Redação Pragmatismo
Saúde 10/Mar/2018 às 15:46 COMENTÁRIOS

Aluno ameaçado por diretor de hospital toma posse na residência

Aluno ameaçado por diretor de hospital é ovacionado ao tomar posse na residência. Antes de decidir se assumiria a vaga (por conta das ameaças), o jovem Pablo Costa buscou ajuda psiquiátrica. Afastado do cargo, Domingos Quintella divulgou justificativa estapafúrdia sobre o episódio

Domingos Quintella Pablo Costa
Domingos Quintella

O estudante Pablo Costa, de 27 anos, foi ovacionado ao tomar posse na vaga de residente para a qual foi aprovado no no Hospital do Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HFSE).

Pablo foi ameaçado pelo chefe do Serviço de Cirurgia Plástica do Hospital. Em mensagem enviada pelo WhatsApp, o médico Domingos Quintella pediu para que o médico desistisse da vaga.

O motivo: o filho de Quintella ficou atrás de Pablo no processo seletivo e herdaria a sua vaga da residência em cirurgia plástica caso ele desistisse.

Dezenas de amigos e colegas de profissão estiveram no auditório do HFSE para prestigiar Pablo. Todos os programas de residência médica do Rio de Janeiro começaram suas atividades no dia 1º de março. Nesta quinta-feira (8), foi o primeiro dia da chamada de reclassificação do concurso.

Uma médica que estava presente no auditório do Hospital dos Servidores contou que a banca chegou a se desculpar pela atitude de Domingos.

“A banca começou se desculpando pela atituda da chefia, que não representava o concurso. Que o concurso era transparente. Por isso que a chamada é presencial. O Pablo pegou a vaga e foi aplaudido por todos, tipo cena de novela”, relatou.

Ajuda psiquiátrica

Antes de decidir tomar posse na vaga, Pablo Costa revelou que pediu ajuda de um psiquiatra em busca de orientações. “Quis tomar uma decisão bem esclarecida, não no meio desse turbilhão de acontecimentos e sensações, por isso procurei assistência médica”, afirmou.

Mesmo aplaudido durante o evento, Pablo conta que ainda se sente angustiado. “Não estou feliz, estou angustiado. Não estou conseguindo desfrutar de uma aprovação que foi tão almejada. Quando eles me aplaudiram, não reagi. Apenas senti que estava próximo de buscar um direito meu”, disse.

Afastamento

Após a mensagem e a denúncia contra Domingos se tornar pública, a direção do HFSE decidiu afastá-lo do cargo e instaurar um procedimento administrativo para apurar o caso.

“O chefe do setor de Cirurgia Plástica da unidade foi imediatamente afastado do cargo e aberto um procedimento de sindicância administrativa para apuração do ocorrido. A direção ressalta que o concurso transcorreu de forma transparente e idônea, e garante que o médico irá exercer normalmente o período de residência médica no HFSE.”

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica também se manifestou em nota oficial. Diz que já notificou o Departamento de Defesa Profissional, a Comissão Nacional de Residência Médica e pediu providências “institucionais e legais”.

Justificativa

Na tentativa de se justificar, o cirurgião Domingos Quintella de Paola disse que alguém pegou o seu celular e enviou a mensagem ameaçadora.

“A mensagem de whatsApp não foi escrita por mim. Uma pessoa da minha família pegou o meu celular. Todos ficaram revoltados porque um rapaz que morava com esse estudante passou na prova de residência daqui e de São Paulo. Mas decidiu segurar a vaga para o amigo estudar. E o meu filho estava logo depois dele”, disse o médico.

“Assim que li a mensagem, eu mandei um pedido de desculpas para o Pablo explicando a situação. É claro que ele vai ser bem recebido na residência. Isso não existe. O meu filho passou em outras dez residências. Ele não precisava disso”, justificou.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários