Redação Pragmatismo
Revista Veja 26/Mai/2014 às 19:18 COMENTÁRIOS
Revista Veja

A peça jornalística mais bizarra da história

Publicado em 26 Mai, 2014 às 19h18

Revista Veja atinge o ápice do seu complexo de vira-latas. Sua reportagem de capa é o relato de um personagem fictício, nascido nos EUA, que desembarca em São Paulo e descobre que o "Brasil é um lixo", que somos um país de quinta

john doe revista veja

Você conhece John Doe? Nós também não. Na verdade, ele não existe. É um personagem de ficção, criado pela revista Veja, para exercitar seu próprio complexo de vira-latas. É também o personagem da capa desta semana, chamada “Susto Brasil”.

Sabe-se pouco sobre a vida pretérita de John Doe. Apenas que ele nasceu nos Estados Unidos, como sempre foi o sonho dos Civita, que emigraram da Itália, tomaram o navio errado para a promissora América, mas caíram na Argentina, de onde depois vieram para o Brasil.

Leia também: Editor da Veja vai comandar equipe de Aécio Neves

Doe é o protagonista da mais bizarra capa de uma revista semanal já publicada na história da imprensa brasileira. Bisonha, ridícula e patética.

Na “reportagem”, ele desembarca no Aeroporto de Guarulhos, cujo novo terminal foi inaugurado pela presidente Dilma Rousseff na semana passada, e descobre que nada aqui funciona. Em suma, Doe se dá conta de que o Brasil é um lixo que pode ser constatado já nos aeroportos – fetiche da classe média “wannabe“, que sonha em ser algo mais.

O vôo de Doe atrasa e durante sua estadia no Brasil e ele também descobre que aqui as transferências bancárias apresentam problemas, a internet funciona mal e é impossível cancelar uma linha telefônica. O Brasil seria ainda o país da burocracia, onde as coisas só seriam válidas se estivessem carimbadas. Fazer contratos de aluguel, então, um martírio.

São mais de vinte páginas de enrolação, que demonstram apenas o esgotamento do modelo Veja de denuncismo barato e a falta de criatividade de seus editores.

Mas a capa talvez esteja inserida num contexto. Às vésperas da Copa do Mundo de 2014, é hora de baixar a cabeça e sentir vergonha do País, como sugeriu o craque Ronaldo.

247

COMENTÁRIOS