Redação Pragmatismo
Eleições 2018 28/Sep/2018 às 15:22 COMENTÁRIOS

Ex-mulher prometeu contar coisas "picantes" de Jair Bolsonaro

Ana Cristina, a ex de Bolsonaro, prometeu contar “coisas picantes” se ele não a ajudasse financeiramente na campanha eleitoral

Ex-mulher prometeu contar picantes bolsonaro
Ana Cristina Siqueira Valle (reprodução)

Ana Cristina Siqueira Valle estava na Quadra 103, na Asa Norte, em Brasília, quando viu o deputado Jair Messias Bolsonaro pela primeira vez. Ele discursava com um microfone na mão, equilibrado sobre um caminhão de som, durante um movimento de mulheres de militares que pediam aumento nos salários da caserna. Era o fim dos anos 90.

Estudante do curso de Direito da Universidade Estácio de Sá, Ana trabalhava como assessora no gabinete do então deputado federal Jonival Lucas, do Partido Progressista Brasileiro (PPB) da Bahia, o mesmo partido ao qual Bolsonaro era filiado à época.

Convidada pelo capitão da reserva para integrar sua equipe, migrou de gabinete. Ambos ainda eram casados — ela com um coronel da reserva do Exército, ele com a mãe de seus três filhos mais velhos, Rogéria Nantes Nunes Braga — quando se apaixonaram. “Foi um pouquinho antes de ele se separar e eu me separar de meu marido”, contou Ana.

Aos 51 anos, advogada, avó de um neto e mãe de dois filhos — um deles com o candidato do PSL à Presidência —, ela tem uma longa trajetória por órgãos públicos.

Trabalhou na liderança do PDC, assessorou Aluísio Alves no antigo Ministério da Integração Regional, secretariou Clóvis Carvalho quando ministro-chefe da Casa Civil, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, e integrou o corpo de funcionários da presidência do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), no Rio de Janeiro. Recém-lançada candidata a deputada federal pelo Podemos do Rio, quis usar o nome do “ex-marido” — é assim que ela o chama — nas urnas.

Ana nunca foi casada com Bolsonaro. Do namoro ao término de uma união estável, contudo, foram 16 anos juntos. Na semana passada, o jornal Folha de S.Paulo trouxe à tona uma rusga do passado do casal. Em 2009, já separada de Bolsonaro, a advogada mudou-se para a Noruega, levando a tiracolo o filho Jair Renan, então com 10 anos, sem a autorização do pai. Bolsonaro pediu ajuda ao Itamaraty para localizar o menino.

Relatado em um telegrama do Ministério das Relações Exteriores, um diálogo telefônico entre a advogada e o vice-cônsul do Brasil em Oslo, ocorrido em julho de 2011 e publicado agora pelo jornal, incluiu uma acusação grave: Ana disse “ter deixado o Brasil por ter sido ameaçada de morte pelo pai do menor”, segundo o documento.

Durante o tempo que a relação durou, o casal dividia a vida entre uma casa na Barra da Tijuca e o apartamento do deputado em Brasília. Aos sábados, a rotina incluía eventos militares na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende, no interior do Rio de Janeiro, e em quartéis. Aos domingos, a ordem era caminhar por Copacabana para cumprimentar eleitores.

No fim de ano, costumavam passar o Natal em Resende, com a mãe de Ana, dona Henriqueta, ou em Eldorado Paulista, na companhia de “Dona Olindinha”, a mãe do presidenciável. Depois escapavam para a casa da família na Vila de Mambucaba, em Angra dos Reis, onde costumavam navegar num bote inflável a motor. Descanso sempre rápido.

O Jair não faz nada sem visar à política”, disse a advogada. “Diria que é um viciado em trabalho. Deixa um pouco a desejar para a gente que é mulher, ele se comprometer mais com a família, porque a cabeça dele é focada em ler jornal, ver matéria, dar entrevista. Isso em minha época, imagina como está agora.”

Em 2008, veio a separação. Ana preferiu não se alongar no tema. “É uma coisa doída para mim”, disse. “Por mim, estaria casada com ele até hoje. Dos meus três casamentos, ele foi algo que mexeu realmente comigo.” Com o fim do relacionamento, Ana quis levar o filho para a Noruega, onde passou cinco anos como dagamama, como chamam no país quem trabalha cuidando de bebês. “O Jair não permitiu”, disse ela.

Em entrevista à revista Época nove anos depois de transferir-se para o país europeu, Ana alegou motivo diferente da ameaça de morte relatada ao vice-cônsul para mudar de ares. Disse ter sido convidada por um amigo norueguês para passar um tempo sabático no país, uma maneira de aplacar a dor da separação.

Fui com a intenção de férias, de passar um tempo, porque a separação foi muito difícil. Eu era dagamama, tipo uma babysitter. Ficava em minha casa, e levavam a criança para eu cuidar. Não gosto de criança muito grande, não. Gosto de bebê. Aí depois conheci meu marido, nos casamos e fomos morar em Halden. Só casei com meu marido norueguês por causa do visto e da cidadania. Também era obrigada a ir para a escola porque não conseguiria minha cidadania sem falar o idioma. Eu a consegui neste ano”, disse.

Ana se casou com o empreiteiro Jan Raymond Hansen, que constrói e reforma casas no vilarejo de Kornsjø, em Halden, perto da fronteira com a Suécia, no sudeste do país. De volta ao Brasil em 2014, decidiu que sairia candidata a deputada federal neste ano.

No início de junho, Ana se reuniu com Bolsonaro no gabinete do primogênito do candidato, o deputado estadual Flavio Bolsonaro, para negociar a utilização do sobrenome nas urnas. A intenção era saber o que o ex-cônjuge achava da ideia. Ele topou. “Todo mundo me conhece como Cristina Bolsonaro”, disse ela. “Então consultamos o TRE para saber se havia algum problema em colocar ‘Cris Bolsonaro’.”

Antes do encontro na Assembleia Legislativa do Rio, Ana costumava ver Bolsonaro eventualmente e conversar com ele à distância, mas não se falavam presencialmente havia dez anos. “A mulher dele não deixa”, afirmou, em referência à atual mulher do candidato, Michele Firmino.

A gente se fala com frequência pelo WhatsApp, pelo telefone, mas pessoalmente é mais raro. Tem o famoso ciúme, não é? Ciúme por parte da atual mulher dele.” Sobre Michele, Ana acrescentou: “Ela é muito nova, e o fato de ter casado com um parlamentar, que agora é candidato a presidente, acho que sobe muito para a cabeça, entendeu? Se for basear no que eu era como mulher dele, sou mais liberal. Não tinha ciúmes, me garantia. Chegavam as mulheres, beijavam, falavam que ele era lindo, maravilhoso. Eu dizia: ‘Realmente, ele é lindo, maravilhoso’. Mas você tem de ter o pé no chão e se garantir, não é verdade?”.

Antes de tentar eleger-se deputada federal, Ana passou os últimos meses como chefe de gabinete do vereador Renan Marassi, em Resende. Um dos projetos articulados pela dupla no município foi a implantação de caixas com preservativos em banheiros e na porta de boates.

Ana recebeu a reportagem no dia seguinte ao encontro com Bolsonaro na Alerj, em 5 de junho, no gabinete do vereador Marassi. Aos 52 minutos da conversa, o vereador, que acompanhava a entrevista, pediu ao repórter: “Pode desligar o gravador rapidinho?”. O pedido foi atendido. Ana então prosseguiu:

Tenho algumas coisas picantes para falar sobre o Jair”, disse. “Mas vamos ver antes se ele vai me dar apoio na minha campanha, se não, te chamo aqui e te conto. Não posso falar o que é, mas é picante, é da época em que eu ainda estava com ele.”

Na última terça-feira, depois da revelação do telegrama do Itamaraty, Ana desligou o celular. Gravou um vídeo creditando o episódio à “mídia suja”. O vereador Marassi confirmou que a pimenta que viria caso o presidenciável não colaborasse — conforme dito em Resende no início de junho — nada tinha a ver com o telegrama. “Não, não era isso, não”, disse ele por telefone, ao responder se a referência feita em Resende era sobre a conversa com o vice-cônsul.

Leia também:
Bolsonaro era agressivo, furtou cofre e ocultou patrimônio, disse ex-mulher
Ex-esposa diz que Jair Bolsonaro a ameaçou de morte
Patrimônio do filho de Bolsonaro aumenta 432% em 4 anos
Segunda ex-mulher de Bolsonaro quer ser deputada federal
A identidade da mulher exposta por Bolsonaro como ‘brasileira negra e pobre’
Bolsonaro tenta emplacar 4º filho na carreira política
Bolsonaro empregou a esposa, a ex e outros familiares na Câmara

Bruno Abbud, Época

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários