Redação Pragmatismo
Eleições 2018 03/Oct/2018 às 22:50 COMENTÁRIOS

As 4 opções de esquerda para deputado(a) federal na Paraíba

Na Paraíba a disputa para a Câmara Federal é a que tem maior número de pessoas por vaga, e a esquerda tem dificuldades de eleger

opções de esquerda deputado federal paraíba eleições 2018 esquerda

A disputa mais acirrada dessas eleições na Paraíba é por uma vaga na Câmara Federal. São 158 candidatos para 12 vagas, uma concorrência de um pouco mais de 13 pessoas por vaga. Os deputados federais eleitos em 2014 pela Paraíba ficaram conhecidos por terem perfil conservador. O eleitor deve lembrar dos votos contra a democracia e os direitos sociais. Promoveram a derrubada de uma presidente legitimamente eleita e aprovaram Projetos de Lei (PEC) como o do congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e a reforma trabalhista, que rifou a CLT. Apenas o deputado Luiz Couto (PT), em todas as votações, esteve na defesa dos trabalhadores — votou contra o impeachment e a reforma trabalhista e, hoje, concorre a uma vaga no Senado Federal.

Para Gleyson Ricardo, da Frente Brasil Popular, os deputados paraibanos, com exceção do Padre Luiz Couto, parecem não representar o povo paraibano: “Esses aí lá em Brasília representam sim os interesses dos mais ricos e dos empregadores, não do povo, do trabalhador e dos mais pobres”, reforça ele.

Para os candidatos e candidatas a deputado federal com o perfil da defesa dos direitos sociais, da ampliação dos serviços públicos, e que defendem a revogação das reformas de Temer, essas eleições são decisivas para a mudança do cenário político do país, como afirmou ao Brasil de Fato a candidata a deputada federal Gregória Benário, do PCdoB:

Nessas eleições o que está em jogo é a democracia e a garantia da soberania nacional, o retorno para o desenvolvimento do nosso país”, enfatizou a candidata.

Para Frei Anastácio (PT), quatro vezes deputado estadual e esse ano candidato a federal, a prisão injusta do ex-presidente Lula é o maior motivo para os eleitores fazerem, através do voto, justiça diante dessa perseguição.

Precisamos mostrar nas urnas a indignação que o povo brasileiro sentiu ao ver seu maior líder político preso. Para isso, precisamos eleger Haddad e Manu, e um Congresso Nacional que dê suporte ao governo, para que o Brasil volte a ser um país de todos e todas”.

O vereador e também candidato a Câmara Federal Marcos Henriques (PT) identifica como um grande desafio nessas eleições eleger deputados progressistas.

Caso eleito, ele diz que defenderá “projetos que sejam importantes para as minorias, como também revogar projetos de lei que foram aprovados e que estão sendo muito negativos para a população, como a Reforma Trabalhista”.

Muitos analistas políticos vêm identificando as mulheres como parte decisiva nessas eleições.

Sandra Marrocos, vereadora de João Pessoa e também pleiteante a deputada federal, defende como prioridades para possível atuação futura as questões LGBT, dos negros e negras e das mulheres: “Só assim é possível resgatar este Estado Democrático de Direito”, enfatiza ela.

Frei Anastácio, Sandra Marrocos, Gregória Benário e Marcos Henriques são as candidaturas mais expressivas no bloco de candidatos e candidatas que se posicionaram contra o golpe e o governo Temer, e são ligados aos movimentos sociais e sindicais.

Para Jackson Macêdo, presidente estadual do PT na Paraíba, a maior dificuldade de se eleger deputado federal de esquerda é que na Paraíba a esquerda disputa sempre com as oligarquias tradicionais.

Desde 1930 até hoje, famílias se perpetuam no poder. São essas famílias que vêm ocupando os cargos públicos no estado, e em especial no parlamento. E historicamente essas famílias são vinculadas a grupos muito poderosos, quer seja de comunicação, o grande latifúndio, e a grandes empresários. Então, a esquerda tem muita dificuldade de conseguir disputar espaço com essas figuras”, detalha o petista.

Leia também:
Faculdade demite professoras após manifestação contra Bolsonaro
O golpe fracassou
As ilusões da esquerda brasileira em torno da conjuntura política
Estudo mostra como políticos votaram sobre temas fundamentais para o Brasil
A democracia brasileira (e não só ela) está morta
Golpistas: Eles vão ficando

Paula Adissi, Brasil de Fato

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários