Pragmatismo Político (P)
Eleições 2014 03/Out/2014 às 18:10 COMENTÁRIOS
Eleições 2014

Quando, como e onde foi que Marina Silva errou?

Pragmatismo Político (P) Pragmatismo Político (P)
Publicado em 03 Out, 2014 às 18h10

Ascensão e queda. Entenda como e por que Marina Silva passou da condição de favorita em determinado momento do 1º turno ao risco de sequer chegar ao 2º turno nas eleições de 2014

marina silva fracasso campanha 2014
Na reta final de campanha, Marina Silva enfrenta o seu pior momento eleitoral (divulgação)

Luis Soares*

Tudo o que ascende genericamente, rápido demais e mal alicerçado, corre o risco de sucumbir com agilidade equivalente. Este é um dos aspectos que explica o fraquejar da candidatura Marina Silva nesta reta final de campanha eleitoral; sua derrocada parece tão meteórica quanto a sua ascensão.

As mais recentes pesquisas eleitorais de todos os institutos apontam para o declínio de Marina Silva, em clara curva de baixa, enquanto as tendências dos seus principais adversários, Dilma Rousseff e Aécio Neves, são de alta. Se as curvas continuarem na mesma tendência até o dia 05 de outubro, a disputa pelo segundo lugar do pleito deverá ser bem mais acirrada do que dizem as pesquisas atuais.

No final de agosto, Marina chegou a empatar numericamente com Dilma no primeiro turno – ambas com 34% dos votos estimulados – e superar a candidata do PT por 10 pontos na simulação de segundo turno (50% a 40%). Hoje, Dilma tem, no mínimo, 14 pontos de vantagem para a ex-senadora no primeiro turno e também vence nas simulações de segundo turno.

Mais alarmante é o dado da rejeição de Marina, que começou com incríveis 11% quando da confirmação de sua candidatura em substituição a Eduardo Campos, e agora atinge 25% – ultrapassando os 23% de Aécio e aproximando-se dos 31% de Dilma.

Veja aqui todas as pesquisas eleitorais realizadas para a eleição presidencial de 2014

A pessebista dobrou o índice de rejeição em pouco mais de um mês de exposição, e é a terceira colocada quando a pergunta é “quem está mais capacitado para conduzir o país”. O aumento da rejeição de Marina e o seu esfacelamento como candidata não podem ser explicados por um único viés, mas por uma série de nuances.

Ataques dos adversários

Diferente da eleição de 2010, em que desempenhou um papel de terceira via e se propôs a despolarizar a disputa ao poder central sem esboços de protagonismo, em 2014 Marina representou uma ameaça tanto para o PT como para o PSDB.

Abandonar o posto de coadjuvante significa compreender que se tornará alvo do que os cientistas políticos chamam de ‘agenda negativa’. No mundo real funciona assim com qualquer candidato favorito. Em nenhum momento, porém, a equipe de Marina mostrou-se preparada para abstrair tantas pautas negativas que, como já dissemos, naturalmente atingem candidatos com verdadeiras possibilidades de vencer uma eleição presidencial. Junte-se a isso o escasso tempo de TV e de Rádio da coligação do PSB para rebater as ofensivas dos adversários e o problema será ainda maior.

PT e PSDB exploraram as fragilidades de Marina por duas óticas. A campanha de Aécio associou a imagem da ex-senadora aos escândalos de corrupção petistas, propagando que Marina fora conivente com os possíveis desmandos da gestão do PT enquanto ocupou a cadeira de Ministra do Meio Ambiente no governo Lula. Os marqueteiros de Dilma, por sua vez, expuseram uma Marina Silva frágil, contraditória, conservadora em assuntos econômicos e sociais, incapaz de lidar com as intempéries intrínsecas à Presidência da República e que muda de posição toda vez que é pressionada. Assim, PSDB e PT conseguiram fazer a candidata evangélica sangrar entre os mais variados grupos de eleitores: conservadores, progressistas, apolíticos e indecisos em geral.

Questões específicas como a mentira sobre a sua votação na CPMF e os riscos de um Banco Central independente também foram exploradas à exaustão e, muito provavelmente, influenciaram em algum nível o posicionamento de determinada camada do eleitorado.

Contradições e constrangimento

Se em 2010 Marina surfou na onda da terceira via, em 2014 precisou dedicar tempo a explicar recuos e contradições. Um dos incidentes mais polêmicos envolveu o líder evangélico Silas Malafaia – que exigiu da candidata retratações sobre o capítulo do seu programa de governo que tratava dos direitos dos homossexuais. Para o pastor, o programa de Marina era “mais à esquerda e pró-gay” que o de Dilma. As críticas de Malafaia foram premiadas com um recuo: Marina anunciou a mudança do texto – o que causou indignação na comunidade LGBT e acarretou no pedido de afastamento do diretor geral do núcleo gay do PSB.

O episódio entre Marina e Malafaia encorajou outro líder evangélico a se manifestar. O deputado Marco Feliciano, ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal abandonou a candidatura do Pastor Everaldo e indicou voto em Marina.

Não é de se estranhar que Marina, sabidamente evangélica, receba o apoio de lideranças evangélicas – hoje, aliás, a candidata só lidera as pesquisas neste segmento. O incômodo, na verdade, se acentua quando fundamentalistas religiosos – influentes entre os seus, mas rejeitados fora do casulo – interferem no programa e no discurso da candidata e pautam a sua agenda de campanha.

O posicionamento dos Generais conservadores da reserva, que emitiram nota oficial em que afirmavam enxergar em Marina Silva um “fio de esperança” na disputa presidencial também causou constrangimento. Na mesma semana, Marina anunciou um outro recuo: mudou sua opinião histórica e passou a defender a anistia para torturadores da ditadura militar – o que lhe rendeu críticas e mais desgaste; assim como quando do mais recente recuo após pressão de agronegócio.

“Nova Política”

Na política contemporânea, com o eleitorado dotado de um senso crítico cada vez mais apurado e munido de informações, pouco adianta apresentar-se como o “novo”; é preciso demonstrar, com atitudes e argumentos consistentes, que tipo de novidade se está propondo e até onde existe a viabilidade para a implantação prática das propostas. Luciana Genro, no último debate da TV Record, precisou de poucas palavras para provar que a “nova política” de Marina não passa de um embuste.

“Tu tens dito que defendes uma nova política, mas teus economistas são ligados ao PSDB… e tua campanha é financiada por bancos e empreiteiras. Como é que tu vais fazer uma nova política com esses aliados?”, questionou a candidata do PSOL. Com clara intenção de nocauteá-la (ou desmistificá-la), Luciana prosseguiu: “A nova política da Marina é assim: ela recebe a pressão do agronegócio, cede e diz que nunca foi contra os transgênicos. À pressão dos banqueiros, ela cede dizendo que vai dar autonomia pro Banco Central. À pressão dos reacionários do Congresso, […] ela cede e joga na lata do lixo o seu programa de defesa dos direitos LGBT. Essa é a nova política da Marina. Mais velha do que a história.”

Vê-se, portanto, que propagandear-se como a paladina da “nova política” foi uma estratégia ousada, mas não necessariamente eficaz. Se de um lado Marina conseguiu inicialmente provocar comoção nos incautos, por outro não houve como sustentar a tese da nova política a médio-longo prazo em razão de nela inexistir racionalidade.

Não há justificativa racional que sustente, por exemplo, as contradições de uma “nova política” que critica os velhacos Renan e Sarney, mas ao mesmo tempo é aliada dos igualmente velhacos Bornhausen e Heráclito Fortes – herdeiros da ARENA, partido que deu sustentação civil ao Regime Militar.

“Nova Política”(2)

Parte do eleitor, em algum momento, deve ter se questionado sobre a faceta camaleoa de Marina Silva. Foram muitas mudanças de sigla em um curto período de tempo. Será que as diferenças que levaram a ex-senadora a deixar o PT e, depois, o PV foram maiores mesmo do que as que existem entre a REDE e o PSB? Será que a motivação dela é mesmo enriquecer sua biografia se tornando presidente da República?

Os ambientalistas, sendo minoria, não deveriam estar todos juntos, ao invés de separados? Por que PEN, PV, REDE (mesmo ainda ilegal) ou qualquer outro que porventura exista não se fundem? Ou melhor, por que o Partido Verde não foi capaz de abrigar todos os preocupados com o ecossistema universal e, em especial, o brasileiro? Justamente porque, unidos, os políticos ecologistas são bem mais frágeis do ponto de vista pragmático (leia-se financeiro) eleitoral. Para chegarem ao poder, precisam de forças antagônicas ao seu projeto. Assim, caso fosse eleita, Marina teria de ceder às forças que a apoiam e fica tudo no mesmo, quer dizer, no mesmo estágio atingido pela sua política ambiental enquanto Ministra do Meio Ambiente do governo Lula, que reduziu o desmatamento da floresta Amazônica.

Militância e ruas

Ficou claro que a internet exerceu, nas eleições de 2014 no Brasil, uma função mais destacada do que em pleitos antecedentes, mas, apesar de relevante, o mundo virtual ainda está longe de substituir as ruas como o palco central da disputa eleitoral.

A despeito da dificuldade de acesso a material de campanha, como foi registrado em várias cidades do país, o eleitor de Marina privou-se de ir às ruas. Os votos de Marina, em boa parte, são de eleitores com perfis anti-partido e anti-política; trata-se, portanto, de um eleitor que nutre algum repúdio pelo hábito do modo tradicional das manifestações político-eleitorais e, talvez, não compreenda a importância da sustentação popular de uma candidatura. Isso explica por que os comícios de Marina Silva estavam esvaziados, ou com público aquém do esperado, durante toda a campanha, inclusive em redutos onde a candidata liderava as intenções de voto.

5 de outubro

Existem três possíveis cenários para o próximo dia 05 de outubro de acordo com as últimas pesquisas eleitorais – o que caracteriza a eleição de 2014 como uma das mais indefinidas desde a abertura democrática. Dilma Rousseff pode liquidar a eleição ainda no primeiro turno ou enfrentar tanto Aécio Neves como Marina Silva em um segundo turno. A única certeza é que se a eleição fosse esticada por mais uma semana, o número de cenários possíveis estaria reduzido.

Se a morte de Eduardo Campos foi o imponderável que abriu as portas para Marina Silva e, consequentemente, acalorou a sua candidatura com requintes emocionais, a campanha eleitoral mostrou que não só de emoção se alimenta o eleitor, e, como diz o linguajar popular, o jogo só acaba quando termina.

*Luis Soares é colunista e editor de Pragmatismo Político

Acompanhe Pragmatismo Político no Twitter e no Facebook.

Recomendações

COMENTÁRIOS