Delmar Bertuol
Colaborador(a)
Direita 25/Apr/2018 às 15:44 COMENTÁRIOS

Bolsonaro será mesmo candidato?

Bolsonaro será mesmo candidato eleições 2018 direita

Delmar Bertuol*, Pragmatismo Político

Respondendo a pergunta-título, gostaria que sim. Há estimativas de que tenhamos em torno de vinte candidatos à presidência nas próximas eleições (se ela as houver). Não obstante alguns eventuais percalços – penso que o exíguo tempo de tevê mesmo pras coligações maiores será o principal senão -, sou a favor de quanto mais candidatos melhor. Digo mais – agora os telespectadores da novela das nove vão à loucura comigo -, que se aumente o tempo do programa eleitoral televisivo. Democracia.

Entretanto, acho muito provável que o “mito” – os helenistas devem já ter desistido de tentar conceituar o que vem a ser um mito – fique fora das eventuais eleições de outubro. Explico:

O maior problema do Jair Bolsonaro não será o espaço de televisão, pois ele terá apenas quinze segundos. Isso é, não terá muito tempo para falar asneiras.

A questão dele é a falta de apoio institucional. Apesar de contar com simpatias pontuais no Congresso de parte da chamada Bancada BB (Bíblia e Bala), de adolescentes que ainda há pouco brincavam de bang-bang e de parte da classe média que julga que o único modo de se combater a criminalidade é com repressão e não com uma melhor igualdade social – até porque, não querem perder privilégio. O privilégio de ser social e financeiramente superiores –, Bolsonaro não tem nenhuma grande instituição que o apoie, como, entre outras, igreja, imprensa, sindicato ou o pato gigante dalguma federação de indústrias.

Apesar de ninguém nunca ter ouvido falar nele, o PSL tem representação suficiente no Congresso para que Bolsonaro tenha direito de participar dos debates que, apesar do mediador alertar que “seu tempo terminou, candidato”, dura bem mais do que quinze segundos. É prazo suficiente pra ele se afundar no próprio discurso. E outra, nos debates, é proibido usar memes, principal linguagem bolsonarística.

E sobre os memes, cabe um parentes: (segundo o Instituto Pró-livro, 44% dos brasileiros são não leitores, isso é, não leram nenhum livro nos últimos três meses. Relaciona-se a isso o nível epidemiológico de analfabetos funcionais, pessoas que não compreendem frases simples. Sendo assim, é explicável o sucesso dos memes, cujas frases são simplíssimas e “desenham pra entender”. Além disso, se quase metade da população não lê frequentemente, é de se supor que não consultaram a legislação ou alguma produção acadêmica ou jornalística a respeito das propostas inconstitucionais e socialmente atrasadas do “mito” do Panteão dos Iletrados.)

Leia aqui todos os textos de Delmar Bertuol

É bem verdade que a lamentável iminência da ausência de Lula nas possíveis eleições faria com que parte dos seus eleitores migrassem pro Bolsonaro. Não é contradição. Ocorre que percentual de eleitores formado por pessoas muito pobres e sem acesso à educação tende a personalizar sua escolha numa figura messiânica que seria, ela sozinha, aquela que melhoraria sobremaneira sua vida. Esses votos não estão ligados a ideologias. Essas pessoas estão tão à margem do sistema político-eleitoral, que não sabem diferenciar as ideologias ou mesmo os partidos. Escolher uma, logo, é algo inimaginável. Talvez sejam elas os analfabetos políticos de Bertolt Brecht, mas muito mais por imposição social do que por opção, diga-se. Mas, voltando, esses votos migrados são poucos. Não alavancariam grandemente os votos do Bolsonaro.

Por último, entrou a princípio na disputa o ex-Ministro do STF Joaquim Barbosa, figura que ganha votos de vários segmentos tanto da esquerda como da direita. Mas o que importa aqui é que ele foi o relator do Julgamento do Mensalão, em que não foi nada benevolente com os réus. Isso lhe rende votos “anti-PT”, característica principal dos votantes do Bolsonaro.

Além do auxílio-moradia, que pode ser usado “pra comer gente”, como deputado federal, Bolsonaro tem direito ao alto salário, é claro, de igualmente milionária verba de gabinete, além de espaço na Tribuna. Se perder as próximas eleições, perde também esses promíscuos privilégios. Se se candidatar a reeleição, provavelmente será o candidato a deputado federal mais votado da história republicana brasileira. Uma posição destacada.

Ou, se tiver mais audácia, pode concorrer ao Senado. Nas hipotéticas próximas eleições, serão eleitos dois senadores por estado, o que aumenta suas chances. E, se eleito, assume um mandato de oito anos. Com isso, poderá trocar de partido a qualquer momento, como ele vem fazendo, sem perder o cargo. No Senado, ele terá maior visibilidade, já que disputará a evidência com “” mais oitenta colegas, e não com quinhentos, como ocorre hoje.

E, mais importante, se o golpe não for maior e tivermos eleições em 2022, ele poderá ser candidato à Presidência e, se derrotado, não perderá a vaga senatorial.

A grande mídia não o apoiará. Pelo contrário, seus números positivos causam desconforto e ela já trata de desconstruir a imagem dele. O deus Mercado, a quem ele promete agradar, não se agrada, por sua vez, do seu discurso.

Se eu fosse assessor do Bolsonaro, pago com a pernóstica verba de gabinete, o aconselharia a não concorrer. Depois, criaria um meme pra explicar aos decepcionados bolsonetes a decisão.

Leia também:
A hipocrisia (e o despreparo) do homem que pretende presidir o BrasilSem ninguém para lavar escadarias, Bolsonaro foi comer polenta em Curitiba
Desvendando o “mito” Bolsonaro: embuste ou autenticidade?
Os detalhes da visita de Bolsonaro ao Japão não divulgados pela imprensa
Bolsonaro só existe como opção visível por causa da Globo
O que leva alguém a votar em Bolsonaro & Cia., e o que isto significa?
As 10 frases mais polêmicas de Jair Bolsonaro

*Delmar Bertuol é professor de história da rede municipal e estadual, escritor, autor de “Transbordo, Reminiscências da tua gestação, filha”

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários