Redação Pragmatismo
Eleições 2018 17/Oct/2018 às 13:12 COMENTÁRIOS

Em novo vídeo, ídolo de Bolsonaro é apresentado ao Brasil

Em novo vídeo, brasileiros são apresentados ao torturador que é considerado um herói pelo candidato Jair Bolsonaro

vídeo ídolo de Bolsonaro Carlos Alberto Brilhante Ustra eleições

247

A campanha de Fernando Haddad (PT) produziu a sua mais forte peça televisiva até aqui, com denúncias graves sobre o adversário Jair Bolsonaro (PSL) – que ainda não são de total conhecimento da população brasileira.

Pergunta-se ao espectador: “você sabe mesmo quem é Bolsonaro?”. A peça traz, então, a figura do coronel Ustra, agente torturador que espalhou o terror pelo país com as mais violentas e desumanas técnicas de tortura já feitas pelo regime militar. O depoimento de Amelinha Teles, ativista torturada pelo coronel – que é ídolo de Bolsonaro – complementa o grave tom de denúncia e esclarecimento oferecido pelo programa.

A peça cita também Steve Bannon, o assessor de Trump ligado a Bolsonaro que é acusado de sabotar regimes democráticos no mundo inteiro com a distribuição estratégica de fake news. A narração destaca que Bannon espalha o terror pelo mundo e que sua estratégia criminosa de comunicação é utilizada para vencer eleições e truncar regimes soberanos.

O texto complementa a conexão entre Bannon e Bolsonaro, afirmando que o ex-militar brasileiro já espalha o terror há 30 anos pelo país, com suas afirmações racistas e de incitação à violência.

É mostrado, então, o depoimento de Amelinha Teles, ativista torturada pelo coronel Ustra, no momento mais dramático da peça. Ela diz: “eles colocam muitos fios elétricos descascados dentro da vagina, colocam dentro do ânus, você grita de dor e você perde o equilíbrio e cai no chão e eles vem em cima de você mesmo para te estuprar. O momento de maior dor foi o Ustra levando os meus dois filhos para a sala de tortura onde eu estava nua, vomitada, urinada.”

VÍDEO:

Saiba mais:
Ídolo de Bolsonaro matou 60 inocentes e torturou outros 500
Como Bete Mendes foi torturada por Brilhante Ustra, ídolo de Bolsonaro
Bolsonaro diz que não elogiou torturador após ameaças de cassação
OAB-RJ pede cassação do mandato de Jair Bolsonaro
Mulher conta o que viveu nas mãos do coronel Ustra
“Brilhante Ustra era senhor da vida e da morte”
Brilhante Ustra foi o primeiro a divulgar morte de ex-torturador
Brilhante Ustra era senhor da vida e da morte
Vereador Agnaldo Timóteo defende torturador Brilhante Ustra e a ditadura
Justiça condena Ustra por assassinato de Luiz Eduardo
Ex-torturadores enraivecidos clamam contra o governo Dilma e a Comissão da Verdade
Testemunha viu Ustra matar jornalista
Brilhante Ustra: Torturador, sequestrador e colunista da Folha

Após o depoimento de Amelinha Teles, o programa de Haddad estampa a dedicatória de Bolsonaro ao Coronel Ustra, quando da votação do impeachment de Dilma Rousseff no Congresso Nacional. Bolsonaro diz: “pela memória do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra”.

Bolsonaro aparece em seguida defendendo a tortura, atacando a democracia e dizendo que “através do voto, você não vai mudar nada nesse país”. Ele acrescenta: “e matando uns 30 mil”. O ex militar ainda diz: “se vai – sic – morrer alguns inocentes, tudo bem”.

O programa ainda denuncia a onda de violência provocada por seguidores de Bolsonaro, destacando que eles perseguem, agridem e matam. A foto da placa de Marielle Franco, depredada por candidatos do PSL (partido de Bolsonaro), é apresentada no vídeo como sintoma máximo da violência política – a vereadora foi executada com 9 tiros no centro do Rio de Janeiro há 7 meses.

Em seguida, surge a imagem de Moa do Katendê, capoeirista, músico e compositor, assassinado com 13 facadas por um bolsonarista, há uma semana.

Entre imagens sobrepostas da violência provocada por Bolsonaro e seguidores, o programa termina com a afirmação: “Bolsonaro, quem conhece a verdade não vota nele”.

Leia também:
Religiosos lançam alerta contra a ameaça da barbárie
Sua tia não é fascista, ela está sendo manipulada
Evangélicos dizem que Malafaia, Bolsonaro e Edir Macedo formam “elo da mentira”
A sedução (e o veneno) do extremismo
Faça um teste rápido e descubra se você é fascista
Há uma intervenção autoritária em marcha no Brasil hoje
Bolsonaro: o subversivo sem subversão
O ataque a Bolsonaro e a laicidade estatal
Os desdobramentos das fake news no caso Bolsonaro
A excitação de Silas Malafaia com a facada dada em Bolsonaro
A extrema-direita pró-Bolsonaro tem limites?
Brasil vive fenômeno político sem precedentes
Como diferenciar a direita da esquerda?
Quem quer ser um cidadão de bem?
A história do surgimento e da ascensão da bancada evangélica na política
Quando a intolerância política vem embutida na intolerância religiosa
Fé e política não se misturam, diz professora de Direito Constitucional
“A religião na política fere o estado laico e não nos representa”
Entenda por que o estado brasileiro ainda não é laico

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários