Redação Pragmatismo
Governo 25/Nov/2016 às 15:00 COMENTÁRIOS

Aécio Neves minimiza denúncias contra Michel Temer

Alta cúpula do PSDB se reuniu para unificar o discurso em torno da crise que atinge o governo Michel Temer. Aécio, Alckmin, FHC e Dória devem se encontrar com o presidente no Palácio da Alvorada

aécio minimiza denúncia psdb temer
Aécio Neves e Michel Temer (reprodução)

Reunidos em Brasília na manhã desta sexta-feira (25), integrantes do PSDB adotaram um discurso unificado ao serem questionados sobre a crise envolvendo o caso Geddel Vieira Lima: apoio incondicional a Michel Temer e críticas ao acusador, o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero.

Momentos antes do anúncio da saída de Geddel Vieira Lima, o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, disse que o caso “nem de longe” atinge Temer e cobrou investigação sobre Calero.

Se confirmado isso, há algo aí extremamente grave que também tem que ser investigado, o fato de um servidor público [Calero], até aquele instante de confiança do presidente da República, com cargo de ministro de Estado, entrar com um gravador para gravar o presidente da República. Isso é inaceitável, isso é inédito na história republicana do Brasil, porque permite achar que nessa conversa possa ter induzido qualquer palavra do presidente” afirmou Aécio. Ele faz referência a informações de que Calero gravou conversas integrantes do governo, incluindo o presidente.

O tucano acrescentou acreditar ser essa uma atitude passível de punição. “Mas na minha avaliação, do PSDB, nem de longe esse episódio atinge o sr. presidente Michel Temer.”

Questionado sobre a mudança de postura em relação ao período em que o PSDB estava na oposição, Aécio negou incoerência e disse que será investigada também a suspeita de que integrantes do governo tenham tentado forçar Calero a tomar uma medida contrária à recomendação técnica, em benefício pessoal de Geddel.

Aécio afirmou que a situação mudaria de patamar apenas se ficasse comprovado que o presidente fez “uma determinação para se resolver o problema“. Segundo ele, não há problema em encaminhar o caso para a Advocacia-Geral da União eximir dúvidas.

O ministro tucano Bruno Araújo (Cidades) também defendeu Aécio e atacou Calero: “Não me parece uma atitude, no mínimo, civilizada [a gravação de conversas com Temer].

Os tucanos estão reunidos na Câmara dos Deputados para encontro com prefeitos eleitos da sigla. Além de Aécio e Araújo, participarão o governador Geraldo Alckmin, o prefeito eleito João Dória e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Há previsão de um almoço da cúpula tucana com Temer no Palácio da Alvorada.

Leia também:
PGR pode incluir Michel Temer em investigação contra Geddel
Calero gravou conversas com Temer antes de deixar governo; PSOL pede impeachment
Janaina Paschoal está ‘decepcionada’ com Michel Temer
O que é mais grave: Geddel fazer o que fez ou Temer prestigiá-lo?
Justiça determina que obras no prédio de Geddel sejam suspensas
Por 17 votos a 3, Comissão da Câmara rejeita convocação de Geddel
O apartamento milionário que causou a demissão do ministro da Cultura

Em evento que participou em Brasília antes do encontro, Alckmin disse que “esse é um tema da área federal e o governo vai encaminhá-lo corretamente.”

Folhapress

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook

Recomendados para você

Comentários