Delmar Bertuol
Colaborador(a)
Cultura 16/Feb/2018 às 14:58 COMENTÁRIOS

Sambando no golpe

sambando no golpe carnaval tuiuti mangueira temer corrupção escravidão

Delmar Bertuol*, Pragmatismo Político

Como só acontece todos os anos nessa época, não faltaram críticos ao Carnaval. A crítica, pra se legitimar, é dirigida aos gastos públicos direcionados às festas. Segundo os especialistas de ocasião, tais verbas deveriam ser empregadas nos serviços básicos, sempre insuficientes. É como se, pruma pessoa viver, basta ter saúde, educação e segurança. Cultura, lazer e outras subjetividades seriam dispensáveis.

Evidente que essa crítica à festa mais popular do País está relacionada justamente a isso, ao seu caráter popular. À sua ligação com a periferia e com os negros. Na escravidão, era facultado aos pretos cativos as suas festas e seus ritos religiosos. Isso, claro, nos arredores da senzala. No carnaval, no entanto, a festa sai da “senzala” e toma conta das avenidas, sagrado local dos sedãs luxuosos, pertencentes à classe média alta ou alvo de cobiça dos emergentes; assim como das SUVs, que servem pra reforçar a sensação de masculinidade dos tiozinhos de cinquenta.

Pros críticos, o Carnaval é um ajuntamento de ociosos que se encontram pra cometerem atos promíscuos e de beberagem. Ou seja, nada que não aconteça em outras festas, inclusive as ditas com caráter histórico-cultural, que também, em regra, recebem incentivos financeiros do poder público.

Mas nos desfiles das escolas do Rio de Janeiro, pelo menos três agremiações mostraram o quanto se pode usar o Carnaval como meio de se discutir problemas sociais.

A Beija-Flor, que venceu, escancarou a corrupção brasileira. A Mangueira criticou o Prefeito-Pastor que, por preceitos religiosos, não queria investir na maior festa da cidade.

Mas a que mais causou alvoroço foi a até então relativamente desconhecida Paraíso do Tuiuti.

Saiba mais:
As 5 principais crueldades da Reforma Trabalhista
Um resumo das reformas trabalhistas ao redor do mundo

Ela não fez uma crítica genérica aos problemas sociais brasileiros ou mesmo à corrupção latente. Foi específica, objetiva. Acusou o Governo(?) que aí está de literalmente se vender ao sistema neoliberal; comparou a Reforma Trabalhista a uma volta ao Escravismo; sugeriu que os paneleiros que reverenciavam o Pato da Fiesp não eram nada mais do que marionetes guiadas por gigantescas mãos. Mãos brancas, claro.

Para aqueles que defendiam que todo o dinheiro do Carnaval devesse ser investido em Educação, por exemplo, a Paraíso de Tuiuti deu uma aula de sociologia atual brasileira. Eu torci pra que ela vencesse. Acabou, contudo e como simbologia maior, ficando de vice.

Leia aqui todos os textos de Delmar Bertuol

Já tem jornalistas alertando pro fato da seletividade do tema, posto que deveriam falar também dos escândalos do Petrolão e do Mensalão, por exemplo. Ou seja, deveriam, direta ou pelo menos indiretamente, também falar mal do PT.

Ano que vem terá Carnaval novamente. Se alguma Escola quiser se aventurar, que maldiga o PT, já que no Carnaval é tudo liberado. Resta saber se o público da Sapucaí vibrará tanto como o fez ao final do desfile, entoando o clássico Fora Temer!

Leia também:
O aprofundamento da injustiça social no governo Temer
Governo pode liberar ‘pacote do veneno’ em troca da reforma da previdência
Governo corta R$ 477 milhões do orçamento da Ciência e Tecnologia
“É a primeira vez que sou impedido de cantar desde a ditadura”, diz Caetano

*Delmar Bertuol é professor de história da rede municipal e estadual, escritor, autor de Transbordo, Reminiscências da tua gestação, filha e colaborou para Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Comentários