Redação Pragmatismo
Esquerda 02/May/2018 às 14:09 COMENTÁRIOS

Os ecos dos tiros de Curitiba não são nada bons

As reações ao ataque covarde contra o acampamento Marisa Letícia podem estar revelando algo preocupante. Os ecos dos tiros de Curitiba não são nada bons

ecos dos tiros de curitiba bons ódio lula acampamento mst marisa

Ricardo Cappelli, Congresso em Foco

As reações ao ataque covarde contra o acampamento Marisa Letícia podem estar revelando algo preocupante. A militância reagir com declarações de guerra é natural. Estranho é quando o mesmo começa a partir de pessoas com mais experiência e responsabilidade.

Consultado certa vez sobre a possibilidade do PT participar de uma frente, Zé Dirceu, construtor da sigla e arquiteto de sua chegada ao poder, afirmou que o partido “já era uma frente” e que, portanto, não teria como compor outra frente.

Lula em São Bernardo foi meticuloso. Não levantou as mãos de Manuela e Boulos por acaso. Não deixou de levantar a mão de um petista por esquecimento. Classificou as candidaturas do PCdoB e do Psol como “promessas”. Disse que no PTquem quiser dirigir o partido vai ter que trabalhar mais que ele.” Deixou aberto o vazio do seu lugar.

Luis Inácio dirige e une o maior partido de esquerda do país. Pelo tamanho e importância, os movimentos do PT polarizam toda esquerda. É correta, justa e indiscutível a centralidade da luta pela liberdade do ex-presidente. Entretanto, a tática de levar sua candidatura “até o final” embute questões mais profundas.

Dirigentes da sigla falam abertamente que não existe um substituto natural no partido. Qualquer nome especulado como plano B é imediatamente rechaçado sob o argumento de traição. “Não podemos abandonar Lula!” Será apenas isto?

Não admitem nenhuma alternativa interna, muito menos de fora. Haddad conversou com Ciro? Tiros no Ciro e no Haddad. O governador Rui Costa defendeu um candidato de fora? Tiros no baiano. Jacques Wagner defendeu o mesmo? Tiros no ex-ministro.

Os quadros mais tarimbados têm noção da defensiva estratégica e da necessidade de sair do isolamento. A questão é como sair das cordas mantendo a unidade do “partido-frente”. Serão assolados pelo fantasma da divisão, que pode acontecer até mesmo com um plano B “prata da casa”. O fato é que só Lula une.

Não é fantasia imaginar que tendências do partido, se decidido o apoio a um candidato de fora, desertem e declarem apoio à Boulos ou Manuela, por exemplo. O Psol se aproximou do Lulismo por compromisso democrático, mas sonha todo dia com seu espólio. Manuela estabeleceu forte diálogo com a juventude Lulista.

Este quadro faz o partido mais importante da esquerda se fechar, radicalizar o discurso para manter seu território. É pouco provável que Lula saia da cadeia antes das eleições, infelizmente. É o único capaz de conduzir a legenda sem questionamentos.

Este paradoxo vai perseguir a esquerda brasileira nos próximos meses. A situação do Partido dos Trabalhadores exigirá compreensão e paciência. Lula merece toda nossa lealdade.

Se nada de novo acontecer, o mais provável é que prossigam na lógica de Lula até o fim, mesmo sabendo que o registro será cassado. Estão aprisionados neste caminho, pela convicção na força eleitoral de Lula e/ou pela sobrevivência partidária.

É pouco provável que outra agremiação, sabendo que o registro da candidatura dependerá de um milagre, passe um cheque em branco e entre neste barco. Uma alternativa petista pode até ir ao segundo turno, mas as chances de vitória são pequenas.

É aí que podem começar os problemas e a autodestruição da esquerda. Os que não seguirem a improvável candidatura do ex-presidente serão “traidores”? Se qualquer alternativa hoje é traição, será diferente em agosto? Haverá respeito quando a disputa se colocar de fato?

Para tirar Lula da prisão uma vitória do campo progressista é essencial. Neste ponto reside uma contradição objetiva entre as táticas partidárias, preocupadas com a sobrevivência das siglas, com uma suposta disputa de hegemonia no “pós-Lula”, e a necessidade de unidade e ampliação imposta pela dura realidade.

Na atual conjuntura, qual a melhor forma de ganhar? Oferecer o peito aberto ao inimigo numa guerra assimétrica? Radicalizar ou ampliar? Fragmentada, a esquerda irá ao segundo turno?

Os sinais preocupam. Os ecos dos tiros de Curitiba não são nada bons.

Leia também:
Como os presidenciáveis reagiram ao novo Datafolha
Pesquisa CNT/MDA: Lula continua líder e é seguido por Jair Bolsonaro
Por que a derrota de Lula veio por meio dos ministros indicados pelo PT?
Gilmar Mendes classifica como “absurda” prisão de Lula e culpa PT

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários