Redação Pragmatismo
Eleições 2018 01/Nov/2018 às 16:02 COMENTÁRIOS

A metáfora que explica a trajetória de Sergio Moro

Sergio Moro começa a receber os despojos de uma rapina que está longe de acabar. Juiz de primeira instância percebeu entre seus surtos de grandeza que estaria na política, e não no direito, a sua maior oportunidade de brilhar num país sedento de salvadores

metáfora que explica a trajetória de Sergio Moro

Carlos Fernandes, DCM

Minha avó costumava dizer que formiga quando quer voar, cria asas. Essa metáfora da sabedoria popular talvez seja a que melhor explica todos os esforços de um juiz outrora desconhecido que acabou sendo alçado à incompatível condição de herói nacional.

Inebriado pelos holofotes do qual foi imediatamente submetido pela grande imprensa, o juiz de primeira instância percebeu entre seus surtos de grandeza que estaria na política, e não no direito, a sua grande oportunidade de brilhar num país sedento de salvadores.

A operação Lava Jato, que a princípio não passava de tão somente mais uma investigação entre tantas outras, transformou-se no seu grande passaporte para o estrelato.

Infestada de políticos corruptos de todas as estaturas e agremiações partidárias, não tardou para que o magistrado enxergasse na específica criminalização do PT, o foco de toda a sua atuação para que os despojos de uma grande rapina também lhe fosse devido.

Unidos a fome com a vontade de comer, o partidarismo ululante de Sérgio Moro achou o respaldo necessário para que abdicasse de vez da condição de juiz e passasse a engrossar as fileiras dos seus detratores.

A caçada que se deu a partir daí ao grande troféu a ser exibido nas primeiras páginas dos jornalões, escandalizou juristas de todas as tendências garantistas ao redor do mundo.

Moro sabia que se Lula não fosse condenado, preso e inabilitado de concorrer às eleições que se avizinhavam, o seu trabalho não estaria completo e sua parte no butim não lhe seria dado.

Aqui cabe um esclarecimento preliminar. Dinheiro, por si só, é para principiantes, o que a malta que tomou de assalto a presidência da República queria mesmo era o poder, fonte, entre tantas outras coisas, de recursos financeiros praticamente inesgotáveis.

Definidos dessa forma os despojos a serem faturados, bastaria a legitimação do golpe de 2016 via processo democrático.

A eleição de Jair Bolsonaro é o resultado maior, até aqui, de todo o trabalho realizado pela “República de Curitiba” encabeçada pelo sempre lustroso Sérgio Moro.

Mercadoria entregue, chega a hora da recompensa.

Os tratamentos para o seu cargo – acordados ainda em período de campanha como deu com a língua nos dentes o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão – escandalizaram, mais uma vez, o universo jurídico nacional e internacional.

A conversa oficial e a consequente e completamente esperada aceitação do magistrado das alterosas, coroaram um acordo prévio firmado há um bom tempo atrás.

Moro, para quem em sua primeira entrevista pós-Lava Jato havia afirmado categoricamente que “jamais entraria para a política”, estreará como um super-ministro no mais autoritário e intolerante governo brasileiro desde o fim da ditadura militar de 64.

Sua atração irremediável pelas câmeras poderá a partir de agora ser saciada diariamente ao lado de baluartes da corrupção nacional como Magno Malta e Onyx Lorenzoni, além, é claro, do seu agora superior imediato, o próprio Jair Bolsonaro.

Como se vê, o voo da formiga se mostra promissora e mira outros horizontes. O STF, cujo o presidente eleito poderá ter a oportunidade de nomear dois novos ministros em seu mandato, é uma de suas metas mais escancaradas.

Mas a ninguém pode ser dado o direito de duvidar: uma vez político, sempre político. E como, provado está, fazer cumprir a lei não lhe apetece, ser um dia presidente é sempre uma alternativa a se avaliar.

E enquanto tudo isso acontece, o mais famoso preso político da atualidade continua a cumprir a sua prisão injusta (e agora oficialmente comprovada sobre a que termos se deu) sob os olhares estupefatos de toda a comunidade jurídica mundo afora.

É realmente atordoante a inacreditável capacidade desse país de se reinventar para que se apresente sempre como um terrível e melancólico território fadado ao empoderamento de uns poucos ao custo da mais absoluta expropriação e pobreza de seu povo.

E como tudo nesse país sempre pode piorar, é ao som dos aplausos dos ignorantes que a rapina continua e não tem data para acabar.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários