Redação Pragmatismo
Eleições 2018 22/Oct/2018 às 15:44 COMENTÁRIOS

“Triste escolha”, diz editorial do New York Times sobre Bolsonaro

'New York Times' chama Bolsonaro de 'escolha triste' em editorial. Tradicional jornal norte-americando classifica candidato do PSL como um populista, saudosista da tortura e da ditadura, com visões repulsivas, além de ser ameaça ao meio ambiente

Triste escolha New York Times bolsoanro

RBA

O jornal norte-americano The New York Times publicou editorial neste domingo (21) em que classifica o candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) como “a triste escolha do Brasil“. Classificado como extrema-direita, o texto assinado pelo conselho editorial compara o militar da reserva com o presidente americano Donald Trump, e diz que o brasileiro tem “visões repulsivas” e sente “saudades” de generais e torturadores dos tempos da ditadura.

É um dia triste para a democracia quando a desordem e a decepção levam eleitores à distração e abrem a porta para populistas ofensivos, rudes e agressivos“.

Bolsonaro e Trump são identificados como pertencentes a uma longa lista de políticos populistas que utilizam o descontentamento, a frustração e o desespero da população como plataforma política.

O jornal também lembra o histórico de declarações preconceituosas do candidato, como ao dizer que preferia que um filho seu morresse a que fosse homossexual; que a deputada Maria do Rosário (PT-RS) não merecia ser estuprada porque seria “muito feia“; que quilombolas seriam gordos e preguiçosos e que não serviriam nem para procriar; e que o aquecimento global não passaria de “fábulas de estufa“, prometendo, assim como Trump, se retirar do Acordo de Paris – que busca reduzir os efeitos das mudanças climáticas para o meio ambiente.

As opiniões grosseiras de Bolsonaro são interpretadas como franqueza, e sua carreira obscura como congressista como a promessa de um ‘forasteiro’ que limpará os estábulos“, diz o jornal, que destaca o discurso “punho de ferro” do candidato, vendido como solução no combate à violência.

Cristão evangélico, ele prega uma mistura de conservadorismo social e liberalismo econômico, embora confesse apenas uma compreensão superficial da economia“, destaca o tradicional veículo norte-americano.

Leia também:
Conselheiro de Bolsonaro pede a “destruição de opositores” após eleição
Há uma intervenção autoritária em marcha no Brasil hoje
Bolsonaro: o subversivo sem subversão
O fascismo é um mecanismo de contágio
As eleições de 2018 e a emergência da luta antifascista no Brasil
A extrema-direita pró-Bolsonaro tem limites?
Brasil vive fenômeno político sem precedentes
Como diferenciar a direita da esquerda?
Quem quer ser um cidadão de bem?

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários