Redação Pragmatismo
Justiça 24/Sep/2018 às 15:30 COMENTÁRIOS

Procurador diz que Lava Jato perdeu apoio depois que PT deixou de ser alvo

Procurador da Lava Jato afirma que a Operação perdeu apoio depois que o Partido dos Trabalhadores (PT) deixou de ser alvo principal. Carlos Fernando dos Santos Lima pediu afastamento da força-tarefa na última semana. Ele vai se aposentar

procurador Lava Jato perdeu apoio PT alvo

Ao deixar a força-tarefa da Operação Lava Jato em Curitiba, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima rebate a crítica de que a operação foi seletiva, mas admite que a investigação encontrou mais amparo enquanto tinha o PT como principal alvo. Ele critica a mudança de postura do ministro Gilmar Mendes, do STF, responsável pela libertação de vários investigados.

Considerado um estrategista na operação, Santos Lima pediu afastamento da força-tarefa para aguardar a aposentadoria, que deve sair em março do ano que vem. O procurador define a Lava Jato como uma investigação de combate a um sistema de corrupção na política.

Segundo ele, uma percepção equivocada de que era dirigida exclusivamente ao Partido dos Trabalhadores chegou até a favorecer a operação. O procurador diz que o ministro Gilmar Mendes abandonou uma postura histórica depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff, do PT.

A percepção de que você, ao investigar o governo do PT, atendia aos ideais dessa parcela da população gerou essa vinculação. É uma vinculação que aconteceu e que nunca foi estimulada por nós. Essa própria percepção equivocada que parte da população teve também nos salvou em alguns momentos… até o impeachment da Dilma, o ministro Gilmar Mendes tinha uma posição bastante favorável à Lava Jato e ele muda completamente depois, por exemplo”, explica

Santos Lima reconhece que alguns segmentos da sociedade se apropriam do discurso da Lava Jato por motivações políticas. Segundo ele, há candidatos envolvidos na investigação que usam o combate à corrupção como mote de campanha.

Tem muita gente envolvida na Lava Jato fazendo discurso de combate à corrupção e devolução do dinheiro aos cofres públicos. Eu não vou chegar e dizer ‘fulano de tal, você devia devolver dinheiro primeiro então’… a gente não vai entrar nesse bate-boca.”

Com 54 anos, Carlos Fernando dos Santos Lima era o mais experiente da equipe de 13 procuradores da Força Tarefa Lava Jato. Ele se emociona ao falar dos amigos com quem agora deixa de conviver diariamente.

É uma tristeza me afastar do convívio diário dos procuradores. Nós somos 13 e suportamos quatro anos e meio de intensa pressão. É um momento díficil se afastar de pessoas de que você gosta”, se emociona.

Natural de Curitiba, Santos Lima atua na Procuradoria Regional da República da 3.ª Região, em São Paulo, onde permanece até a aposentadoria. Depois disso, deve trabalhar como consultor na área de compliance, um sistema preventivo para garantir práticas de conformidade legal. Santos Lima diz não ter pretensões político-partidárias.

Para o lugar dele na força-tarefa, foi nomeado o procurador Felipe D`Elia Camargo, que era do Ministério Público Federal em Joaçaba, em Santa Catarina.

Leia também:
Juiz da Lava Jato curte postagens de Bolsonaro no Facebook
Fake justice: justiça de araque
“Não é uma piada. É o interrogatório do juiz Sergio Moro a Lula da Silva”
Lava Jato do início ao fim: uma operação viciada e politicamente interessada
Quando o juiz moralista é, na verdade, um imoral
Lula expõe na cara de Moro o conluio entre judiciário e mídia para incriminá-lo
Diferenças e semelhanças entre a Lava Jato e a Mãos Limpas
Operação Lava Jato: como tudo começou
Esquema na Petrobras começou com FHC, diz empreiteira

Lenise Aubrift Klenk, BandNews

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários