Redação Pragmatismo
Rede Globo 24/Aug/2018 às 13:13 COMENTÁRIOS

Rede Globo age como partido político na eleição de 2018

Ao esconder a campanha de Lula, Rede Globo age abertamente como partido político, não como empresa jornalística

Rede Globo partido político eleição de 2018 Lula

Joaquim de Carvalho, DCM

A lei eleitoral, de número n° 9.504/97, não deixa dúvida: em seu artigo 36-A, obriga as emissoras de rádio e televisão a dar tratamento isonômico — isto é, de acordo com o mesmo critério — a todos os candidatos e partidos durante a campanha.

Mas não é o que tem ocorrido nos noticiários veiculados por essas emissoras, que são concessões públicas.

Saiba mais: Globo decide não cobrir agenda do PT nas eleições após Lula subir nas pesquisas

Os telejornais da TV Globo, por exemplo, dão espaço a todos os candidatos mais bem colocados na pesquisa (é um critério), mas, para a candidatura do PT/PCdoB/PROS, primeira colocada nas consultas de intenção de voto, reserva uma nota em que o apresentador lembra que Lula está preso, “condenado pelo caso do triplex do Guarujá”. Ou, às vezes, nem isso: omitem a candidatura.

Sim, Lula está preso, mas sua campanha, apesar da ausência física dele, está na rua, e já tem o apoio de praticamente metade dos eleitores que decidiram em quem votar. É a campanha, por sinal, que mais reúne eleitor em seus atos públicos.

Já os demais, à exceção de Bolsonaro, aparecem em eventos como reunião em associações ou caminhando pela rua, feiras ou mercados, para cumprimentar eleitores.

Esse tipo de expediente, caminhar pela rua, é um recurso que os candidatos usam quando não têm o que mostrar.

Serve apenas para gerar imagens para o noticiário de TV. É um truque das campanhas, e as TVs mostram sem avisar. Às vezes, o candidato caminha um quarteirão, o suficiente para garantir as imagens que serão cobertas pela locução “o candidato cumprimentou eleitores e depois falou com a imprensa”, e vai embora.

É um teatrinho.

Já a campanha de Lula, com Haddad na condição de vice e porta-voz, tem lotado as ruas, como se viu em Aracaju, Sergipe, na tarde e noite de quarta-feira. Nenhum marqueteiro consegue reunir aquele tanto de gente. É um ato realmente espontâneo, é a campanha em estado puro, noticia genuína.

O mesmo aconteceu com Bolsonaro em Presidente Prudente, interior do Estado, no mesmo dia. Tinha muita gente.

A Globo e as demais emissoras mostraram Bolsonaro, esconderam o PT e seus coligados, entre os quais o PCdoB.

Além da desonestidade com o público, mostrou que não respeita a lei e é por isso que os advogados da coligação “O Povo Feliz de Novo” recorreram ao TSE, para denunciar a violação da lei eleitoral e solicitar uma medida liminar para que as emissoras mostrem as atividades de campanha.

Se no Brasil a chamada grande imprensa fizesse jornalismo, não seria necessário recorrer à lei para mostrar os candidatos mobilizam as massas.

É de interesse público, é notícia.

Mas, no Brasil, essa imprensa, viciada em negócios, dá mais valor ao teatrinho da caminhada do candidato pela rua do que mostrar o formigueiro de gente que a ideia Lula gera ao propagar sua mensagem.

Definitivamente, a imprensa se comporta como partido político, e sua missão é esconder Lula ou tudo que possa remeter às suas propostas ou à memória de seu governo, que terminou com 87% dos brasileiros o considerando ótimo ou bom.

Não é jornalismo.

Leia o pedido de liminar da campanha de Lula no TSE e as razões da ação, aqui.

Leia também:
Lula é o político mais popular do Brasil, revela nova pesquisa Ipsos
Globo divulga fake news no dia da prisão de Lula
Donos da Globo emparedam Lula sem se dar conta de que amanhã podem precisar dele
Globo censura opinião de Chico Buarque sobre condenação de Lula
Estudo científico da UERJ revela massacre da mídia contra Lula
Como a Globo já sabia da ação da Lava Jato contra Lula?
Após 22 anos, Boni admite que Globo armou contra Lula para eleger Collor

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários