 2007, o ex-presidente Lula brilhou em Davos, com um discurso forte, cheio de vontade e imponência, falou por quase 40 minutos.

Três anos depois, o ex-metalúrgico terminou seu mandato cumprindo boa parte de suas promessas, tanto que em 2010 recebeu do fórum o prêmio estadista do ano.

Jair e seus ministros cancelaram a última coletiva de imprensa. O motivo?

Segundo seus ministros, cansaço, mas internamente o que pesou foram as fortes suspeitas em torno do filho, o senador eleito Flávio Bolsonaro e de seu amigo Fabrício Queiroz.

Nossa nação voltou ao complexo de viras latas, da chacota internacional, de baixar a cabeça para os interesses dos EUA, sem patriotismo.

O Brasil está dividido. Bolsonaro é a tragédia anunciada. O fim da corrupção está longe de chegar, ele só acabou com os ministérios da Cultura, Trabalho e Esporte.

Ousou dizer que nosso país é o que mais preza pelo meio ambiente. Mentira!

A cada dia nossas florestas são dizimadas pelos motosserras de ouro.

Sinto pena daqueles que votaram na ilusão. Sinto pena do Brasil.

*Eduardo Matysiak é fojornalista e produtor cultural.

Siga-nos no InstagramTwitter | Facebook

Recomendações

Comentários