Redação Pragmatismo
Cinema 01/Sep/2017 às 14:27 COMENTÁRIOS

'Heartstone' aborda homofobia e machismo de forma poética

Descobertas sexuais, homofobia e machismo viram poesia em 'Heartstone'. Filme do islandês Gudmundur Arnar Gudmundsson aborda a amizade e o difícil amadurecimento de dois adolescentes de um pequeno vilarejo, onde tudo e todos têm de se encaixar nos padrões sociais locais

filme heartstone homofobia machismo poesia contra o preconceito

Xandra Stefanel, RBA

O fim da adolescência de Thor (Baldur Einarsson) e Christian (Blær Hinriksson) coincide com a chegada do rigoroso inverno islandês no vilarejo de pescadores onde moram. A descoberta da sexualidade e toda a excitação deste período se dão numa estação amena e iluminada, mas o frio e o cinza chegam ao mesmo tempo que os conflitos e a dureza da vida adulta. O primeiro longa-metragem de Gudmundur Arnar Gudmundsson, Heartstone, estreiou nesta quinta-feira (30) no Circuito Sesc de Cinema, e é poesia do início ao fim: da história cativante dos dois adolescentes, atuações e fotografia ao cenário campestre da Islândia, a obra mantém o espectador conectado durante as quase 2h10 de filme.

As brincadeiras da infância, as briguinhas entre meninos, o uso de uma certa violência para provar masculinidade, as pescarias e a paquera, apesar da tensão sempre presente, até então tudo é leve na vida de Thor e Christian. O primeiro não vê a hora que seu corpo deixe de ser infantil e sonha com o dia que conseguirá conquistar Beth (Diljá Valsdóttir). Quando o que parecia impossível finalmente acontece, Christian põe em dúvida a natureza do sentimento que nutre por seu melhor amigo.

A trama é baseada na vida do próprio diretor. “Heartstone é uma história pessoal baseada na minha experiência de crescer em uma pequena vila de pescadores. O núcleo do filme é a forte e bonita amizade entre dois garotos e como seu ambiente e seus conflitos internos os afastam antes que o vínculo que compartilham os una novamente“, afirma Gudmundur. “O vilarejo era um ambiente cheio de contrastes, onde o sol brilhava sem cessar durante o verão e quase não nascia no inverno. Um lugar onde as mesmas coisas que você amava te libertavam e aprisionavam. Um lugar onde as crianças podiam lidar com animais e descobrir como a natureza e as pessoas podem ser incrivelmente lindas e cruéis“.

E esta crueldade não está apenas no bullying, no preconceito e na homofobia que os dois garotos sofrem, mas na maneira que a sociedade funciona: Beth é xingada de vadia por todos os outros garotos, assim como a mãe de Thor, que, separada, não tem um parceiro fixo. Naquela cidade, os olhares condenam tanto quanto tribunais e os julgamentos marcam a vida das pessoas muitas vezes de forma irremediável. Ali, como na maioria dos lugares, o amor vale bem menos que as aparências e é preciso ter um coração de pedra (daí o título) para esconder os sentimentos que não condizem exatamente com as normais sociais impostas.

Heartstone – trailer legendado 4 from Mostra de Cinema on Vimeo.

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários